17 de nov de 2008

Academia para a vida: Doação de órgãos é ato de amor


Médicos e cientistas de diversos países do mundo estão reunidos desde ontem, 6, e até amanhã, no Auditório da Conciliação em Roma, para participar do Congresso internacional "Um dom da vida. Considerações sobre a doação de órgãos". O encontro, organizado pela Pontifícia Academia para a Vida, analisa o sistema de transplantes em nível internacional. Hoje, os participantes serão recebidos pelo Papa.

O presidente da Pontifícia Academia para a Vida, Dom Rino Fisichella, explicou o significado do tema: "Como sabemos, o tema apresenta muitas nuances. Certamente os ouvintes se recordam do primeiro transplante de coração, efetuado mais de 40 anos atrás, pelo professor Barnard, em Cidade do Cabo, na África do Sul. Bom, nestes 40 anos, a ciência médica fez progressos enormes. Acredito que chegou o momento de fazer uma verificação para entender os grandes passos, o grande progresso realizado e o espírito com o qual nos apresentamos ao futuro. Nós sabemos que a lista de pessoas que aguardam um transplante é realmente longa e ainda não existe a sensibilidade, em muitas populações, em várias áreas do mundo, para a doação de órgãos. Este momento é importante para solicitar uma reflexão a este respeito".

O presidente da Pontifícia Academia para a Vida acrescenta ainda um segundo ponto de discussão: "Não podemos fechar os olhos diante dos graves problemas éticos conseqüentes do tráfico de órgãos, que infelizmente, envolve pessoas inocentes. Portanto, estes dois elementos nos impõem uma reflexão, seja em nível científico-médico, seja com todos os componentes antropológicos, éticos, legais, sociais e culturais".

Dom Rino Fisichella esclarece a posição da Igreja católica sobre o transplante de órgãos: "A posição da Igreja está bem expressa no Catecismo da Igreja Católica, que explica que ela aceita e acolhe o transplante de órgãos. Naturalmente, existem limites. Antes de tudo, não deve haver desproporção entre doação de órgãos e a manutenção da própria identidade pessoal e nem com a terapia e as soluções que o transplante pode acarretar".

De acordo com Dom Rino Fisichella, a Igreja vê o transplante de órgãos como uma dimensão profunda de um testemunho de caridade, um testemunho de amor. Enfim, pode-se falar de doação de órgãos como um dom para a vida, na medida em que permanece sempre um dom baseado na liberdade, que não tem em sua raiz algum desejo de lucro, como se verifica no tráfico de órgãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.