"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12

10 de set de 2008

"Se não fosse a Igreja Católica, não existiria a Bíblia como a temos hoje."

Entrevista com Professor Felipe Aquino

Setembro é o mês em que a Igreja celebra a Bíblia; é um tempo para refletirmos sobre a Palavra de Deus e a sua importância para nossa vida. Este mês foi escolhido pela Igreja porque 30 de setembro é dia de São Jerônimo (ele nasceu no ano de 340 e faleceu em 420 d.C).

São Jerônimo foi um grande biblista que traduziu a Bíblia dos originais (hebraico e grego) para o latim, que, naquela época, era a língua falada no mundo e usada na liturgia da Igreja.

Nesta entrevista, professor Felipe Aquino, apresentador do programa Trocando Idéias da TV Canção Nova, fala sobre a autenticidade dos Evangelhos Bíblicos e a importância da Palavra de Deus para a Igreja Católica. Ele também explica o que a Igreja recomenda para uma boa leitura deste Livro e qual a maneira correta de se fazê-la.


Felipe Aquino é doutor em Física pela UNESP e membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de Aprofundamentos no país e no exterior, já escreveu 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias".


cancaonova.com: Os quatro Evangelhos encontrados na Bíblia são autênticos?


Felipe Aquino: A Igreja não tem dúvida de que os Evangelhos são rigorosamente históricos. É o que nos diz a Constituição Apostólica Dei Verbum sobre a Revelação Divina: "A santa mãe Igreja, constantemente, creu e crê que os quatro mencionados Evangelhos, cuja historicidade afirma sem hesitação, transmitem, fielmente, aquilo que Jesus, Filho de Deus, ao viver entre os homens, realmente fez e ensinou para a salvação deles, até o dia em que foi elevado" (DV,19). Sabemos que os originais (autógrafos) dos Evangelhos, tais como Mateus, Marcos, Lucas e João, se perderam, dada a fragilidade do material usado (pele de ovelha ou papiro).

cancaonova.com: Como e quando a Bíblia foi escrita?

Felipe Aquino: Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 a. C). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro). Moisés foi o primeiro codificador das leis e tradições orais e escritas de Israel. Essas tradições foram crescendo aos poucos por outros escritores no decorrer dos séculos, sem que houvesse uma catalogação rigorosa das mesmas. Assim foi se formando a Literatura Sagrada de Israel.


Felipe Aquino: Qual a importância da Bíblia para a Igreja Católica?

Felipe Aquino: Se não fosse a Igreja Católica, não existiria a Bíblia como a temos hoje, com os 73 livros canônicos, isto é, inspirados pelo Espírito Santo. Foi num longo processo de discernimento que a Igreja, desde o tempo dos apóstolos, foi 'berçando' a Bíblia e descobrindo os livros inspirados. Se você acredita no dogma da infalibilidade de Igreja, então pode acreditar na Bíblia como a Palavra de Deus. Mas se você não acredita, então a Bíblia perde a sua inerrância, isto é, ausência de erro. Esta conclusão nos leva a outra também importantíssima, que é a seguinte: se foi a Igreja que, guiada pelo Espírito Santo, compôs a Bíblia, logo, é ela também a única autoridade capaz de a interpretar segundo o que Deus quis nos dizer de fato.

cancaonova.com: Existe uma maneira correta de ler a Palavra de Deus?

Felipe Aquino: Devemos compreender que a Bíblia é a Palavra de Deus escrita para os homens e pelos homens; logo, ela apresenta duas faces: a divina e a humana. Assim, para interpretá-la bem é necessário o reconhecimento da sua face humana, para depois, compreender a sua mensagem divina. Não se pode interpretar a Sagrada Escritura só em nome da "mística", pois, muitas vezes, podemos ser levados por idéias religiosas pré-concebidas, ou mesmo, podemos cair no subjetivismo. Por outro lado, não se pode querer usar apenas os critérios científicos (lingüística, arqueologia, história...); é necessário, após o exame científico do texto, buscar o sentido teológico. A Bíblia não é um livro caído do céu, ela não foi ditada mecanicamente por Deus e escrita pelo autor bíblico (hagiógrafo), mas é um Livro que passou pela mente de judeus e gregos, numa faixa de tempo que vai do séc. XIV a.C. ao século I d.C. É por causa disto que é necessário usar uma tradução feita a partir de originais e com seguros critérios científicos.

O mais importante é entender que a verdadeira leitura bíblica deve sempre ter em vista a finalidade principal de toda a Sagrada Escritura: anunciar Jesus Cristo e dar testemunho de Sua pessoa.



cancaonova.com: O que a Igreja recomenda para uma boa leitura da Palavra de Deus?

Felipe Aquino: Para se fazer uma boa leitura da Bíblia, a Igreja nos recomenda ter em mente o que chamamos de cinco sentidos.

1. A analogia da fé – Cada texto está de certa forma relacionado com toda a Bíblia e com a fé da Igreja. Não podemos tirar um texto ou um versículo que seja deste contexto, sem que possa haver erro de interpretação. Aqui entra a fundamental importância da tradição e do magistério da Igreja.

2. O sentido da História – Deus é o Senhor da história dos homens e a Sua santa vontade se realiza por meio das vicissitudes humanas. O avançar da história também nos ajuda a compreender a Sagrada Escritura. Jesus mandou observar os sinais dos tempos.

3. O sentido do movimento progressivo da Revelação – É importante notar que Deus, na sua paciência diferente da nossa, foi se revelando lentamente durante 14 séculos e continuou a se revelar durante mais de 20 séculos pelos caminhos da Sua Igreja, através da Sagrada Tradição (transmissão oral, não escrita) que para nós católicos tem o mesmo valor das Sagradas Escrituras.

4. O sentido da relatividade das palavras – As palavras são relativas, nem sempre absolutas. Para compreender o texto bíblico importa saber o que certas palavras significavam exatamente quando foram usadas pelo autor sagrado.

5. O bom senso e senso crítico – também é recomendado; isto é, a nossa inteligência e equilíbrio diante dos fatos. É bom saber perguntar diante de certas interpretações: isto tem fundamento no texto original? Ou são apenas o ponto de vista de alguém em desacordo com o autor sagrado?

cancaonova.com: O que narra cada um dos Evangelhos que compõem a Bíblia?

Felipe Aquino: Evangelho de Mateus – É o primeiro que foi escrito em Israel e em aramaico por volta do ano 50. Serviu de modelo para Marcos e Lucas. Ele escreveu para os judeus de sua terra, convertidos ao cristianismo. Era o único dos apóstolos habituado à arte de escrever, calcular e narrar os fatos. Compreende-se que os próprios Apóstolos o tenham escolhido para esta tarefa. O objetivo da narração foi mostrar aos judeus que Jesus era o Messias anunciado pelos profetas, por isso, cita, muitas vezes, o Antigo Testamento e as profecias sobre o Messias.

Evangelho de Marcos
– São Marcos não foi apóstolo, mas discípulo deles, especialmente de Pedro, que o chama de filho (1Pe 5,13). Foi também companheiro de São Paulo na primeira viagem missionária (At 13,5; Cl 4, 10; 2Tm 4,11). O testemunho mais antigo sobre a autoria do Segundo Evangelho é dado pelo famoso bispo de Hierápolis, na Ásia Menor, Pápias (†135).

Evangelho de Lucas
– Lucas não era judeu como Mateus e Marcos (isto é interessante!), mas pagão de Antioquia da Síria (Cl 4, 10´14). Era culto e médico. Ligou-se profundamente a São Paulo e o acompanhou em trechos da segunda e terceira viagem missionária do apóstolo (At 16, 10´37; 20,5´21).

Evangelho de João - Testemunhou tudo o que narrou, com profundo conhecimento. É “o discípulo que Jesus amava” (Jo 21,40). Este Evangelho foi escrito entre os anos 95 e 100 d.C., provavelmente em Éfeso onde João residia.

João não quis repetir o que os três primeiros Evangelhos já tinham narrado, mas usou essas fontes. Escreveu um Evangelho profundamente meditado e teológico, mais do que histórico como os outros. Contudo, não cedeu à ficções ou fantasias sobre o Mestre, mostrando, inclusive, dados que os outros Evangelhos não têm.

cancaonova.com: Por que a Bíblia católica é diferente da protestante?

Felipe Aquino: A Bíblia protestante tem apenas 66 livros, porque Lutero e, principalmente os seus seguidores, rejeitaram os livros de Tobias, Judite, Sabedoria, Baruc, Eclesiástico (ou Sirácida), 1 e 2 Macabeus, além de Ester 10,4-16; Daniel 3,24-20; 13-14. A razão disso vem de longe. No ano 100 da era cristã, os rabinos judeus se reuniram no Sínodo de Jâmnia (ou Jabnes), no sul da Palestina, a fim de definirem a Bíblia Judaica. Isto porque, nesta época, começava a surgir o Novo Testamento com os Evangelhos e as cartas dos Apóstolos, que os Judeus não aceitaram. Nesse Sínodo, os rabinos definiram como critérios para aceitar que um livro fizesse parte da Bíblia, o seguinte: deveria ter sido escrito na Terra Santa; escrito somente em hebraico (nem aramaico e nem grego); escrito antes de Esdras (455-428 a.C.); sem contradição com a Torá ou lei de Moisés. Esses critérios eram nacionalistas, mais do que religiosos, fruto do retorno do exílio da Babilônia. Por esses critérios, não foram aceitos na Bíblia judaica da Palestina os livros que hoje não constam na Bíblia protestante, citados antes.

Fonte:http://www.cancaonova.com/portal/canais/entrevista/entrevistas.php?id=921

2 comentários:

  1. ótimo conteúdo!!!

    ResponderExcluir
  2. Sim se não fosse a «Igreja católica romana» não teríamos a bíblia tão mutilada como a temos hoje.

    Mesmo assim a bíblia merece confiança, porque além dos católicos houve sempre outros cristãos, embora fossem muito perseguidos e até mortos pelas forças ao serviço da «Igreja Católica». Isto, quanto ao Novo Testamento; porque os cristãos, não católicos, perseguidos também preservaram o seu conteúdo.

    Quanto ao Antigo Testamento podemos dizer que são os livros sagrados do povo de Israel. A única tribo das 12 que não foi assimilada pelos pagãos foi a tribo de Judá. Jesus (Yeshua) era Judeu de Gema. Houve alguns elementos de outras tribos de Israel que foram assimilados pela dos Judeus. Temos o caso de Paulo de Tarso ou «Saulo» (mais conhecido por S. Paulo). Ele era da tribo de Benjamim, que ficava a norte da tribo de Judá, a Judeia. Saúl, foi o 1+ rei de Israel e também pertenceu cerca de 1.000 anos antes à tribo dos benjaminitas. Benjamim foi o filho mais novo de Jacob; A Jacob, YHWH DEUS mudou o nome para ISRAEL (que significa «que venceu EL»; «EL» significa «DEUS»)

    ResponderExcluir

Irmão, deixe uma mensagem!!!