11 de dez de 2008

Dez línguas!

Prezados assinantes


Neste tempo de graça que nos encaminha para o Natal, vimos dar-vos mais notícias acerca deste serviço que nos prestamos uns aos outros – uns com a edição dos textos sagrados e dos seus comentários, outros com a leitura atenta e  tantas vezes orante da Palavra do nosso Deus.


Com talvez saibam, o serviço EAQ nasceu em França, em língua francesa. À partida, destinava-se a um pequeno grupo de amigos. Pouco a pouco foi crescendo e, rapidamente, ao francês, juntaram-se o espanhol, o alemão, o português, o neerlandês e o inglês. Mais tarde, foi a vez do italiano e do polaco; depois, o árabe e o arménio. O ritmo de desenvolvimento dependia de haver um responsável pelo serviço linguístico, que assegurasse, entre outras coisas, a organização do calendário e as traduções dos comentários. Isso nem sempre foi fácil. Em alguns casos, surgiam dificuldades adicionais – foi o que aconteceu (e acontece) com o português, com oito países independentes que se servem da mesma língua mas têm calendários por vezes diferentes e veneram santos que nem sempre são os mesmos. O responsável pelo EAQ em português tem de estar atento a tudo isto… e às vezes falha num ou noutro pormenor.


Neste momento, no mundo inteiro, quase meio milhão de pessoas recebe o Evangelho do dia e os serviços anexos. Isso é para nós motivo de grande alegria. Mas também de responsabilidade. Sabemos que, de quem  muito dá, muito se espera…


E, depois, há os sonhos. O sonho de novas línguas: o chinês, o sueco, mesmo o russo… O sonho de novos calendários nas mesmas línguas... O sonho de adequação da versão linguística aos povos do Brasil, de Portugal, de África…


Quisemos que, neste Advento que vivemos, partilhassem connosco esta alegria e estes sonhos. E aproveitamos para fazer um pedido: que nos ajudem (ou que procurem quem nos ajude). Que tipo de ajudas: gente que saiba chinês, ou sueco, ou russo e que queira entrar nesta aventura; gente que, no Brasil, siga a liturgia num dos ritos orientais (bizantino, maronita, melquita…); gente que nos comunique os calendários litúrgicos dos seus países…


Por hoje é tudo. Temos a certeza de que, muito em breve, vos escreveremos a dar a maravilhosa novidade de termos atingidos os 50.000. Está quase. Falta muito pouco. Basta que convidem um ou dois amigos cada um e faremos, em breve, a nossa grande festa do Natal da Palavra partilhada.


Boa continuação do Advento, nestes tempos em que a voz de João Baptista continua a ressoar.


Com muita amizade


Alberto, Berta, Bia, Fernanda, José, Maria José, Paula


Profissionais em contínuo aperfeiçoamento

Formações Canção Nova

Imagem de Destaque

Profissionais em contínuo aperfeiçoamento

Procure descobrir e valorizar suas habilidades e aptidões positivas

O nosso pai fundador, monsenhor Jonas Abib, nos ensina que na Canção Nova precisamos ser profissionais de Deus. E ele nos explica que ser profissional de Deus é antes de tudo uma atitude interior: assumir-se como profissional, empenhar-se como profissional. Ou seja, somos todos profissionais em contínuo aperfeiçoamento, porque a missão nos impulsiona a sermos cada vez mais profissionais e cada vez mais competentes. Seja qual for o lugar que ocupamos, seja qual for o trabalho que exercemos, ele faz parte da missão e a missão requer competência.

Ele nos fala isso desde os inícios da comunidade e é muito interessante perceber que as grandes empresas da atualidade falam dessa atitude de aprendizagem e busca de melhoria contínua e de competência. Portanto, posso partilhar um pouco com você sobre isso, porque você, como cristão, como filho de Deus, na sua profissão, no seu trabalho, precisa também assumir essa postura profissional. E posso garantir a você que essa atitude pode servir também como um grande testemunho, a partir do momento em que você oferece a Deus o seu trabalho e busca fazer tudo com Ele, mesmo prestando serviço a empresas seculares.

No mundo atual, o profissional tem de lidar com constantes transformações, e como já falei acima, precisa ter uma atitude de aprendizagem contínua, para, pelo menos, se manter atualizado profissionalmente falando. Mas não é só isso. As grandes empresas atuais falam que o profissional precisa ter uma boa inteligência emocional. Você sabe o que é isso?

Inteligência Emocional está relacionada a habilidades, tais como: motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; motivar pessoas ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns.

O profissional do século XXI precisa também ter a capacidade de criar uma visão de futuro e traçar planos de ação a fim de atingir suas metas e objetivos. Criar uma visão de futuro é sonhar, é criar um desafio que transcenda a sua situação atual. A visão de futuro precisa ser inspiradora, motivadora e precisa de projetos de curto prazo, realistas, que possam ser atingidos.

Estamos chegando ao final de mais um ano. Quero hoje convidar você para repensar a sua vida profissional. Você tem sido um bom (uma boa) profissional? O seu agir como profissional serve de testemunho para as pessoas? Final de ano é sempre uma oportunidade que temos para esse repensar e uma boa oportunidade para recomeçarmos.

Alguns treinamentos executivos levam o participante a escreverem os seus pontos fortes, os seus pontos a melhorar e a sua visão de futuro para 6 meses, 2 anos e 5 anos.

Quero convidar você para fazer essa experiência. Escreva num papel os seus pontos fortes, é uma boa oportunidade para você assumir as qualidades que Deus lhe deu. Procure descobrir e valorizar suas habilidades e aptidões positivas. Ao fazer isso, você poderá determinar o que você necessita fazer para continuar a crescer.

Escreva também os seus pontos a melhorar e procure pensar como você pode trabalhar esses pontos. Procure pensar em alguns passos concretos que sejam possíveis para você. Algumas características atrapalham a nossa vida profissional, e até mesmo pessoal, um exemplo disso é a timidez e o ser explosivo. Alguns passos concretos que você pode dar para vencer a timidez, por exemplo, é o procurar conhecer-se bem e encontrar uma adequação, uma “muleta”. Ela [timidez] atrapalha muito, mas dá para administrar. Procurar criar “zonas de conforto”: por exemplo, falar sobre o que gosta. Se você é explosivo, procure não segurar as coisas dentro de você, pois se isso acontecer, mais cedo ou mais tarde, e às vezes por uma bobagem, você vai explodir. Uma forma de administrar isso é, toda vez que acontecer alguma coisa que incomode você, falar com calma sobre aquele momento. Tenha sempre alguém com quem você possa falar, desabafar, mas não deixe acumular.

Escreva também a sua visão de futuro. Escreva o que você gostaria de fazer daqui a 6 meses, 2 anos e 5 anos. Pode um curso, adquirir um bem material, deixe a sua imaginação fluir, sonhe. E depois procure ver o que você precisaria fazer para que o seu sonho fosse possível. E claro: não deixe de apresentar tudo isso para Deus, pois o nosso maior sonho precisa ser o fazer a vontade d’Ele, pois somente n’Ele teremos a verdadeira garantia de encontrarmos a felicidade e a realização que tanto buscamos.

Esteja atento, porque o Senhor nos fala por meio dos fatos e dos acontecimentos em nossa vida. Precisamos, portanto, sonhar e ao mesmo tempo ter o coração aberto para sonharmos os sonhos d’Ele para nós. Não deixe de sonhar, pois somente quando nos colocamos a caminho é que damos permissão para Deus agir em nossa vida. Santa Teresinha do Menino Jesus falava que "Deus não poderia me inspirar desejos irrealizáveis, portanto, posso, apesar da minha pequenez, aspirar à santidade".

Foto

Manuela Melo
psicologia@cancaonova.com
Missionária da Comunidade Canção Nova, formada em Psicologia, com especialização em Logoterapia e MBA em Gestão de Recursos Humanos.

05/11/2008 - 08h00

Vem Senhor Jesus - Dom Eurico dos Santos Veloso

Formações

Imagem de Destaque

Vem Senhor Jesus

Acautelai-vos e vigiai, porque não sabeis quando chegará o momento

Iniciamos, neste domingo, o Ano Litúrgico. Nas primeiras reflexões deste ciclo em que meditaremos o Evangelho de São Marcos – Ano B – , começamo-las na expectativa da vinda do Senhor. A espera do Povo Eleito é a mesma espera do Povo Cristão. Aquele aguardava, ansioso, o Messias que viria libertá-lo do cativeiro. Hoje, esperamos o seu retorno glorioso.

Esse esperar, no entanto, não é algo estagnado, esperando apenas. Essa espera é alimentada pela esperança que nos faz, antagonicamente, caminhar em busca de algo. E nesse avanço constante para o Alto, devemos ir semeando a caridade, “ao encontro dos que praticam a justiça e recordam os caminhos do Senhor” (Is 63,17). Enquanto aguardamos, vamos nos preparando, pois não sabemos quando chegará o Senhor.

Mas estarão os homens e as mulheres de nosso tempo aguardando o retorno glorioso de Jesus? O mundo materialista, consumista, que tão bem se expressa nesta época do ano, conserva, ainda, o lugar que Deus deve ocupar em toda sociedade? Preserva, a humanidade, esse lugar, também, em seu coração?

Numa primeira análise, infelizmente, parece-nos que não. A crescente mistificação de seitas que vão se disseminando é um dos atestados disso. Não se busca o Deus verdadeiro, mas o ídolo que corresponde, da melhor maneira, à expectativa de cada um. Os interesses mais odientos são os que movem o coração de grande parte da humanidade. Por isso, vemos as conseqüências trágicas, assumindo os inocentes pela irresponsabilidade dos celerados. E, talvez como o povo que vagou quarenta anos pelo deserto, estamos, agora, peregrinando em busca de algo que Deus já cultivou em nosso coração, necessitando apenas compartilharmos das sementes dos frutos que nos tornamos em graça e misericórdia, pelas trilhas que vamos palmilhando em nossa existência, cultivando a esperança da bem-aventurança eterna.

“Ostende nobis, Domine, faciem tuam et salvos erro” – “Mostrai-nos, Senhor, a Vossa face e seremos salvos”, é este o cântico do salmista na Liturgia deste Primeiro Domingo do Advento. Ora, se nos dirigimos ao Senhor Onipotente suplicando sua misericórdia e a graça da contemplação, é porque já atingimos um determinado grau que nos possibilita, detemidamente, como que adentrar ao “Santo dos Santos” e gozar dessa convivência íntima com Deus.

Mas para que aguardar pelo que já vivemos? Não é na Eucaristia que nos unimos a Cristo, por esse Sacramento do Amor? Não é na atenção à Palavra que nos guiamos a caminho da plenitude do Amor? Não é na abertura de nosso coração que nos permitimos os efeitos da graça do Espírito Santificador?

Deus está continuamente conosco, se vivemos em união com Ele, na partilha com o próximo, na efusão dos dons que Ele nos concede. Assim, como nos diz São Paulo na Epístola deste domingo, tornaremos firmes, nos crentes, o testemunho de Cristo e os incitaremos a estarem vigilantes, aguardando aquEle que vem ao nosso encontro.

“Acautelai-vos e vigiai, porque não sabeis quando chegará o momento” (Mc 13,33). A advertência messiânica, com uma forte e muito explorada interpretação escatológica, é um alerta, principalmente, para nossa vida cristã. “Vigiai!” É o verbo imperativo que Nosso Senhor sopra aos nossos ouvidos. Vigiai-vos contra as tentações. Vigiais-vos contra as más inclinações. Vigiai-vos contra a omissão. Vigiai-vos contra o comodismo. Vigiai-vos contra o indiferentismo. Vigiai-vos contra a falta de caridade. Vigiai-vos, enfim, contra o mundo, contra a carne e contra o demônio.

Vigiemo-nos, todos.

Enquanto aguardamos a vinda definitiva de Jesus, caminhemos com coragem e perseverantes, dando o testemunho de nossa fé, na missão de discípulos e missionários que pelo Batismo nos foi conferida. Desta forma, contribuiremos para a construção do Reino de Deus, semeando o amor, colhendo a paz, edificando uma sociedade baseada nos princípios cristãos, de justiça, de caridade e de fraternidade.

Dom Eurico dos Santos Veloso

10/12/2008 - 08h15

O TEMPO LITURGICO. 1a parte.

Pe. Adilson Marques, LC

amarques@legionaries.org

Veja como é simples conhecer o tempo litrugico.

Está dividido da seguinte forma:

1.Enquanto ao número de tempos e semanas:

a.Tempo de Advento com 4 semanas e Natal ( Natal, Sagrada Família, Maria Mãe de Deus, Epifania do Senhor e Batismo do Senhor: Festas que se encontram dentro deste tempo).

b.Tempo de Quaresma: quarta-feira de cinzas, 5 semanas de quaresma e termina com o Domingo de Ramos.

i.O Tríduo Pascal está dentro do tempo de Quaresma, porém é como se fosse "separado", porque ele é a preparação ultima para a Páscoa.

c.Tempo de Páscoa: 6 domingos, Ascensão do Senhor, terminando com Pentecostes.

d.Tempo Comum: o mais longo de todos. Começa na primeira semana com a solenidade da Santíssima Trindade, seguem 33 semanas, sendo a ultima, 34ª , o Domingo de Cristo Rei, ou seja, o ultimo Domingo Comum.

2.Enquanto à divisão dos anos:

a.Repete-se a cada três anos para os domingos, por isso, temos os ciclos A, B e C. Em cada um destes ciclos as leituras da missa dominical são diferentes.

i.Ex: as leituras do 1º domingo de Advento do ano 2007, serão lidas novamente no Advento do ano 2010.

b.Se segunda a sábado, se repete cada dois anos, por isso temos os anos pares e impares.

i.Exemplo: as leituras da terça-feira da 3ª semana comum de 2007, serão lidas outras vez na sua semana correspondente no ano 2009.

Viram como é fácil compreender o ano litúrgico. A razão dessa divisão é para que possamos ler quase todas as leituras da sagrada escritura em três anos.

NA PRÓXIMA LHES EXPLICAREI AS CORES LITURGICAS.

Padre Adilson Marques, LC.
amarques@legionaries.org
28/11/2008 - Roma⁄

10 de dez de 2008

Processo de nulidade de matrimônio

Formações

Imagem de Destaque
Vale a pena regularizar sua vida diante da Igreja e de Deus

Muitas pessoas que se separaram, e mesmo algumas que já estão em um segundo casamento apenas Civil, desejam saber como se faz o “Processo de nulidade” no Tribunal da Igreja.

Em nosso artigo “Nulidade de casamento” explicamos rapidamente as causas que podem levar o Tribunal da Igreja a declarar nulo um matrimônio. Em caso de dúvida a pessoa deve procurar o Tribunal da Igreja de sua Diocese e fazer uma consulta sobre o seu caso particular; é a melhor maneira de tirar qualquer dúvida. Em qualquer época pode-se entrar com o Processo, mesmo que já se tenha filhos, ou tenha passado bastante tempo da separação.

Para quem quer saber mais sobre o assunto, com detalhes, recomendo a leitura do livro “Casamentos que nunca deveriam ter existido” do Padre Jesús Hortal, doutor em Direito Canônico (Ed. Loyola, SP).

Se você separou-se de seu esposo (a) e acha que esta separação é definitiva, não tem mesmo volta, e desconfia que o seu matrimônio possa ter sido nulo na celebração, deve, então, procurar o Tribunal da Igreja em sua Diocese e dar início ao Processo.

Cada Tribunal tem o seu Presidente (Vigário Judicial); ele representa os Bispos da Região nos julgamentos. Cada Processo é normalmente analisado e julgado por três juizes do Tribunal; sendo que um pode ser leigo. Há também a figura do “defensor do vínculo”, que é uma pessoa do Tribunal que faz o papel de defensor do casamento original. Pode ser que em alguns casos ele diga que não tem nada a alegar contra a nulidade. Há também o “promotor da justiça” que defende a Igreja, e pouco atua nos casos de nulidade.

Existe também o “notário” (secretário) que vai anotar, redigir e assinar todos os documentos do Processo.

Por fim existem os “advogados e procuradores”. O advogado (ou patrono) é o conselheiro jurídico de uma das partes, que vai defender o seu cliente e orientá-lo junto ao Tribunal. O procurador é a pessoa que representa uma das partes junto ao Tribunal. Podem ser a mesma pessoa, e é melhor que seja.

Quando alguém começa um Processo de nulidade, escolhe o seu advogado de uma lista de nomes que o secretário lhe apresenta. Pode sugeriu ao Tribunal que aceite um advogado que não esteja na lista do Tribunal, desde que a pessoa conheça Direito Canônico e seja um padre ou leigo preparado, idôneo, etc.

A pessoa deve dar entrada no Tribunal da Diocese onde se casou ou onde reside o seu cônjuge do qual se separou. Você pode pedir ao Tribunal que aceite o Processo onde você reside hoje.

O Processo começa com a “petição” (ou libelo) onde o interessado se dirige por escrito ao Tribunal e expõe com todos os detalhes o seu pedido de declaração de nulidade. Todas as informações úteis devem ser colocadas ai. Peça orientação detalhada a seu pároco ou a alguém que você possa sugerir para seu advogado. Conte detalhadamente a história do seu casamento, namoro, como foi a cerimônia do casamento, como foi o tempo de convivência entre vocês, quando e como começaram os desentendimentos, porque se separaram; qual é a situação dos dois hoje, etc..

Posteriormente você será entrevistado e poderá dar mais detalhes. Diga com clareza por que você acha que o seu matrimônio foi nulo. Indique também as provas (documentos, atestados médicos, psiquiátricos, etc.) que possa ter sobre o que descreveu; indique também as testemunhas que possam comprovar o que você relatou, dando os seus nomes e endereços completos, com telefone, fax, email, etc. Se esquecer alguma coisa, não tem problema, mesmo depois poderá acrescentar novas provas, documentos e testemunhas se necessário.

Finalmente, faça a “petição”; isto é; peça ao Tribunal que tendo em vista tudo o que foi relatado, ele declare nulo o seu matrimônio. No próprio libelo você pode indicar o advogado e o procurador, o que pode ser a mesma pessoa, e até é bom que seja.

Entregue tudo na secretaria do Tribunal junto com a certidão do seu casamento religioso. Se você já fez a separação judicial (desquite) ou divórcio, entregue também cópias dessas sentenças. É bom pedir recebO da entrega do libelo com data para poder acompanhar o Processo e até reclamar se os prazos legais não forem obedecidos pelo Tribunal.

Depois disso o Presidente do Tribunal nomeia os três juizes (turno) para analisar o seu caso. O presidente do turno decidirá se o caso deve ser analisado ou não pelo Tribunal; em caso afirmativo o Processo então começa. O Processo consta basicamente de três partes: a fase de investigação ou instrutória; a fase de discussão; e a de decisão final ou sentença.

Na fase de investigação cada um dos cônjuges é ouvido em separado; nesta fase o advogado pode te orientar sobre que perguntas responder, etc. O juiz vai lhe pedir que jure dizer somente a verdade e guardar segredo de tudo; mas fique tranqüilo e deponha com paz; ele não vai te atrapalhar; apenas te ouvir. O seu cônjuge será também convidado a depor; se não for encontrado, será convidado por edital público em algum jornal; se mesmo assim não comparecer, será declarado ausente e o Processo continuará. Se aparecer mesmo depois disso poderá ser ouvido.

As testemunhas que você apresentou serão também ouvidas, e o presidente do turno poderá pedir a peritos que examinem algum documento ou provas apresentadas para maiores esclarecimentos.

Depois disto o juiz emite o “Decreto de Publicação do Processo” e ambas as partes podem e devem tomar conhecimento de tudo o que foi relatado até aqui para se defenderem ou apresentarem outros dados. Você e o advogado poderão ler todo o Processo na secretaria do Tribunal.

Em seguida o seu advogado vai se manifestar diante dos juizes em sua defesa; converse muito com ele e coloque a par de tudo; não deixe tudo nas mãos dele apenas; se interesse pelo Processo em todos os pontos. Isto é muito importante para o bom andamento do Processo e da sentença final.

Após toda a análise do Processo os juizes então dão a Sentença e a publicam.

O Direito Canônico exige que a Declaração de Nulidade para ser válida, e dar direito a um “novo” casamento, seja dada pelo menos por dois Tribunais diferentes. Então, se o primeiro Tribunal aprovou a declaração de nulidade, dentro de vinte dias é obrigado a encaminhar todo o Processo a um segundo Tribunal, chamado de Segunda Instância ou de Apelação. Na maioria das vezes quando o Processo foi bem feito na primeira Instância, o Tribunal de Apelação confirma a Sentença original; mas pode exigir mais dados e análises se julgar necessário.

Se o Tribunal de primeira Instância declarou a validade do seu matrimônio; isto é, foi contra a Declaração de Nulidade, você pode recorrer ao Tribunal de Segunda Instância; bem como o seu cônjuge se desejar. Terá que fazer a apelação, por escrito, dentro de quinze dias, no mesmo Tribunal inicial. Neste caso o Processo vai começar de novo no segundo Tribunal. Fale com seu advogado sobre isto e não perca o prazo.

Como você notou o Processo é longo e dá muito trabalho ao Tribunal; é por isso que ele tem um custo. Se você não tem como pagar tudo ao Tribunal converse sobre a possibilidade de diminuir o valor, ou parcela-lo, ou mesmo peça ajuda à sua comunidade e amigos para pagar essas despesas.

Vale a pena você poder regularizar a sua vida diante da Igreja e diante de Deus; mesmo que isto te dê muito trabalho e custe algum dinheiro. A gente gasta o tempo e dinheiro naquilo que nos é mais importante.

Leia também: Casais de segunda união

Causas de nulidade de casamentos

Foto Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com
Prof. Felipe Aquino, casado, 5 fihos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de Aprofundamentos no país e no exterior, já escreveu 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Conheça mais em www.cleofas.com.br

Seis novos santos e três novos beatos para a Igreja

Rádio Vaticano


Ao receber em audiência privada o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Dom Angelo Amato, o santo Padre o Papa autorizou, a promulgação dos decretos correspondentes a 6 milagres atribuídos a beatos em processo de canonização, assim como a outros 3 relativos às virtudes heróicas de outros servos de Deus:

- a um milagre, atribuído à intercessão do bem-aventurado Sigismundo Feliz Feliński, arcebispo de Varsóvia, nascido em Wojutyn (na atual Ucrânia) em novembro de 1822, e morto em Cracovia, na Polônia, em setembro de 1895;

- a um milagre, atribuído à intercessão do bem-aventurado Arcangelo Tadini, sacerdote diocesano e fundador da Congregação das Irmãs Operárias da Santa Casa de Nazaré, nascido em Verolanuova, norte da Itália, em outubro de 1846, e morto em Botticino (sempre norte da Itália) em maio de 1912;

- a um milagre, atribuído à intercessão do bem-aventurado Francisco Coll y Guitart, sacerdote professo da Ordem dos Frades Pregadores (Dominicanos) e Fundador da Congregação das Irmãs Dominicanas da Anunciação da Bem-aventurada Virgem Maria, nascido em Gombren, na Espanha, em maio de 1812, e morto em Vic (sempre na Espanha) em abril de 1875;

- a um milagre, atribuído à intercessão do bem-aventurado Rafael Arnáiz Baron, Frade Oblato da Ordem dos Cistercienses da Estreita Observância (Trapistas), nascido em Burgos, na Espanha, em abril de 1911, e morto em San Isidro de Dueñas (sempre Espanha) em abril de 1938;

- a um milagre, atribuído à intercessão da bem-aventurada Maria da Cruz Jugan, fundadora da Congregação das Pequenas Irmãs dos Pobres, nascida em Petites-Croix, na França, em outubro de 1792, e morta em La Tour Saint-Joseph (sempre na França) em agosto de 1879;

- a um milagre, atribuído à intercessão da bem-aventurada Catarina Volpicelli, fundadora do Instituto das Servas do Sagrado Coração, nascida em Nápoles em janeiro de 1839, e morta na mesma cidade do sul da Itália em dezembro de 1894;

- às virtudes heróicas do Servo de Deus Jacinto Bianchi, sacerdote diocesano e fundador das filhas Missionárias de Maria, nascido em Villa Pasqualli em agosto de 1835, e morto na referida localidade italiana em fevereiro de 1914;

- às virtudes heróicas do Servo de Deus André Van Den Boer, Irmão professo dos Frades da Bem-aventurada Maria Mãe da Misericórdia, nascido em Udenhout, na Holanda, em novembro de 1841, e morto em Tilburg (sempre na Holanda) e agosto de 1917;

- e, por fim, às virtudes heróicas da Serva de Deus Maria Clara de Jesus Menino Galvão Meixa de Moura Telles e Albuquerque, fundadora da Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, nascida em Amadora, Portugal, em junho de 1843, e morta em Lisboa em dezembro de 1899.

Conteúdo acessível também pelo iPhone -
iphone.cancaonova.com

Tradicionalismo exagerado...

Bento XVI visitará cripta onde está corpo de Padre Pio

Da Redação, com Rádio Vaticano


Em 21 de junho do próximo ano, o Papa Bento XVI fará uma visita a San Giovanni Rotondo, sul da Itália. Foi o que anunciou o arcebispo de Manfredonia-Vieste-San Giovanni Rotondo, Dom Domenico Umberto D'Ambrosio, que também é delegado da Santa Sé para o Santuário e as obras de São Pio de Pietralcina. O anúncio foi feito ontem durante a Celebração Eucarística da manhã. O arcebispo leu, ainda, um comunicado do prefeito da Casa Pontifica, Dom James Michael Harvey com a programação da visita apostólica.

Em 21 de junho, o Papa partirá do Vaticano de helicóptero, pousando no campo esportivo de San Giovanni Rotondo. Então, a bordo do papamóvel se dirigirá até o Santuário de Nossa Senhora das Graças, onde na cripta da igreja rezará diante do corpo de Padre Pio.

Às 10h15 celebrará a Santa Missa na Igreja de São Pio de Pietrelcina e, ao final, recitará o Ângelus. Às 16h30 o Pontífice encontrará os pacientes e os funcionários da Casa "Alívio do Sofrimento". Às 17h30, na Igreja de São Pio de Pietrelcina, Bento XVI encontrará os sacerdotes, os religiosos, as religiosas e os jovens, e às 18h15 retornará ao Vaticano.

"É um momento muito bonito pelo qual devemos agradecer ao Senhor, a São Pio e ao Papa Bento XVI. Agora deveremos organizar a acolhida ao Santo Padre e também , junto com os freis capuchinhos, momentos de espiritualidade", comentou Dom D'Ambrosio.

Também foi confirmada ontem a visita de Bento XVI ao antiqüíssimo mosteiro de Montecassino no próximo dia 24 de maio. A comunicação foi feita durante uma coletiva de imprensa do padre abade do mosteiro beneditino Pietro Vittorelli.

A última visita de um pontífice ao mosteiro de Montecassimo foi realizada por João Paulo II em 1981.

.: Veja mais matérias sobre Padre Pio

Conteúdo acessível também pelo iPhone - iphone.cancaonova.com

Papa homenageia Imaculada Conceição na Praça Espanha

Rádio Vaticano


Na solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Bento XVI à Praça Espanha para a tradicional homenagem à imagem da Imaculada. Ainda a caminho, o pontífice se deteve brevemente diante da igreja da Santíssima Trindade, para a homenagem mariana da Associação dos Comerciantes da Rua Condotti.



Dogma da Imaculada Conceição

Formações

Imagem de Destaque
Em 8 de dezembro de 1854 o Papa Pio IX declarava o dogma de fé

Há 150 anos em Lourdes, na França, Nossa Senhora apareceu para a menina Bernadette. Era o ano de 1858. Em 1854 o Papa Pio XI tinha proclamado solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria. Então, quatro anos depois, a própria Virgem Maria, em pessoa, quis confirmar este dogma. Foi quando em 25 de março de 1858, na festa da Anunciação, revelou seu Nome a Santa Bernadette nas aparições de Lourdes. Disse-lhe ela:

“Eu sou a Imaculada Conceição”.

A partir daí, o padre Peyramale, que era o Cura de Lourdes, passou a acreditar nas aparições de Maria à pobre Bernadette, e com ele toda a Igreja.

“Na plenitude dos tempos”, diz o Apóstolo, “Deus enviou Seu Filho ao mundo nascido de uma mulher” (Gl 4,4). No ponto central da história da salvação se dá um acontecimento ímpar em que entra em cena a figura de uma Mulher. O mesmo Apóstolo nos lembra: “Não foi Adão o seduzido, mas a mulher” (1Tm 2,14); portanto, devia ser também por meio da mulher que a salvação chegasse à terra.

Para isso foi preciso que Deus preparasse uma nova Mulher, uma nova Virgem, uma nova Eva, que fosse isenta do pecado original, que pudesse trazer em seu seio virginal o autor da salvação. A Mãe de Deus não poderia ter o pecado original.

Como nenhum ser humano era livre do pecado e de Satanás, foi então preciso que Deus preparasse uma mulher livre, para que Seu Filho fosse também isento da culpa original, e pudesse libertar Seus irmãos.

Assim, o Senhor antecipou para Maria, a escolhida entre todas, a graça da Redenção que seu Filho conquistaria com Sua Paixão e Morte. A Imaculada Conceição de Nossa Senhora foi o primeiro fruto que Jesus conquistou com Sua morte. E Maria foi concebida no seio de sua mãe, Santa Ana, sem o pecado original.

Como disse o cardeal Suenens:

“A santidade do Filho é causa da santificação antecipada da Mãe, como o sol ilumina o céu antes de ele mesmo aparecer no horizonte” .

O cardeal Bérulle explica assim:

“Para tomar a terra digna de trazer e receber seu Deus, o Senhor fez nascer na terra uma pessoa rara e eminente que não tomou parte alguma no pecado do mundo e está dotada de todos os ornamentos e privilégios que o mundo jamais viu e jamais verá, nem na terra e nem no céu” (Con. Vidigal, Temas Marianos, p. 307).

O Anjo Gabriel lhe disse na Anunciação: “Ave, cheia de graça...” (Lc 1,28). Nesse “cheia de graça”, a Igreja entendeu todo o mistério e dogma da Conceição Imaculada de Maria. Se ela é “cheia de graça”, mesmo antes de Jesus ter vindo ao mundo, é porque é desde sempre toda pura, bela, sem mancha alguma; isto é, Imaculada.

Em 8 de dezembro de 1854 o Papa Pio IX declarava dogma de fé a doutrina que ensinava ter sido a Mãe de Deus concebida sem mancha por um especial privilégio divino. Na Bula “Ineffabilis Deus”, o Papa diz:

“Nós declaramos, decretamos e definimos que a doutrina segundo a qual, por uma graça e um especial privilégio de Deus Todo Poderoso e em virtude dos méritos de Jesus Cristo, salvador do gênero humano, a bem-aventurada Virgem Maria foi preservada de toda a mancha do pecado original no primeiro instante de sua conceição, foi revelada por Deus e deve, por conseguinte, ser crida firmemente e constantemente por todos os fiéis”.

É de notar que em 1476 a festa da Imaculada foi incluída no Calendário Romano. Em 1570, o papa Pio V publicou o novo Ofício e, em 1708, o papa Clemente XI estendeu a festa a toda a Cristandade tornando-a obrigatória.

Neste seio virginal, diz S. Luiz, Deus preparou o “paraíso do novo Adão” (Tratado da Verdadeira Devoção , n. 18).

Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja e ardoroso defensor de Maria, falecido em 1787, disse:

“Maria tinha de ser medianeira de paz entre Deus e os homens. Logo, absolutamente não podia aparecer como pecadora e inimiga de Deus, mas só como Sua amiga, toda imaculada” (Glórias de Maria, p. 209). E ainda: “Maria devia ser mulher forte, posta no mundo para vencer a Lúcifer, e portanto devia permanecer sempre livre de toda mácula e de toda a sujeição ao inimigo” (idem, p. 209).

S. Bernardino de Sena (†1444), diz a Maria: “Antes de toda criatura fostes, ó Senhora, destinada na mente de Deus para Mãe do Homem Deus. Se não por outro motivo, ao menos pela honra de seu Filho, que é Deus, era necessário que o Pai Eterno a criasse pura de toda mancha” (GM, p. 210).

Diz o livro dos Provérbios: “A glória dos filhos são seus pais” (Pr 17,6); logo, é certo que Deus quis glorificar Seu Filho humanado também pelo nascimento de uma Mãe toda pura.

S. Tomas de Vilanova (†1555), chamado de São Bernardo espanhol, disse em sua teologia sobre Nossa Senhora:

“Nenhuma graça foi concedida aos santos sem que Maria a possuísse desde o começo em sua plenitude” (GM, p. 211).

S. João Damasceno, doutor da Igreja (†749), afirma:

“Há, porém, entre a Mãe de Deus e os servos de Deus uma infinita distância” (GM, p. 211).

E pergunta S. Anselmo, bispo e doutor da Igreja (†1109), e grande defensor da Imaculada Conceição:

“Deus, que pôde conceder a Eva a graça de vir ao mundo imaculada, não teria podido concedê-la também a Maria?”

“A Virgem, a quem Deus resolveu dar Seu Filho Único, tinha de brilhar numa pureza que ofuscasse a de todos os anjos e de todos os homens e fosse a maior imaginável abaixo de Deus” (GM, p. 212).

É importante notar que S. Afonso de Ligório afirma:

“O espírito mal buscou, sem dúvida, infeccionar a alma puríssima da Virgem, como infeccionado já havia com seu veneno a todo o gênero humano. Mas louvado seja Deus! O Senhor a preveniu com tanta graça, que ficou livre de toda mancha do pecado. E dessa maneira pode a Senhora abater e confundir a soberba do inimigo” (GM , p. 210).

Nenhum de nós pode escolher sua Mãe; Jesus o pode. Então pergunta S. Afonso: “Qual seria aquele que, podendo ter por Mãe uma rainha, a quisesse uma escrava? Por conseguinte, deve-se ter por certo que a escolheu tal qual convinha a um Deus” (GM, p. 213).

Quando Deus eleva alguém a uma alta dignidade, também o torna apto para exercê-la, ensina S. Tomás de Aquino. Portanto tendo eleito Maria para Sua Mãe, por Sua graça a tornou digna de ser livre de todo o pecado, mesmo venial, ensinava S. Tomás; caso contrário, a ignomínia da Mãe passaria para o Filho (GM, p. 215).

Nesta mesma linha afirmava S. Agostinho de Hipona, Bispo e doutor da Igreja (†430), já no século V:

“Nem se deve tocar na palavra “pecado” em se tratando de Maria; e isso por respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça” (GM, p. 215).

Pergunta S. Cirilo de Alexandria (370-444), bispo e doutor da Igreja: “Que arquiteto, erguendo uma casa de moradia, consentiria que seu inimigo a possuísse inteiramente e habitasse?” (GM, p. 216).

S. Bernardino de Sena ensina que Jesus veio para salvar a todos, inclusive Maria. Contudo, há dois modos de remir: levantando o decaído ou preservando-o da queda. Este último modo Deus aplicou a Maria.

Podendo o Espírito Santo criar Sua Esposa toda bela e pura, é claro que assim o fez. É dela que fala: “És toda formosa minha amiga, em ti não há mancha original” (Ct 4,7). Chama ainda Sua Esposa de “jardim fechado e fonte selada” (Ct 4,12), onde jamais os inimigos entraram para ofendê-la.

“Ave, cheia de graça!” Aos outros santos a graça é dada em parte, contudo a Maria foi dada em sua plenitude. Assim “a graça santificou não só a alma mas também a carne de Maria, a fim de que com ela revestisse depois o Verbo Eterno”, afirma S. Tomás (GM, p. 220).

O´ Maria concebida sem pecado; rogai por nós que recorremos a Vós!

Foto Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com
Prof. Felipe Aquino, casado, 5 fihos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de Aprofundamentos no país e no exterior, já escreveu 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Conheça mais em www.cleofas.com.br

7 de dez de 2008

Frutos da Missão...

Mês de Dezembro com Santa Faustina



O Pe. Milton Kenan Jr, da Arquidiocese de Jaboticabal, preparou-nos um belíssimo presente: Mês de Dezembro com Santa Faustina

1 – “Se eu tivesse tantos corações como são a gotas de água do oceano, quantos são os grãos de areia sobre toda a terra, os ofereceria todos a Ti, ó meu Amor, ó Tesouro do meu coração.” (Santa Faustina a Jesus, III, 1064)

2 – “Quero ser uma pequena, silenciosa morada onde Jesus possa repousar.” (Reflexão de Santa Faustina III, 1021)

3 – “És nosso Pai e nós por tua graça somos teus filhos. Seja glorificada a tua Misericórdia, pois te dignastes descer entre nós.” (Reflexão de Santa Faustina VI, 1745)

4 – “Com grande ansiedade espero o Natal, vivo na espera junto de Nossa Senhora.” (Reflexão de Santa Faustina II, 829)

5 – “Que felicidade ter a consciência de que Deus está no próprio coração e viver em estreita intimidade com Ele.” (Reflexão de Santa Faustina III, 1135)

6 – “Qualquer coisa farias comigo, ó Jesus, eu te amarei sempre, porque sou Tua.” (Reflexão de Santa Faustina III, 1145)

7 – “Só o amor é capaz de caminhar sobre as margens dos abismos e através dos cumes dos montes. O amor, ainda uma vez o amor.” (Reflexão de Santa Faustina III, 1123)

8 – “Ó Maria, Virgem Imaculada, toma-me sob a Tua especialíssima proteção e guarda a pureza da minha alma, do meu coração e do meu corpo.” (Santa Faustina a Maria Ssma. II, 874)

9 – “Por amor para conosco tomas para Ti o corpo de uma Virgem Imaculada jamais tocado pelo pecado.” (Santa Faustina a Jesus, VI, 1746)

10 – “Para exprimir dignamente a Misericórdia do Senhor, unamo-nos à Tua Mãe Imaculada, assim o nosso hino Te será mais agradável, uma vez que Ela é escolhida entre os anjos e os homens.” (Santa Faustina a Jesus, VI, 1746)

11 – “Ó Deus de grande Misericórdia, Te dignastes de enviar-nos o Teu Filho Unigênito como as maior demonstração de amor e de Misericórdia sem limites.” (Santa Faustina, III, 1122)

12 – “Ó Jesus, dá-me a inteligência unicamente para conhecer melhor a Ti, porque quanto mais te conheço, mais ardentemente Te amo.” (Santa Faustina a Jesus, V, 1474)

13 – “Quero ensinar-te a infância espiritual Quero que tu sejas muito pequena, por que quando és pequenina, te levo junto ao meu Coração.” (Jesus a Santa Faustina, V, 1481)

14 – “Numa alma que vive exclusivamente do meu amor, eu reino como no céu.” (Jesus a Santa Faustina, V, 1489)

15 – “Quanto desejo a salvação das almas”. Minha caríssima secretária, escreve que desejo derramar a minha vida divina nas almas humanas e santifica-las.” (Jesus a Santa Faustina, VI, 1784)

16 – “A minha alma Te deseja, como uma flor deseja o sol...o meu coração deseja a Ti.” (Santa Faustina 1808)

17 – “Ó Jesus, ó Deus escondido, o meu coração te sente, embora te cubram os véus, tu sabes que eu te amo.” (Santa Faustina a Jesus II, 524)

18 – “Somente Deus perscruta o meu coração. A verdade não perece e o coração ferido com o tempo se tranqüiliza e o meu espírito se fortifica nas adversidades.” (Reflexão de Santa Faustina I, 511)

19 – “Vivo na mais profunda serenidade, por que o próprio Senhor me leva sobre os Seus braços.” (Reflexão de Santa Faustina IV, 1264)

20 – “A nossa confiança está toda em Ti, nosso irmão primogênito Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem.” (Santa Faustina a Jesus, V, 1584)

21 – “Ó Jesus, a minha alma deseja a Ti somente, Tu és para mim mais das delícias do paraíso, a minha alma mais dos dons e das graças espera a Ti.” (Santa Faustina a Jesus, V, 1427)

22 – “Espero a Ti, ó Deus, por que desejo somente a Ti. Só Tu estás no meu coração, todo o resto é nada para mim.” (Santa Faustina a Jesus, III, 1230)

23 – “A tua beleza fascinou o Três Vezes Santo, descido do céu, abandonando o trono da sua sede eterna, e tomou corpo e sangue do Teu coração, escondendo-se por nove meses no coração da Virgem.” (Santa Faustina a Maria Santíssima, I, 161)

24 – “Uno-me à Senhora e abandono Nazaré para ir a Belém, onde transcorrerei as festas do santo Natal entre os estranhos, mas com Jesus, Maria e José.” (Reflexão de Santa Faustina II, 795)

25 – “Sede adorado, ó Deus misericordioso, por haver-te dignado descer do céu sobre esta terra. Nós te adoramos com grande humildade, por haver elevado todo o gênero humano.” (Santa Faustina a Jesus, VI, 1746)

26 – “Ó Mãe, ó Virgem, ninguém consegue compreender como o Imenso Deus torna-se homem, só por amor e pela sua insondável Misericórdia. Por teu mérito, ó Mãe, viveremos com Ele para sempre.” (Santa Faustina a Maria Santíssima, I, 161)

27 – “Maravilhou-se o céu que Deus se fizesse homem, que houvesse na terra um coração digno de Deus.” (Reflexão de Santa Faustina VI, 1746)

28 – “Moveu-te a Misericórdia e Vós mesmo Vos dignastes descer até nós e arrancar-nos da nossa miséria.” (Santa Faustina a Jesus, VI, 1745)

29 – “O coração me treme de alegria vendo como Deus é bom...e a prova do seu amor nos dá um dom inconcebível, isto é a Si próprio na pessoa do Seu Filho.” (Reflexão de Santa Faustina V, 1584)
30 – “O meu coração é morada para Ti ó Rei da eterna glória. Governa o meu coração e reina nele como num magnífico palácio.” (Santa Faustina a Jesus, IV, 1231)

31 – “Ó almas, não tende medo de Deus, mas tende confiança nele, porque é bom e a sua Misericórdia perdura nos séculos.” (Santa Faustina, II, 533)

Fonte: http://www.pastoralis.com.br/pastoralis/html/modules/smartsection/item.php?itemid=172

Como praticar a devoção dos Cinco Primeiros Sábados?

Repórter: Jonathan Monteiro

Na terceira aparição, em Fátima, a 13/7/1917, a Santíssima Virgem anunciou que viria pedir a comunhão reparadora nos primeiros sábados”. Mais tarde, a 10/12/1925, quando a Irmã Lúcia já estava na Casa das Dorotéias, em Pontevedra, na Espanha, Nossa Senhora apareceu-lhe de novo. A Seu lado via-se o Menino Jesus, em cima de uma nuvem luminosa:

“Olha, minha filha – disse-lhe a Virgem Maria – o meu Coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos Me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de Me consolar, e dize que todos aqueles que durante cinco meses, no primeiro sábado,

  • se confessarem,
  • receberem a Sagrada Comunhão,
  • rezarem um terço e
  • Me fizerem quinze minutos de companhia meditando nos vinte mistérios do Rosário com o fim de Me desagravar

Eu prometo assisti-los na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas.”

Liturgia Diária!!!

Domingo, dia 07 de Dezembro de 2008
2º Domingo do Advento - B

2º Domingo do Advento - Ano B (semana II do saltério)
Santo Ambrósio, bispo, Doutor da Igreja, +397



Comentário ao Evangelho do dia feito por
Beato Guerric d'Igny : «Uma voz brada no deserto: Preparai os caminhos do Senhor»

Leituras

Is. 40,1-5.9-11.
Consolai, consolai o meu povo, é o vosso Deus quem o diz.
Falai ao coração de Jerusalém e gritai-lhe: «Terminou a vossa servidão,
estão perdoados os vossos crimes, pois já recebeu da mão do SENHOR o dobro
do castigo por todos os seus pecados.»
Uma voz grita: «Preparai no deserto o caminho do SENHOR, aplanai na estepe
uma estrada para o nosso Deus.
Todo o vale seja levantado, e todas as colinas e montanhas sejam abaixadas,
todos os cumes sejam aplanados, e todos os terrenos escarpados sejam
nivelados!»
Então a glória do SENHOR manifestar-se-á, e toda a gente a há-de ver ao
mesmo tempo. É o SENHOR quem o declara.
Sobe a um alto monte, arauto de Sião. Grita com voz forte, arauto de
Jerusalém; levanta a voz, sem receio, e diz às cidades de Judá: «Aí está o
vosso Deus!
Olhai, o Senhor DEUS vem com a força do seu braço dominador; olhai, vem com
o preço da sua vitória, e com a recompensa antecipada.
É como um pastor que apascenta o rebanho, reúne-o com o cajado na mão, leva
os cordeiros ao colo, e faz repousar as ovelhas que têm crias.»


Salmos 85(84),9-10.11-12.13-14.
Prestarei atenção ao que diz o SENHOR Deus; Ele promete paz para o seu povo
e para os seus amigos e para todos os que se voltam para Ele de coração.
salvação está perto dos que o temem e a sua glória habitará na nossa terra.

amor e a fidelidade vão encontrar-se. Vão beijar-se a justiça e a paz.
Da terra vai brotar a verdade e a justiça descerá do céu.
próprio SENHOR nos dará os seus bens e a nossa terra produzirá os seus
frutos.
justiça caminhará diante dele e a paz, no rasto dos seus passos.


2 Pedro 3,8-14.
Mas há uma coisa, caríssimos, que não deveis esquecer: um dia para o Senhor
é como mil anos, e mil anos, como um só dia.
Não é que o Senhor tarde em cumprir a sua promessa, como alguns pensam, mas
simplesmente usa de paciência para convosco, pois não quer que ninguém
pereça, mas que todos se convertam.
Porém, o Dia do Senhor chegará como um ladrão: os céus desaparecerão com
estrondo, os elementos do mundo abrasados dissolver-se-ão, assim como a
terra e as obras que nela houver.
Uma vez que todas as coisas serão assim destruídas, como deve ser santa a
vossa vida e a vossa piedade,
enquanto esperais e apressais a chegada do dia de Deus, quando os céus, a
arder, se desintegrarem e os elementos do mundo, com o ardor do fogo, se
derreterem!
Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos uns novos céus e uma nova
terra, onde habite a justiça.
Portanto, caríssimos, enquanto esperais estes acontecimentos, esmerai-vos
para que Ele vos encontre imaculados, irrepreensíveis e em paz.


Marcos 1,1-8.
Princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus.
Conforme está escrito no profeta Isaías: Eis que envio à tua frente o meu
mensageiro,a fim de preparar o teu caminho.
Uma voz clama no deserto: 'Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas
veredas.'
João Baptista apareceu no deserto, a pregar um baptismo de arrependimento
para a remissão dos pecados.
Saíam ao seu encontro todos os da província da Judeia e todos os habitantes
de Jerusalém e eram baptizados por ele no rio Jordão, confessando os seus
pecados.
João vestia-se de pêlos de camelo e trazia uma correia de couro à cintura;
alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre.
E pregava assim: «Depois de mim vai chegar outro que é mais forte do que
eu, diante do qual não sou digno de me inclinar para lhe desatar as
correias das sandálias.
Eu baptizei-vos em água, mas Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo.»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por

Beato Guerric d'Igny (c. 1080-1157), abade cisterciense
I Sermão para o Advento (Trad. Cf Bouchet, Leccionário, p. 36 e Brésard, 2000 anos B, p. 20)

«Uma voz brada no deserto: Preparai os caminhos do Senhor»

«Preparai os caminhos do Senhor.» Irmãos, os caminhos do Senhor que nos
pedem que preparemos preparam-se percorrendo-os, e é preparando-os que os
percorremos. Mesmo que já tenhais progredido muito no caminho, tendes ainda
assim de o preparar, a fim de que, do ponto aonde chegastes, avanceis
sempre mais. E assim, a cada passo que dais, o Senhor cujo caminho
preparais vem ao vosso encontro, sempre novo, sempre maior. É, pois, com
razão que o justo reza dizendo: «Instruí-me, Senhor, nos Vossos
mandamentos, e os guardarei com fidelidade» (Sl 118, 33). Talvez se lhe
tenha chamado «caminho eterno» porque, se é verdade que a Providência
previu o caminho de cada um e lhe fixou um termo, também é certo que a
bondade daquele para o Qual avançais não tem limites. É por isso que, ao
chegar, o viajante sábio e decidido pensa que está apenas no princípio (Fil
3, 13); esquecendo o que tem atrás de si, dirá todos os dias: «Hoje
começo». [...]

Mas nós que falamos de progresso neste caminho, praza ao céu que tenhamos,
pelo menos, começado! Em minha opinião, quem se pôs a caminho já está no
bom caminho; mas é necessário que tenhamos realmente começado, que tenhamos
«encontrado o caminho da cidade habitável», como diz o salmo (106, 4).
Porque «são poucos os que o encontram», diz a própria Verdade (Mt 7, 14). E
numerosos os que vagueiam na solidão. [...]

E Tu, Senhor, preparaste-nos um caminho, basta que consintamos em o
percorrer. Tu ensinaste-nos o caminho da Tua vontade quando nos disseste:
«Este é o caminho, andai por ele» (Is 30, 21). Trata-se do caminho que o
profeta tinha prometido: «O deserto será atravessado por um caminho que se
chamará caminho sagrado; nenhum ser impuro passará por ele (Is 35, 8). «Fui
jovem, agora sou velho» (Sl 36, 25) e, se bem me lembro, nunca vi seres
impuros percorrerem o Teu caminho; embora tenha visto alguns puros que
conseguiram percorrê-lo até ao fim.





Gerir directamente o seu abono (ou a sua subscrição) neste endereço : www.evangelhoquotidiano.org


6 de dez de 2008

Curso de Espiritualidade e Doutrina






Uma Verdade...

Fui protestante, hoje sou católico

Repasso Email que recebi (retirado da revista da Comunidade Shalom):

> >Fui protestante, hoje sou católico
> >Seitas
> >25/10/2007 07:39
> >
> >
> >Desde criança fui membro da igreja Presbiteriana e era muito feliz.
> >Trabalhava como superintendente em uma escola dominical e tinha um único
> >filho de meu casamento, que não foi bem sucedido. Meu esposo era doente
> >mental e logo no primeiro ano de casamento precisou afastar-se. Aos
> >quatorze anos, meu filho começou a ficar doente: tratava´se de uma anemia
> >que não sarava, até que o médico descobriu que não era anemia o que ele
> >tinha, mas uma leucemia que estava muito adiantada e que não tinha mais
> >cura.
> >
> >Nesse tempo eu tinha onze crianças carentes em casa e achava que isso já
> >era uma obra bastante grande. Não imaginava que muitas outras coisas ainda
> >aconteceriam. Então comecei o tratamento do meu filho com o Dr. Simbra
> >Neli, um cientista muito importante no Brasil. O meu filho tinha tumores
> >pelo corpo todo, inclusive no olho e no ouvido direito e não enxergava nem
> >ouvia mais.
> >
> >Quando chegamos perto da Páscoa ele disse: 'Mãe, eu queria que você fosse
> >ao colégio em que estudo ´ eu lecionava nesse colégio pela manhã; no fundo
> >do quintal tem uma gruta e tem uma imagem que eu não sei de quem é, mas os
> >meninos católicos acendem velas perto dessa imagem para passar de ano e a
> >imagem está muito suja'. Eu pintava pequenas peças de gesso durante a noite
> >para dar conta do sustento das onze crianças e do tratamento dele. Então
> >ele continuou: 'Você pega aquela imagem e pinta para eu deixar de lembrança
> >para o colégio'.
> >
> >Naquele momento eu senti emoções muito contraditórias, porque o meu filho
> >estava morrendo e eu não podia negar-lhe nada, mas pintar uma imagem era
> >realmente muito desagradável para mim, sendo protestante, de princípios
> >muito bem plantados. Mas fui buscar a imagem.
> >
> >Era uma imagem grande, tinha mais de 80 cm, tinha as mãos abertas e estava
> >muito suja. Eu a peguei pela cabeça e pus embaixo do braço; a diretora
> >disse: 'Ah! Themis, você não pode levar a Nossa Senhora das Graças debaixo
> >do braço!'. Então fiquei sabendo que era uma imagem de Nossa Senhora das
> >Graças. Para mim, pouca diferença fazia, eu queria mais que a imagem caísse
> >e quebrasse. Cheguei em casa, pus a imagem em cima da mesa e comecei a
> >limpá´la.
> >
> >Meia-noite eu devia dar remédio para o meu filho. Ele tinha uma febre que
> >subia muito e caía de repente. Então, de duas em duas horas eu tinha que
> >lhe dar remédio, de dia e de noite. Quando o toquei percebi que estava
> >queimando de febre. Ele olhou para a imagem em cima da mesa e disse: 'Puxa,
> >como essa imagem está linda!' E eu pensei que estivesse delirando por causa
> >da febre, porque era um menino criado na igreja Presbiteriana, que nunca
> >tinha entrado numa Igreja Católica. E continuou: 'Vou fazer um voto para
> >Nossa Senhora'. Eu senti todo o meu ser se revoltar porque protestantes não
> >fazem votos. Mas o fato é que meu filho fez o seguinte voto: 'Pelo tempo em
> >que viver, seja muito ou pouco, quero que a minha vida sirva a Deus e quero
> >ter uma imagem igual a essa em casa para eu me lembrar disso'. Ele voltou a
> >dormir, porque quando tomava o remédio a febre baixava e ele dormia de
> >novo. Foi então que entrei num grande conflito de fé, porque não poderia
> >ser fiel à minha fé e deixar que meu filho fizesse um voto a Nossa Senhora,
> >e muito menos ter uma imagem dela em casa, se eu era a primeira a fazer
> >grandes palestras sobre a inutilidade de se olhar para Nossa Senhora.
> >
> >Comecei então a caminhar pela casa, muito nervosa, até que chegou duas
> >horas da manhã e fui dar o remédio para o meu filho; mas, quando pus a mão
> >nele, de novo, tomei um susto: pensei que estava morrendo, porque a
> >temperatura estava normal e tinham sumido todos os tumores do corpo, até o
> >tumor do olho e do ouvido. Ele abriu os olhos, enxergou bem e disse: 'Estou
> >ouvindo, não sinto dor, estou curado'. E sem dúvida nenhuma, lá no céu
> >Nossa Senhora deve ter feito naquela noite por mim como fez nas bodas de
> >Caná. Deve ter dito para Jesus: 'Jesus, o vinho da vida dessa mulher
> >ignorante acabou e ela não sabe pedir'. E Jesus derramou o vinho da vida.
> >Então eu peguei o meu filho, sem entender nada, e levei´o de volta para o
> >médico. Ele fez todos os exames e ao final me chamou numa sala com os seus
> >assessores e disse: 'Você tem que me dizer que remédio deu para ele, porque
> >esse menino estava morto quando saiu daqui'. Eu disse: 'Eu dei o seu
> >remédio. A única coisa diferente foi que meu filho fez um voto a Nossa
> >Senhora e quis que rezássemos uma Ave-Maria, mas eu não sei a Ave-Maria,
> >por isso rezamos um Pai-Nosso'. O médico deu uma grande risada e falou: 'A
> >reza não tem nada a ver com isso'.
> >
> >Logo depois fui à minha igreja. Eu tinha um cargo muito importante, eu
> >deveria dar satisfações do meu cargo ao pastor e ao conselho da Igreja,
> >então fui e disse: 'Eu quero ficar na igreja Presbiteriana porque gosto
> >muito daqui. Não quero sair, faço um bom trabalho, mas tenho um pedido: no
> >domingo quero pegar o microfone e dizer para os nossos irmãos protestantes
> >que Maria Santíssima quer e pode interceder por nós. Ela não só faz isso
> >porque não pedimos ela. Ela é mãe dos católicos, é mãe dos evangélicos, é
> >mãe dos espíritas, é mãe dos ateus. Maria Santíssima é a mãe de Jesus e Ele
> >quis, na última hora da sua vida, dividir sua mãe com todos nós. Acontece
> >que alguns filhos têm os corações mais duros e ingratos e passam por ela
> >sem perceber. E isso fazemos nós os evangélicos. Mas eu quero dizer para
> >eles no domingo que nós devemos voltar para nossa Mãe do Céu'. Eles não
> >concordaram que eu dissesse isso e me falaram: 'Você vai para casa e fica
> >lá dois ou três meses, lê a Bíblia novamente e depois a gente esquece tudo
> >isso'. Aceitei, porque de fato eu precisava de um tempo.
> >
> >Fui, portanto, para casa, li a Bíblia de novo e, naquela mesma Bíblia onde
> >eu já havia decorado grandes trechos, encontrei e entendi a Eucaristia. No
> >Evangelho de São João Jesus dizia para mim: 'O meu corpo é verdadeira
> >comida, o meu sangue é verdadeira bebida, quem come da minha carne e bebe
> >do meu sangue viverá para sempre. Eu fiquei muito mais apaixonada por
> >Jesus. Foi então que fui correndo para a Igreja e disse aos meus irmãos do
> >conselho: 'Eu quero ficar na igreja Evangélica, não quero sair, mas agora
> >em vez de um problema nós temos dois, porque eu quero ficar com Maria
> >Santíssima e com a Eucaristia. Eu quero colocar um sacrário na nossa igreja
> >e que nós aprendamos alguma coisa sobre o Cristo maravilhoso que é vida,
> >que vem fazer parte do meu corpo, do meu sangue, da minha alma, da minha
> >humanidade e vem me transformar em verdadeiro sacrário. Posso carregá-lo no
> >meio dos outros homens'. Evidentemente eles não aceitaram, porque se
> >aceitassem converter-se- iam todos ao catolicismo.
> >
> >Nós nos retiramos da igreja Presbiteriana, fomos batizados na Igreja
> >Católica, fizemos a Primeira Comunhão, eu, meu filho e as onze crianças que
> >moravam comigo. O colégio nos deu de presente aquela imagem que eu havia
> >pintado. O meu filho esteve num seminário onde fez até o segundo ano de
> >Teologia, mas depois, de acordo com o bispo, voltou para casa. Hoje é
> >casado, tem três filhos e me ajuda na casa, dirigindo o carro, levando as
> >crianças para todo lugar.
> >
> >Atualmente temos um orfanato com trezentas crianças. A partir do momento em
> >que eu consagrei a casa a Nossa Senhora, deixei-me levar de fato por Jesus
> >e pedi ao bispo para colocar um sacrário dentro de casa, fazendo com que
> >Jesus passasse a viver com a gente, aquelas onze crianças se transformaram
> >em trezentas. Graças a Deus! Agora estamos aumentando o trabalho,
> >estendendo o orfanato para um asilo de sessenta velhinhos desabrigados.
> >
> >IR. THEMIS
> >Revista 'Shalom Maná', nº 74, págs. 16 e 17

Apostolado da Oração de Portugal na internet

LISBOA, sexta-feira, 21 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- O Secretariado Nacional do Apostolado da Oração de Portugal já está ao alcance de todos na internet, no endereço www.apostoladodaoracao.pt.

Neste site pode-se conhecer a história e espiritualidade do Apostolado, meditar e rezar ao ritmo da liturgia diária, refletir sobre as Intenções do Santo Padre, saber o que vai acontecendo com o Apostolado da Oração em Portugal e no mundo.

Com a iniciativa, o Secretariado Nacional do Apostolado da Oração pretende ficar mais perto de todos e divulgar ainda mais o Apostolado e o serviço eclesial que o mesmo presta, em todo o mundo.

Liturgia Diária!!!

Sabado, dia 06 de Dezembro de 2008
Sábado da 1a semana do Advento

S. Nicolau, bispo, +342



Comentário ao Evangelho do dia feito por
Santo Agostinho : A messe é abundante

Leituras

Is. 30,19-21.23-26.
Povo de Sião, que habitas em Jerusalém, já não chorarás mais, porque o
SENHOR terá piedade de ti quando ouvir a tua súplica, e, mal te ouça, logo
te responderá.
Embora o Senhor te dê o pão da angústia e a água da tribulação, já não se
esconderá mais o teu mestre. Tu o verás com os teus próprios olhos.
Ouvirás atrás de ti esta palavra, quando tiveres de caminhar para a direita
ou para a esquerda: «Este é o caminho a seguir.»
Então o Senhor te enviará as chuvas para a sementeira que semeares na
terra, e o pão que a terra produzir será nutritivo e saboroso. Naquele dia,
o teu gado pastará em amplas pastagens.
Os bois e os jumentos que lavrarem a terra comerão uma forragem salgada,
remexida com a pá e a forquilha.
No dia da grande mortandade, em que desabarão as fortalezas, haverá
torrentes de água abundante em todas as montanhas e colinas.
No dia em que o SENHOR curar a ferida do seu povo, e tratar da chaga que
lhe foi infligida, a Lua refulgirá como um Sol, e o Sol brilhará sete vezes
mais.


Salmos 147(146),1-2.3-4.5-6.
Louvai o SENHOR, porque é bom cantar! É agradável e é justo louvar o nosso
Deus.
SENHOR restaura Jerusalém e reúne os dispersos de Israel.
Ele cura os de coração atribulado e trata-lhes as feridas!
Ele fixa o número das estrelas e chama a cada uma pelo seu nome.
Grande e poderoso é o nosso Deus; a sua sabedoria não tem limites.
SENHOR ampara os humildes, mas abate os malfeitores até ao chão.


Mateus 9,35-38.10,1.6-8.
Jesus percorria as cidades e as aldeias, ensinando nas sinagogas,
proclamando o Evangelho do Reino e curando todas as enfermidades e doenças.

Contemplando a multidão, encheu-se de compaixão por ela, pois estava
cansada e abatida, como ovelhas sem pastor.
Disse, então, aos seus discípulos: «A messe é grande, mas os trabalhadores
são poucos.
Rogai, portanto, ao Senhor da messe para que envie trabalhadores para a sua
messe.»
Jesus chamou doze discípulos e deu-lhes poder de expulsar os espíritos
malignos e de curar todas as enfermidades e doenças.
Ide, primeiramente, às ovelhas perdidas da casa de Israel.
Pelo caminho, proclamai que o Reino do Céu está perto.
Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai
os demónios. Recebestes de graça, dai de graça.


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por

Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (norte de África), doutor da Igreja
Sermões sobre o evangelho de S. João, nº 15

A messe é abundante

Cristo estava cheio de ardor no que respeita à sua obra e dispunha-se a
enviar trabalhadores... Vai então enviar ceifeiros. "É verdadeiro o
provérbio: Um é o que semeia, outro o que ceifa. Envio-vos a ceifar um
campo em que não trabalhastes; outros cansaram-se a trabalhar e vós colheis
o fruto do seu trabalho" (Jo 4,37-38). Como? Enviou ceifeiros sem antes
enviar semeadores? Onde é que enviou os ceifeiros? Onde outros já tinham
trabalhado... Onde os profetas já tinham pregado, porque eles mesmos eram
os semeadores...
      
Quem são esses que assim trabalharam? Abraão, Isaac, Jacob. Leiam a
narrativa dos seus trabalhos: em todos eles se encontra uma profesia de
Cristo; foram portanto semeadores. Quanto a Moisés, aos outros patriarcas,
a todos os profetas, o que não suportaram eles ao frio, enquanto semeavam?
Por conseguinte, na Judeia a messe estava já pronta. E compreende-se que a
messe estivesse madura no momento em que tantos milhares de homens traziam
o valor dos seus bens, o depositavam aos pés dos apóstolos e, aliviando os
seus ombros dos fardos deste mundo, começavam a seguir Cristo Senhor (Act
4,35; Sl 81,7). Verdadeiramente a messe tinha atingido a maturidade.
      
Que resultou disso? Desta messe foram retirados alguns grãos que foram
semeados em todo o universo e eis que se ergue uma outra messe destinada a
ser colhida no fim dos séculos... Para recolher essa messe já não serão os
apóstolos a ser enviados mas sim os anjos.




Gerir directamente o seu abono (ou a sua subscrição) neste endereço : www.evangelhoquotidiano.org


5 de dez de 2008

Informativo Cléofas - 04/12/2008

Informativo Cléofas, 04 Dezembro de 2008 - Ano III - Número 101

Notícias do Programa Escola da Fé

+ Ex-senadora socialista convertida ao catolicismo pede abolir aborto na Espanha
+ Premiam no Paraguai a Presidente uruguaio por veto a lei abortista
+ 188 mártires japoneses beatificados em Nagasaki
+ Livro polêmico do Cardeal Martini será lançado no Rio
+ Católicos americanos a favor de integrar imigrantes ilegais
+ Vândalos destroem imagens de Nossa Senhoara em Manágua
+ Destroem nove cruzes da Via Sacra de Xavier
+ Arcebispo de Valladoli: A Cruz não fere ninguém, somente é sinal de amor e paz

+ leia mais

O programa Escola da Fé, é exibido toda a quinta-feira às 20h30 na TV Canção Nova (Link))


Perguntas e Respostas

+ Qual significado das letras JHS inscritas nas hostias?
+ Músicas Protestantes são proibidas na missa?
+ Jesus ressuscitou de verdade?

+ A Igreja proibe a cremação?


Blog do Prof. Felipe

Aborto e Problemas Mentais

JMais uma pesquisa vem comprovar os males psicológicos que o aborto significa para a mulher que o realiza. Várias já mostraram isso.

O jornal “O Estado de São Paulo” publicou (02.dez. 2008) uma noticia dando conta de que “mulheres que fizeram aborto têm 30% mais chance de terem problemas mentais do que as mulheres que nunca passaram por isso”. É a conclusão de uma pesquisa publicada na última edição da publicação científica British Journal of Psychiatry.

http://www.estadao.com.br/vidae/not_vid286567,0.htm

“Os pesquisadores, da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, dizem que os problemas mentais possivelmente relacionados ao aborto representariam entre 1,5% e 5,5% de todos os problemas mentais verificados nas mulheres”. Eles acompanharam 500 mulheres; e notaram que ansiedade e abuso no uso de drogas são os problemas mais comuns verificados em mulheres após um aborto.(...)


+ leia mais


LANÇAMENTO

Problemas no Namoro

São muitos os problemas que podem surgir no namoro, ameaçando a sua beleza: Com quem namorar? O namorado do meu sonho e o namorado que tenho. Quando namorar? Como namorar? Ficar e namorar? Desentendimentos e brigas no namoro, temperamentos diferentes, dúvidas e inseguranças no namoro, infidelidade no namoro, traições; namoros muito longos ou muito curtos, ciúmes, a família do namorado, as diferenças de idades, traumas de namoros terminados; dúvida se deve continuar o namoro; por que não arrumo namorado? Quando se casar; namoro e religião, diferença de religião; namoro de mãe ou pai solteiro, namoro com alguém que já foi casado, namoro virtual pela internet; namoro à distância; namoro e sexo... e muito mais.
Tudo isso você vai ver abordado neste livro pelo Prof. Felipe Aquino com sua experiência de mais de 40 anos trabalhando com jovens.

Ficha Técnica
ISBN: 978-85-88158-48-1
Ano: 2008
Edição: 1
Número de páginas: 184
Idioma: Português BR
Acabamento: Brochura
Formato: 14×21 cm


+ comprar


* Caso não deseje mais receber a newsletter, entre em contato e escolha o assunto "Newsletter - REMOVER"
** Veja nossas regras para a newsletter aqui.
LANÇAMENTO


Problemas no Namoro
14x21 cm - 184 páginas.


Shopping Cléofas


O Glorioso São José
14x21 cm - 200 páginas


Família, "Santuário da Vida"
14x21 cm - 232 páginas.


 


© 2008 - Editora Cléofas

Bispo não aposenta, ele renuncia ao ofício de governar, explica prelado

SANTA CRUZ DO SUL, sexta-feira, 21 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- Um bispo não aposenta, o que ele faz é renunciar ao ofício de governar, seguindo a norma do Direito Canônico, explica um prelado brasileiro.

Dom Aloísio Sinésio Bohn, bispo de Santa Cruz do Sul, afirma ter notado que muitos consideram o bispo emérito «como ‘aposentado’, em repouso, qual funcionário público».

«Mas o bispo não se aposenta. Ele renuncia ao ofício de governar ou presidir uma diocese e passa a servir a Igreja de outro modo», afirma, em artigo difundido hoje pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

De acordo com o prelado, o bispo emérito «recebe uma nova missão em prol do bem da Igreja».

«Continua membro do Colégio Apostólico, em comunhão com o Romano Pontífice e, com os demais bispos, corresponsável pela Igreja inteira. Pode participar do Concílio Ecumênico com voto deliberativo e do Sínodo dos Bispos. Numa palavra, assume fortemente a dimensão missionária da Igreja.»

Dom Sinésio explica que o bispo emérito não governa. «Antes assume a função de intercessor da Igreja e do mundo, mediante a oração de caráter apostólico, o conselho forjado na experiência, as obras de caridade, a pregação do Evangelho, a celebração dos sacramentos, o cuidado pastoral dos fiéis, a defesa dos pobres e dos fracos e pode ser juiz eclesiástico».

«É preciso lembrar que o Corpo de Cristo se edifica não só pelo poder e o ativismo, mas muito pela doação discreta da própria vida a Deus e às pessoas, assumindo como Jesus, o sofrimento pela salvação da humanidade. É o sofrimento apostólico tão recomendado aos enfermos e idosos», destaca.

O prelado recorda que, de acordo com o Direito Canônico, ao bispo diocesano que tiver completado setenta e cinco anos de idade, é solicitado que apresente a renúncia do ofício ao Sumo Pontífice.

«A renúncia pode ser aceita imediatamente, ou demorar algum tempo. O discernimento é do Papa.»

Segundo o bispo, esta norma, fruto do Concílio Ecumênico Vaticano II, é «sábia e oportuna». «Pois a pessoa, quando perde a capacidade de presidir uma Diocese, pode não ter a percepção exata da conjuntura».

«Cada idade é bela e, colocada a serviço, agrada a Deus e edifica a Igreja de Deus», afirma Dom Sinésio.


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12