20 de jan de 2018

Pescadores de Homens



Reflexão para este 3º Domingo Comum do Ano B, 2018 com o tema do Chamado do Senhor a seguí-lo, chamado à conversão e a sermos missionários.




19 de jan de 2018

Missão dos Leigos





Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana


"Na fonte do Concílio Vaticano II, vamos beber os ensinamentos que nos ajudam a aprofundar a reflexão neste Ano do Laicato. Diz a Constituição Dogmática sobre a Igreja: 'Cristo, o grande profeta, que pelo testemunho da vida e a força da palavra proclamou o reino do Pai, realiza a sua missão profética, não só por meio dos Pastores que ensinam em seu nome e com a sua autoridade, mas também por meio dos leigos e leigas; para isso os constituiu testemunhas, e lhes concedeu o sentido da fé e o dom da palavra a fim de que a força do Evangelho resplandeça na vida quotidiana, familiar e social. Nas estruturas da sociedade, os leigos cristãos manifestem a certeza de sua fé e a firmeza na esperança' (cf. LG 35).

O modo de evangelizar, próprio do laicato, proclamando a mensagem de Cristo com o testemunho da vida e com a palavra, adquire um caráter específico e uma particular eficácia por se realizar nas condições ordinárias da vida no mundo, nas várias circunstâncias, realidades e situações. Nesta obra, a vida matrimonial e familiar desempenha grande e importante papel. Aí se encontra uma admirável escola de apostolado dos leigos e leigas, se a religião penetrar toda a vida e transformar cada vez mais a realidade que envolve a família. Aí encontram os esposos a sua vocação própria, de ser um para o outro e para os filhos as testemunhas da fé e do amor de Cristo. A família cristã proclama as virtudes presentes do reino de Deus e a esperança na vida bem-aventurada. E deste modo, pelo exemplo e pelo testemunho, questiona o mundo com seus contra-valores e ilumina aqueles que buscam a verdade. Ocupados com os cuidados temporais, os leigos e leigas exercem valiosa ação para a evangelização e transformação do mundo (cf. LG 35).

Também por meio do laicato, o Senhor deseja dilatar o seu reino: reino de verdade e de vida, reino de santidade e de graça, reino de justiça, de amor e de paz, no qual a própria criação será liberta da servidão da corrupção, alcançando a liberdade da glória dos filhos de Deus (cf. Rm. 8,21). Por conseguinte, devem os fiéis conhecer a natureza íntima e o valor de todas as criaturas e a sua ordenação para a glória de Deus, ajudando-se uns aos outros a levar uma vida mais santa, para que assim o mundo seja penetrado do espírito de Cristo e, na justiça, na caridade e na paz, atinja mais eficazmente o seu fim. Na realização plena deste dever, os leigos ocupam o lugar mais importante e têm aí o protagonismo: Com a sua competência nos diferentes campos da atividade e do conhecimento humano, o laicato contribui eficazmente para que os bens criados sejam valorizados pelo trabalho, pela técnica e pela cultura para utilidade de todo o gênero humano, sejam mais bem distribuídos e contribuam para o progresso de todos. Além disso, também pela união das próprias forças, devem os leigos e leigas sanear as estruturas e condições do mundo, se elas porventura propendem a levar ao pecado, de tal modo que todas se conformem às normas da justiça e antes ajudem ao exercício da prática do bem. Agindo assim, os leigos e leigas infundirão os valores morais na cultura e na atividade humana (cf. LG 36).

“Perante o mundo, cada cristão leigo deve ser uma testemunha da ressurreição e da vida do Senhor Jesus e um sinal do Deus vivo. Todos em conjunto, e cada um por sua parte, devem alimentar o mundo com frutos espirituais (cf. Gl. 5,22) e nele difundir aquele espírito que anima os pobres, mansos e pacíficos, que o Senhor no Evangelho proclamou bem-aventurados (cf. Mt 5, 3-9). Numa palavra, como disse Diogneto no século II, sejam os cristãos no mundo aquilo que a alma é no corpo” (LG 38).



Fonte: http://www.arqmariana.com.br/noticia/1386/ano-do-laicato-iv

18 de jan de 2018

A vocação dos Leigos




Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana


"O Ano do Laicato que estamos celebrando em todo o Brasil tem como tema “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino” e como lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14). O objetivo do Ano do Laicato foi assim formulado: “como Igreja, Povo de Deus, queremos celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

O Concílio Vaticano II nos recorda que os leigos e leigas têm por irmãos aqueles que, estabelecidos no sagrado ministério, apascentam a família de Deus ensinando, santificando e governando com a autoridade de Cristo. Desse modo, todos somos chamados a colocar em prática o mandamento do amor (cf. LG 32).

Unidos no Povo de Deus e constituídos no corpo único de Cristo sob uma só cabeça, os leigos e leigas, como membros vivos e atuantes, com todas as forças que receberam da bondade do Criador e por graça do Redentor, são chamados a contribuir para o crescimento da Igreja e sua contínua santificação. Com sua atuação, os leigos participam na própria missão salvadora da Igreja, à qual todos são destinados pelo Senhor, por meio do Batismo e da Confirmação. E os sacramentos, sobretudo a sagrada Eucaristia, comunicam e alimentam o amor para com Deus e os irmãos.  Mas os leigos são especialmente chamados a tornar a Igreja presente e atuante nos locais e nas circunstâncias em que só por meio deles ela pode ser o sal da terra e a luz do mundo. Deste modo, todos os leigos e leigas, pelos dons que lhes foram concedidos, são ao mesmo tempo testemunhas e instrumentos vivos da missão da própria Igreja.

Além disso, os leigos e leigas, por diversos modos, podem também cooperar com os ministros ordenados em suas atividades específicas, à semelhança daqueles homens e mulheres que ajudavam o Apóstolo Paulo no serviço do Evangelho. De acordo com as necessidades da comunidade, eles podem ser chamados a exercer certos cargos e a assumir determinados ministérios e funções. Como acontece em muitos lugares, leigos e leigas podem ser instituídos ministros do Batismo, da Palavra, da distribuição da Comunhão Eucarística, assistentes leigos para o Matrimônio e outros serviços eclesiais.

Incumbe, portanto, a todos os leigos a magnífica tarefa de trabalhar para que o desígnio de salvação atinja cada vez mais os seres humanos de todos os tempos e lugares. Portanto, deve estar amplamente aberto o caminho, a fim de que, segundo as próprias capacidades e de acordo com as necessidades, os cristãos leigos e leigas possam participar com ardor na ação da Igreja (cf. LG 33).

Ensina ainda o Vaticano II que Jesus Cristo, supremo e eterno sacerdote, continua também por meio dos leigos sua ação salvadora no mundo. Por isso ele associou os cristãos leigos e leigas à sua própria vida e missão e lhes concedeu participação no seu múnus sacerdotal, a fim de que exerçam um culto espiritual, para glória de Deus e salvação do gênero humano. Por esta razão, os leigos, enquanto consagrados a Cristo e ungidos no Espírito Santo, têm uma vocação admirável e são dotados para que os frutos do Espírito se multipliquem neles cada vez mais abundantemente. Pois todos os seus trabalhos, orações e empreendimentos apostólicos, a vida conjugal e familiar, o trabalho de cada dia, o descanso do espírito e do corpo e os próprios incômodos da vida, suportados com paciência, se tornam em outros tantos sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo (cfr. 1 Ped. 2,5); sacrifícios estes que são oferecidos ao Pai, juntamente com a oblação do corpo do Senhor, na celebração da Eucaristia. E deste modo, os leigos e leigas, agindo em toda a parte santamente, consagram a Deus o próprio mundo (cf. LG 34)."



17 de jan de 2018

O que é o Leigo



Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana


"Com toda a Igreja no Brasil, celebraremos o Ano do Laicato, que houve sua abertura no dia 26 de novembro de 2017 e será encerrado na Solenidade de Cristo Rei de 2018. Nas fontes do Concílio Vaticano II, queremos beber das águas cristalinas dos ensinamentos do Magistério da Igreja. O capítulo IV da Lumen Gentium é dedicado aos leigos e leigas. Os Pastores do Povo de Deus reconhecem “quanto os leigos contribuem para o bem de toda a Igreja” (LG 30). Mas, sempre surge a pergunta: O que se entende por leigo ou leiga? Muitas vezes, essa expressão é usada com sentido pejorativo. Por exemplo, quando alguém diz “eu sou leigo no assunto”, está afirmando sua falta de conhecimento. Então leigo é sinônimo de ignorante? De forma alguma! Diz o Vaticano II: Por leigos entendem-se todos os cristãos, isto é, os fiéis que, incorporados em Cristo pelo Batismo, constituídos em Povo de Deus e, a seu modo, tornados participantes da função sacerdotal, profética e real de Cristo, exercem, pela parte que lhes toca, a missão de todo o povo cristão na Igreja e no mundo (cf. LG 31).

O Concílio ensina que é própria e peculiar dos leigos a característica secular, isto é, sua missão no mundo. “Por vocação própria, compete aos leigos procurar o Reino de Deus tratando das realidades temporais e ordenando-as segundo Deus. Vivem no mundo, isto é, em toda e qualquer ocupação e atividade terrena, e nas condições ordinárias da vida familiar e social, com as quais é como que tecida a sua existência. Os leigos e leigas são chamados por Deus para que, exercendo o seu próprio ofício, guiados pelo espírito evangélico, concorram para a santificação do mundo a partir de dentro, como o fermento, e deste modo manifestem Cristo aos outros, antes de mais nada pelo testemunho da própria vida, pela irradiação da sua fé, esperança e caridade. Portanto, especialmente a eles compete iluminar e ordenar de tal modo as realidades temporais a que estão estreitamente ligados, que elas sejam sempre feitas segundo Cristo, progridam e glorifiquem o Criador e Redentor” (cf. LG 31). Assim, o ensinamento do Vaticano II nos remete às palavras de Cristo: “Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo” (Mt 5, 13-14).

Na riqueza dos dons, na diversidade dos ministérios e na variedade dos carismas, todos devem contribuir para a unidade da Igreja. Unidade não é sinônimo de uniformidade. Constrói-se a unidade na diversidade. Aliás, tanto a unidade como a diversidade são dons do Espírito Santo.  «Assim como num mesmo corpo temos muitos membros, e nem todos têm a mesma função, de modo análogo, nós somos muitos e formamos um só corpo em Cristo, sendo membros uns dos outros» (Rom. 12, 4-5).

Do mesmo modo como a expressão “Igreja” não se refere unicamente aos pastores, também a expressão “Povo de Deus” não se aplica somente aos fiéis leigos. Pastores e fiéis leigos formamos a Igreja, Povo de Deus. “Um só é, pois, o Povo de Deus: “um só Senhor, uma só fé, um só Batismo” (Ef. 4,5); comum é a dignidade dos membros, pela regeneração em Cristo; comum a graça de filhos; comum a vocação à perfeição; uma só salvação, uma só esperança e uma caridade indivisa. Portanto, não pode haver nenhuma desigualdade em Cristo e na Igreja, por motivo de raça ou de nação, de condição social ou de sexo. A diversidade de funções não deve levar a oposições. É preciso superar a contraposição entre ministros ordenados e cristãos leigos. “Ainda que, por vontade de Cristo, alguns são constituídos dispensadores dos mistérios e pastores em favor dos demais, reina, porém, igualdade entre todos quanto à dignidade e quanto à atuação, comum a todos os fiéis, em favor da edificação do corpo de Cristo” que é a Igreja (cf. LG 32).



Fonte:
http://www.arqmariana.com.br/noticia/1250/ano-do-laicato-ii

16 de jan de 2018

Objetivo do Ano do Laicato




"O Ano do Laicato, que teve início na Solenidade de Cristo Rei de 2017 e será encerrado na Solenidade de Cristo Rei de 2018. Essa coincidência nos permite aprofundar a reflexão sobre o Povo de Deus. Diz o Concílio Vaticano II, na Constituição Dogmática sobre a Igreja: “O sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial, embora se diferenciem essencialmente, e não apenas em grau, ordenam-se um ao outro; pois um e outro participam, a seu modo, do único sacerdócio de Cristo. Com efeito, o sacerdote ministerial, pelo seu poder sagrado, forma e conduz o povo sacerdotal, realiza o sacrifício eucarístico fazendo as vezes de Cristo, e oferece-o a Deus em nome de todo o povo; os fiéis concorrem para a oblação da Eucaristia em virtude do seu sacerdócio real, que exercem na recepção dos sacramentos, na oração e ação de graças, no testemunho da santidade de vida, na abnegação e na caridade operosa” (cf. LG 10).

O objetivo do Ano do Laicato é “como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

O tema do Ano do Laicato é: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14).  Assim, queremos oferecer aos leigos e leigas a oportunidade de aprofundar sua reflexão em vista de alimentar ainda mais o desejo de seguir Jesus Cristo como seus discípulos(as) e missionários(as)".

Dom Geraldo Lyrio Rocha

Arcebispo de Mariana

Fonte:
http://www.arqmariana.com.br/dom-geraldo-lyrio-rocha


15 de jan de 2018

Catequeses do Papa sobre a Eucaristia




Irmãos, o Papa Francisco começou uma série de catequeses às quartas-feiras sobre a Eucaristia, a Santa Missa e suas partes. Iniciou em 8/11/2017. Para estudarmos melhor estas catequeses, criei um canal no Telegram onde postarei os documentos relativos a cada catequese, os textos, os links, os vídeos, etc.

Se você ainda não tem o Telegram, instale ele no seu celular, cadastre-se e acesse o link abaixo entrando no canal com todo esse preciosíssimo material:

https://t.me/joinchat/AAAAAFGaKwGD791eJ6ON7Q


14 de jan de 2018

O grave cuidado com as vestes



Repasso aqui um excelente texto de um irmão, Marcelo Faria, que o publicou no facebook e pedi permissão para postar aqui:


"“Basta um olhar impuro para abrir as portas do inferno” (Santo Antão)

As mulheres, de um modo geral, parecem não mais se preocupar com a salvação dos homens. Claro, muitas são na ignorância, acham que o uso de uma calça jeans apertadíssima, um mini tudo (short, saia, vergonha), decotes escandalosos, não ofendem e nem causam mal algum. Mas o problema é que causa muito problema. Mesmo que um homem não chegue nem mesmo a te “xavecar” seduzido pela sua vestimenta, saiba que o homem te devora pelo pensamento. E aí está a porta do inferno aberta para este(s) homem(ens) que pecaram em seus corações. Acha exagero? O Senhor Jesus Cristo disse: “todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração.”(Mateus 5,28). E o pior é que se a mulher, mesmo sabendo que com suas vestes – ou falta de veste melhor dizendo – pode estar levando seus irmãos para o inferno, é tão orgulhosa de dizer “ah, pensou besteira porque quis, não tenho culpa, os tempos são outros, quem pensou besteira não fui eu”; tome cuidado, porque nosso Senhor Jesus Cristo disse à Santa Ângela de Foligno o seguinte: “Quando a morte te arrancar deste mundo, cheio de vaidades e luxos sem razão, e chegardes a Minha Presença para ser julgada... vendo os pecados que os homens cometeram ao olhar para o teu corpo escassamente coberto, tu própria ficarás envergonhada”. Que pretexto poderás então apresentar-Me? Ai de ti mulher pelos teus escândalos! Ai de ti que perdeste o pudor e a vergonha! Porque procedes assim? Porque me crucificas novamente com os cravos da tua imodéstia? Quando, de forma irrespeitosa, Me recebes na Comunhão, quanta amargura sinto ao entrar no teu corpo, que é motivo de tantos pecados nos homens e de mau exemplo para as poucas mulheres que tu, com desdém e desprezo, chamas “antiquadas”,!... Asseguro-te, que muitas destas “antiquadas” estão Comigo, enquanto muitas “modernas” sem pudor, como tu, estão “gozando” no inferno”. – Então, queridas irmãs, não é perseguição ou algo do tipo, mas é corrida ruma a salvação. Essas mensagens de Jesus à Santa Ângela são fortes, e veja que ela morreu em 1309. Imagine a imodéstia dela, que Jesus já repudiava tanto; compare com as vestimentas dos dias de hoje. Tanto mini, tanta imundície. Tem short que algumas mulheres usam que mais parece um cinto ou um tapa-sexo. Como acham que poderão se salvar e colaborar na salvação dos homens a sua volta?

Uma mulher má vestida, indecente, imoral, imodesta, ela atrai multidões a si. Mas não multidões de homens. Porque homens querem mulheres de verdade, que se vestem como mulheres. Uma mulher vulgar, quando se veste da forma descrita, ela está se jogando numa lavagem, “se veste de esterco”, e o que ela atrai não são homens de verdade, mas porcos. Só o que você atrai, mulher, que veste de forma vulgar, são porcos que querem se lambuzar na lama do pecado. Pergunte para qualquer homem sério, se ele gostaria de casar – matrimônio verdadeiramente – com uma funkeira, ou qualquer outra mulher vulgar. Repito: se ele queria casar, e não transar em uma noite qualquer. Porque isso, até eu quando era um porco já desejei.

O homem tem que se precaver de uma forma tremenda, é difícil, mas devemos lutar. A luta pela castidade é uma eterna fuga. Quem não fugir das ocasiões de pecado, perderá. É comum sair da confissão e ao sair da Igreja ver mulheres com os citados “tapa-sexo” e aí temos que desviar o olhar e pedir a Virgem Maria para nos ajudar a preservar nossa pureza. Já tive a experiência de ir para a Santa Missa, e, de repente, ver garotas imodestas na rua, então, decido mortificar meu olhar, ou seja, mudar o caminho até a Igreja, e, quando viro, lá vem outra imodesta. É uma eterna luta/fuga. O mais triste é quando eu tento me socorrer na Igreja e lá encontro a causa do meu pecado: IMODÉSTIA! Acho se as mulheres não mudarem o jeito de se vestir, cada vez mais teremos ou homens caídos, ou homens corcundas de tanto ficar olhando para o chão (risos).

O homem ele deve fugir das ocasiões SEMPRE! Perdoe-me os rapazes que gostam de academia, mas, diga a verdade, no horário que você malha, tem muita mulher, certo? E quando você vê essas mulheres malhando com roupas mais justas que tudo, que desenha o órgão genital, e em posições que alimentam com lavagem a mente masculina, o que você faz? Ou melhor: o que você pensa? Por acaso você pensa: “Ô lá em casa rezando comigo o Rosário, ia ser só a unção poderosa de Deus”? Porque eu sou homem, e pela minha concupiscência eu pensaria coisas que seria imoral falar aqui. Então é melhor entrar no Reino dos Céus magrelo do que ser “bombado” e ter muito músculo queimando nos quintos dos infernos. É uma questão de escolha. São Domingos Sávio dizia “antes morrer do que pecar”. E se não me engano foi o mesmo jovem Santo, que ao andar com a cabeça baixa, perguntaram o motivo, e ele disse que era porque queria ver a Virgem Maria no Céu. Ou seja, preservar a pureza no olhar, para que não olhando as porcas na terra e pensando pecado, pudesse contemplar a toda pura e bela Virgem Maria Mãe de Deus no Céu. Isso é belo, e você, vai trocar a contemplação da Mãe de Deus e da própria face de Deus para ficar cometendo a impureza em seus pensamentos? “Se teu olho direito é para ti causa de queda, arranca-o e lança-o longe de ti, porque te é preferível perder-se um só dos teus membros a que o teu corpo todo seja lançado na geena.” (Mateus 5,28)

Mas, como disse, muitas mulheres são ignorantes neste ponto. Mas isso é algo que é da natureza feminina. Aliás, os dois lados: o pensamento do homem e a mulher mostrar seu corpo, ambos são consequências do pecado original. “Multiplicarei os sofrimentos de teu parto; darás a luz com dores, teus desejos te impelirão para o teu marido e tu estarás sob o seu domínio”(Gênesis 3,16). Por causa do pecado original que temos manchados em nossa alma, temos essa consequência terrível. Os desejos da mulher impelirão para o homem. É como se o homem e a mulher tivesse imãs: o homem tem o imã que faz a mulher querer se impelir, se “mostrar” para o homem; e a mulher, usando deste desejo de se mostrar que é consequência do pecado original, faz disso um imã, que atrai o homem para si, principalmente pelo olhar. Tanto é, que Deus não quis deixar Adão e Eva entregues a imodéstia: “O Senhor Deus fez para Adão e sua mulher umas vestes de peles, e os vestiu”(Gênesis 3,21) – O problema é que Deus vê mancha até nos anjos, e tem mulher que acha que é imaculada e que toda a humanidade é imaculada (A única Imaculada que conheço é a Santíssima Virgem Maria); tem mulher que não se espelha na Virgem Maria, mas em Eva: Não vive a modéstia mariana, mas quer viver pelada como Eva vivia antes do pecado original. E essa desordem está acabando com a humanidade. A mulher tem que ver que ela é uma potência, ela é um dom de Deus, para termos a vida Deus usa a mulher, o ventre da mulher. Quando Deus veio ao mundo encarnado na Pessoa de Jesus Cristo, Ele veio no ventre de uma Mulher. Por isso a mulher deve compreender a beleza feminina e não a cultura das porcas.

Lembro-me de São Padre Pio de Pietrelcina que expulsava da Igreja mulheres vestidas imodestamente. O santo dizia: “saiam daqui suas porcas, as carnes desnudas vão queimar no inferno”. Ele ainda chorando dizia que temia que não houvesse lugar no inferno para esta geração (São Pio era do século passado e se referia a nossa geração). Nossa Senhora em Fátima, em revelação à Beata Jacinta, disse que viriam modas que ofenderiam muito a Nosso Senhor, que as pessoas que servem a Deus não deviam andar com as modas. Aí eu te pergunto meus irmãos e minhas irmãs: O que inventaram de 1917 até os dias de hoje? Inventaram os vestidos, saias longas, véu, etc? Ou inventaram calças para mulheres que são apertadíssimas, inclusive a calça jeans que é terrível não só pela imodéstia em si, mas porque tira a feminilidade da mulher. Ou inventaram também as mini saias, mini shorts (cintos/tapa-sexo), decotões, etc.? É, ninguém deu importância a esta mensagem de Nossa Senhora porque a 100 anos atrás era quase impossível imaginar nas modas que estariam por vir. E, como sempre, minha Mãe Maria Santíssima estava certa. Sejamos sinceros: hoje as mulheres se vestem piores que as prostitutas à alguns anos atrás. E parece que se vestir como uma prostituta virou motivo de comemoração. Afinal, movimentos feministas se manifestam tirando a roupa. Um policial em um país disse que existia muito estupro porque as mulheres se vestiam como “vadias”, ai as mulheres feministas mostraram toda a sua dignidade inventando a “macha das vadias” aonde as porcas se lambuzam em seus estrumes de cada dia.

E, vale lembrar, que a imodéstia não existe apenas do lado feminino. Rapazes que entravam com camisetas regata na Igreja de São Pio de Pietrelcina, ele bradava a mesma coisa “as carnes desnudas irão queimar...” É um show de horror ver homens até mesmo dentro da Igreja de bermuda, shortinho, chinelo, camiseta todo marombado, seduzindo as “novinha”. Deixemos de ser este covil de impuros, exalemos a santidade da Virgem Maria! Se espelhem na Virgem Maria e não nas prostitutas!

Por isso, vos suplico, mortifiquem o olhar. É difícil. Até mesmo nos dias de hoje em que se acessa muito as redes sociais, e sempre tem uma pervertida ou um jovem insano postando foto pornográfica. Precisamos fugir dessas ocasiões. São Basílio nos ensina que para ser casto é preciso se impor muitos sacrifícios e fazer- se uma grande violência. Santa Potamiena, ao defender sua castidade, sendo condenada a morte por não ceder aos convites para pecar, disse: “Ao menos mandai, diz-lhe ela, que eu seja lançada vestida” (Ela foi jogada na caldeira). Veja que exemplo, esta santa se preocupou não com as dores, com a terrível morte que sofreria, mas preocupou-se em ser lançada para o martírio vestida. Queria preservar a pureza, e preservar os homens também deste pecado.

Gostaria de finalizar este post com um trecho de um sermão de São João Maria Vianney sobre a pureza: “Ó DEUS, QUANTAS ALMAS ESTE PECADO ARRASTA PARA O INFERNO!... Não, meus irmãos, esta bela virtude não é conhecida por estas moças mundanas e corrompidas que tomam tantas precauções e cuidados para atraírem sobre si os olhos do mundo; que por seus enfeites exagerados e indecentes, anunciam publicamente que são infames instrumentos de que o inferno se serve para perder as almas; estas almas que custaram tantos trabalhos, lágrimas e tormentos a Jesus Cristo! ... Vede estas infelizes, e vós vereis que mil demônios circundam sua cabeça e seu coração. Ó meu Deus, como a terra pode suportar tais sequazes do inferno? Coisa mais espantosa ainda, como mães as suportam num estado indigno de uma cristã! Se eu não temesse ir longe demais, eu diria a estas mães que elas valem o mesmo que suas filhas. Ai, este infeliz coração e estes olhos impuros não são mais que uma fonte envenenada que dá a morte a qualquer que os olha e os escuta. Como tais monstros ousam se apresentar diante de um Deus santo e tão inimigo da impureza! Ai! A vida deles não é mais que uma acumulação de banha que eles estão juntando para inflamar o fogo do inferno por toda a eternidade.”

E lembre-se: roupa não define caráter, mas me ajuda a distinguir uma mulher de Deus de uma porca.
Salve Maria Imaculada! A Mulher que Deus colocou para que você mulher imitar".


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.