26 de out de 2008

Resumo da mensagem do Sínodo dos Bispos ao povo de Deus

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 24 de outubro de 2008 (ZENIT.org).- Apresentamos o resumo da Mensagem do Sínodo dos Bispos ao Povo de Deus, publicada nesta sexta-feira.

* * *

Queridos Irmãos e Irmãs,

«A todos os que, em qualquer lugar que estejam, invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso, a vós, a graça e a paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!» (1 Cor 1, 2-3) Com a saudação do Apóstolo Paulo – neste ano dedicado a ele – nós, os Padres Sinodais reunidos em Roma para a XII Assembléia Geral do Sínodo dos Bispos com o Santo Padre Bento XVI, vos dirigimos uma mensagem de ampla reflexão e proposta sobre a Palavra de Deus que está no centro dos trabalhos de nossa assembléia.

É uma mensagem que encomendamos, antes de tudo, aos vossos pastores, aos tantos e tão generosos catequistas e a todos aqueles que vos guiam na escuta e na leitura amorosa da Bíblia. A vós neste momento desejamos delinear a alma e a substância desse texto para que cresça e se aprofunde o conhecimento e o amor pela Palavra de Deus. Quatro são os pontos cardeais do horizonte que desejamos convidar-vos a conhecer e que expressaremos através de outras imagens.

Temos antes de tudo a voz divina. Ela ressoa nas origens da criação, quebrando o silêncio do nada e dando origem às maravilhas do universo. É uma Voz que penetra logo na história, ferida pelo pecado humano e atormentada pela dor e pela morte. Ela vê também o Senhor que caminha junto com a humanidade para oferecer sua graça, sua aliança, sua salvação. É uma voz que desce logo nas páginas das Sagradas Escrituras que agora nós lemos na Igreja sob a guia do Espírito Santo que foi doado como luz de verdade a ela e a seus pastores.

Também, como escreve São João, «a Palavra se fez carne» (1, 14). E aqui então aparece o Rosto. É Jesus Cristo, que é Filho do Deus eterno e infinito, mas também homem mortal, ligado a uma época histórica, a um povo e a uma terra. Ele vive a existência fatigosa da humanidade até a morte, mas ressurge e vive para sempre. Ele é quem faz que seja perfeito nosso encontro com a Palavra de Deus. Ele é quem nos revela o «sentido pleno» e unitário das Sagradas Escrituras, pelas quais o cristianismo é uma religião que tem no centro uma pessoa, Jesus Cristo, revelador do Pai. Ele nos faz entender que também as Escrituras são «carne», ou seja, palavras humanas que se devem compreender e estudar em seu modo de expressar-se, mas que custodiam em seu interior a luz da verdade divina que só com o Espírito Santo podemos viver e contemplar.

É o próprio Espírito de Deus que nos conduz ao terceiro ponto cardeal de nosso itinerário, a Casa da palavra divina, ou seja, a Igreja que, como nos sugere São Lucas (Atos 2, 42) está sustentada por quatro colunas ideais. Temos «o ensinamento», ou seja, ler e compreender a Bíblia no anúncio feito a todos, na catequese, na homilia, através da proclamação que implica a mente e o coração. Temos depois «a fração do pão», ou seja, a Eucaristia, fonte e cume da vida e da missão da Igreja. Como aconteceu aquele dia em Emaús, os fiéis são convidados a nutrir-se na liturgia na mesa da Palavra de Deus e do Corpo de Cristo. Uma terceira coluna está constituída pelas «orações» com «hinos e cânticos inspirados» (Col 3, 16). É a Liturgia das Horas, oração da Igreja destinada a ritmar os dias e os tempos do ano cristão. Temos também a Lectio Divina, a leitura orante das Sagradas Escrituras, capaz de conduzir, na meditação, na oração, na contemplação, ao encontro com o Cristo, palavra de Deus vivo. E, por último, a «comunhão fraterna», porque, para ser verdadeiros cristãos, não basta ser «aqueles que ouvem a Palavra de Deus» (Lc 8, 21). Na casa da Palavra de Deus encontramos também os irmãos e irmãs das outras Igrejas e comunidades cristãs que, ainda nas separações, vivem uma unidade real, ainda que não plena, através da veneração e do amor pela Palavra divina.

Chegamos assim à última imagem do mapa espiritual. É o caminho sobre o qual se baseia a palavra de Deus: «Ide, pois, e fazei discípulos todos os povos, ensinando-os a guardar tudo o que eu vos mandei»; «o que ouvis, proclamai-o desde os telhados» (Mt 28, 19-20; 10,27). A Palavra de Deus deve percorrer os caminhos do mundo, que hoje são também os da comunicação informática, televisiva e virtual. A Bíblia deve entrar nas famílias para que pais e filhos a leiam, com ela rezem e para que ela seja para eles uma tocha para seus passos no caminho da existência (cf. Sl 119, 105). As Sagradas Escrituras devem entrar também nas escolas e nos âmbitos culturais porque, durante séculos, foi o ponto de referência capital da arte, da literatura, da música, do pensamento e da própria ética comum. Sua riqueza simbólica, poética e narrativa faz delas um estandarte de beleza, para a fé e para a própria cultura, em um mundo com freqüência marcado pela fealdade e pela indignidade.

A Bíblia, contudo, nos apresenta também o sopro de dor que sai da terra, sai ao encontro do grito dos oprimidos e do lamento dos infelizes. Ela tem a cruz no vértice, onde Cristo, sozinho e abandonado, vive a tragédia do sofrimento mais atroz e da morte. Precisamente por esta presença do Filho de Deus, a escuridão do mal e da morte está irradiada pela luz pascal e pela esperança da glória. Mas sobre os caminhos do mundo marcham conosco também os irmãos e irmãs das outras Igrejas e comunidades cristãs que, ainda nas separações, vivem uma unidade real, ainda que não seja plena, através da veneração e do amor pela Palavra de Deus. Ao longo dos caminhos do mundo encontramos com freqüência homens e mulheres de outras religiões que escutam e praticam fielmente os ditados de seus livros sagrados e que conosco podem edificar um mundo de paz e de luz porque Deus quer que «todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento pleno da verdade» (1 Tm 2, 4).

Queridos irmãos e irmãs, custodiai a Bíblia em vossas casas, lede-a, aprofundai e compreendei plenamente suas páginas, transformai-a em oração e testemunho de vida, escutai-a com amor e fé na liturgia. Criai o silêncio para escutar com eficácia a Palavra do Senhor e conservai o silêncio depois da escuta, porque ela continuará habitando, vivendo e falando-vos. Fazei que ela ressoe no começo do vosso dia, para que Deus tenha sempre a primeira palavra e deixai-a ressoar em vós à noite, para que a última palavra seja de Deus.

«Confio-vos a Deus e à Palavra da sua graça» (atos 20, 32). Com a mesma expressão que São Paulo utilizou em seu discurso de adeus aos chefes da Igreja de Éfeso, também nós, os Padres Sinodais, confiamos os fiéis das comunidades espalhadas sobre a face da terra à palavra divina que é também juízo e sobretudo graça, que é cortante como uma espada, mas que doce como o mel. Ela é potente e gloriosa e nos guia pelos caminhos da história com a mão de Jesus que vós, como nós, «amais nosso Senhor Jesus Cristo na vida incorruptível» (Ef 6, 24).

4 comentários:

  1. Há quem diga que uma imagem vale mais que 1000 palavras.
    Por isso, debrucei-me apenas nas duas imagens deste "post", e na opulência que elas testemunham.

    Depois pensei nas palavras de Jesus que passo a transcrever:

    «As raposas têm tocas e as aves do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.» (Mateus 8,20 e Lucas 9,58)

    http://www.paroquias.org/biblia/index.php?pl=reclinar%20a%20cabe%E7a&lv=&cl=NOV&lg=AND&pg=1

    ResponderExcluir
  2. Concordo. E quem mais testemunha isso são os milhares de santos desta maravilhosa Igreja que faz tudo por Jesus! Infelizmente muitos em vez de gastar o seu tempo evangelizando tantas almas que estão perdidas, estão investindo tempo precioso em atacar a fé dos outros. Irmão, respeite quem pensa diferente de você. Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  3. Uma igreja cheia de monumentos imponentes mas vasia de espirito!!! ... !!!! ....

    Quase 2.000 anos de suposto cristianismo, para chegarmos à conclusão que a montanha pariu um rato. Um rato?! Onde é que está ele que mal se encherga.

    Quanto aos «santos» devo lembrar que não são fruto de uma escolha divina, mas de um cânone papal (ou clerical). Não santos de YHWH (DEUS) mas santos dos homens.
    São uma espécie de «santasFilomenas». Na minha terra assisti a um sermao muito impulgado de um pregador acerca da exemplar vida de «Santa Filomena». Contou-nos TODA a sua vida de mulher virtuosa. Poucos meses depois vim a saber que se tratava de um homem. Foi assim que se fabricaram os «santos» e entraram para o cânone do catolecismo, isto é foram canonizados.

    Mas não é aos homens que compete escolher os Santos do Altissimo. Até Jesus não se atreveu a escolher qual era o seu discipulo que se sentaria à sua direita ou à sua esquerda.
    Jesus disse que ísso compete ao PAI.
    (Mateus 20,23)

    Esses lugares de destaque são da escolha do Pai; apenas do PAI.

    Que atrevimento tiveram os humanos.
    Depois transformaram o seus cânones de supostos santos num autêntico antro de idolatria; Não é uma idolatria declarada mas envergonhada, disfarçada de «amor» cristão.

    Quando está em jogo o alcance de avultadissimas somas materiais tudo é justificával.

    Cegos, cegos, cegos (espiritualmente cegos) é o que são todos.

    A riqueza e a mornidão da «igreja católica romana» fazem-me lembrar o que está escrito no livro do Apocalipse cap. 3 e versos 14 a 22.
    Essa palavras dirigidas por Jesus (Yeshua) na visão de João foram dirigidas ao anjo (bispo ou superintendente) da igreja de Laodiceia. Será que significa igreja católica? Pelo fica-lhe menos tão ajustado como uma luva.

    ResponderExcluir
  4. Corrijo.
    Pelo menos fica-lhe tão ajustado como uma luva.

    ResponderExcluir

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.