6 de nov de 2008

Santa Gianna e o Namoro Cristão


Por Izabel Ribeiro Filippi

Santa Gianna Beretta Molla, santa não tão divulgada, mas com não menor exemplo de vida que outros santos populares, é uma cristã de nossos tempos. Médica, casou-se com Pietro Molla em 29 de setembro de 1955, vindo a falecer pouco mais de 6 anos depois, heroicamente, ao não permitir que se interrompe-se a sua quarta gravidez, considerada de risco, dando a vida à sua filha às custas da sua própria.

A santidade de Gianna, que culminou com seu martírio em favor da vida, não se fez apenas neste momento, mas construiu-se por toda sua vida. Dentre os muitos aspectos que poderiam ser citados quanto ao exemplo deixado pela santa, detenho-me na época de seu namoro com Pietro.


Em nossos dias, não tão distantes dos dias de Gianna, o namoro é visto por muitos como uma relacionamento casual, feito e desfeito a qualquer tempo, sem objetivos, sem compromisso. Este não pode, entretanto, ser o pensamento de um cristão, e para justificar esta conclusão que aqui afirmo é que o exemplo de Gianna e Pietro Molla se faz necessário.

Pouco antes de conhecer Pietro, Gianna enfrentava inúmeras dúvidas quanto ao seu futuro, tendo já abandonado a idéia de ser missionária, como queria inicialmente. Foi quando encontrou o engenheiro Pietro Molla, pela primeira vez, na festa da Imaculada Conceição de 1954, com quem rapidamente desenvolveu laços de amizade, que logo tornaram-se laços maiores de afeto. Uma história comum e como muitas outras, mas perpassada por sutis detalhes que demonstram a espiritualidade do casal.

Passados alguns meses, Gianna e Pietro confidenciaram-se o amor que sentiam um pelo outro. Já aí, um dia após o início do relacionamento, dizia Gianna em uma carta a Pietro: “Quero mesmo fazê-lo feliz e ser aquela que você deseja: bondosa, compreensiva e disposta aos sacrifícios que a vida há de nos oferecer [...] Ora, você é aquele a quem amo muito e a quem pretendo doar-me para formarmos uma família verdadeiramente cristã” (MOLLA, Gianna Beretta: Cartas de Amor de Uma Santa. Aparecida: Editora Santuário, 2008. Carta de 21/02/1955). Aos que possam pensar que tratava-se de um noivado, pela forma como se expressa a santa mulher quanto suas idéias de casamento, adianto que o noivado apenas deu-se alguns meses depois.

É notório o objetivo que o casal teve desde o princípio: formar uma família. Um namoro que se projeta para futuro nenhum não tem propósito de ser. Diz-se que namoro é fase de conhecer. Compreensível e aceitável. Mas, pergunto, este conhecimento tem o que em vista, senão estreitar os laços do casal para um possível enlace perpétuo pelo Sacramento do Matrimônio? Conhecer um ao outro não pode ser o fim, a finalidade do namoro, mas sim o namoro deve ser conseqüência de um objetivo maior, que é conhecerem-se para mais amarem-se, unirem-se e, um dia, poderem formar um lar cristão. O conhecimento por si só não levará a lugar algum se não tiver um motivo pelo qual se quer conhecer.

Outro importante detalhe a se notar é o espírito de doação de Santa Gianna, que, muito antes de conhecer as dores que passaria no fim de sua vida, já se mostra disposta aos “sacrifícios”, como mostra a carta citada. Certamente ela não se referia a uma morte heróica, mas aos pequenos feitos de cada e todo dia: cuidar dos filhos, de sua saúde e educação, suportar a distância do marido nas viagens que ele fazia a trabalho, cuidar das finanças da casa... Atos ordinários, que custam nosso empenho, mas que, com amor, tornam-se extraordinários e heróicos aos serem oferecidos a Deus.

Gianna queria ser melhor para fazer aquele a quem amava feliz. Não para ser melhor serva, como uma escrava, mas melhor pessoa, mulher, esposa e mãe, como dizia a beata em outra carta a seu amado: “então suplico ao Senhor: ‘Senhor, tu que vês os meus sentimentos e a minha boa vontade, corrige-me e ajuda-me a tornar-me uma esposa e uma mãe como tu desejas e acho que Pietro também o deseja’. Está bom assim, Pietro?” (Idem, Carta de 11/03/1955).

Aos que possam ver uma submissão machista nas palavras de Gianna, a bem-aventurada mulher disse a seu amado, numa outra carta, em 21 de março de 1955: “Você é muito zeloso comigo, realmente não mereço isso e prometo-lhe que farei tudo para ser da mesma forma com você” (Ibidem). Doação mútua: eis o ensinamento que nos dá o casal Molla, com suas próprias vidas, desde os primórdios de sua relação.

Um namoro inserido na busca pela santidade leva o casal a mais se aproximar de Deus e dos sacramentos, jamais a afastar-se deles. Também nisso Gianna deu-nos seu testemunho: “Nunca apreciei tanto a Missa e a comunhão como nestes dias. A capela, muito bonita e acolhedora, está vazia. O celebrante nem mesmo tem coroinha; então o Senhor é todo para mim e para você, Pietro, pois, afinal de contas, onde eu estiver, você também estará” (Ibidem, Carta de 23/03/1955). Que belo exemplo de comunhão que deve ter o casal enamorado, amando no Amor!

Numa de suas últimas cartas antes do noivado, declara Gianna a seu amado: “Desejo mesmo ser para você sempre motivo de alegria e consolo” (Ibidem, Carta de 25/03/1955), e Pietro, quanto a isso, declara: “Não foi difícil para mim corresponder a esse amor seu. Se ela queria fazer-me feliz, qual poderia ser o meu propósito senão torná-la feliz?”. Será que todos pensam, desde o início, não apenas na própria felicidade, mas na felicidade do outro com quem se está? Se isso não ocorre, somos nada mais que seres egoístas, que vêem no parceiro um objeto que lhe proporciona carinho, prazer, momentos agradáveis, mas nada além disso.

Como o exemplo, na maioria das vezes, fala mais que as palavras, que todos os casais possam ver neles, Gianna e Pietro, um modelo, e que percebam que é possível ter uma vida cristã e de santidade no namoro. E, mesmo para quem não teve a oportunidade de viver desde o princípio a doação e o amor da Santa e seu futuro esposo, que o testemunho deles possa inspirar os ideais cristãos que permearam não somente o início da vida a dois do casal, mas também seu noivado e que levou à construção de um matrimônio feliz. Para o mundo, estes ideais podem parecer antiquados, ultrapassados, radicais. Afinal, o que se preza em nossa sociedade é o superficial, o imediato e o individual, não sendo levado em conta o outro, sua dignidade e seu valor. Para o Amor, que é ilógico para o mundo, o modo de proceder de Santa Gianna e Pietro Molla é o único modo de sermos verdadeiramente felizes, com uma felicidade profunda e duradoura.
Fonte: http://atanasiano.blogspot.com/2008/11/santa-gianna-e-o-namoro-cristo.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.