7 de jan de 2009

Santíssima Trindade: O Verdadeiro "Triângulo Amoroso"


Santíssima Trindade: O Verdadeiro "Triângulo Amoroso"
Santíssima Trindade: O Verdadeiro "Triângulo Amoroso"
Por Maria Thereza Tosta Camillo
Artigo 3º Colocado no Concurso de Artigos do Apostolado Sociedade Católica

A crença no Deus Uno e Trino esteve presente na Igreja desde os primórdios: "No que diz respeito ao Batismo, batizai em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo em água corrente. Se não houver água corrente, batizai em outra água; se não puder batizar em água fria, fazei com água quente. Na falta de uma ou outra, derramai três vezes água sobre a cabeça, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Didaqué, 7,1-3). Atualmente, segundo o Catecismo da Igreja Católica (CIC), “o mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã(...), portanto, a fonte de todos os outros mistérios da fé, é a luz que os ilumina” (§234).

A Trindade pode ser estudada sob diversos aspectos: estudo das processões (procedência, origem), estudo das relações e estudo das pessoas, sendo este último dividido em estudo das pessoas consideradas absolutamente e relativamente por comparação. Esse artigo pretende somente abordar as pessoas divinas de per si, naquilo que se distinguem umas das outras.


As Pessoas divinas são realmente distintas entre Si. Deus é único, mas não solitário. Pai, Filho e Espírito Santo não são simplesmente nomes que designam modalidades do Ser divino, pois são realmente distintos entre Si: Aquele que é o Pai não é o Filho e Aquele que é o Filho não é o Pai, nem o Espírito Santo é Aquele que é o Pai ou o Filho. São distintos entre Si pelas suas relações de origem: é o Pai que gera, o Filho que é gerado e o Espírito Santo que procede. A Unidade divina é Trina (CIC§254).

Pode-se afirmar que é impossível chegar ao conhecimento das pessoas da Trindade pela razão natural. Isso porque, pela razão natural, o homem é levado ao conhecimento de Deus a partir do conhecimento das criaturas, como o estudo do efeito leva ao conhecimento da causa - ou seja - um conhecimento incompleto. Conclui-se, ainda, que com a razão natural se pode chegar a ter conhecimento do que pertence à unidade de essência, mas não do que pertence à distinção das pessoas divinas. Somente conhecemos, portanto, o que nos foi revelado:

“Entretanto, o que pregamos entre os perfeitos é uma sabedoria, porém não a sabedoria deste mundo nem a dos grandes deste mundo, que são, aos olhos daquela, desqualificados. Pregamos a sabedoria de Deus, misteriosa e secreta, que Deus predeterminou antes de existir o tempo, para a nossa glória. Sabedoria que nenhuma autoridade deste mundo conheceu (pois se a houvessem conhecido, não teriam crucificado o Senhor da glória). É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam. Todavia, Deus no-las revelou pelo seu Espírito, porque o Espírito penetra tudo, mesmo as profundezas de Deus.” (1Cor 2,6-10)

“Deus dispôs na sua bondade e sabedoria revelar-se a si mesmo e dar a conhecer o mistério da sua vontade, mediante o qual os homens, por meio de Cristo, Verbo encarnado, têm acesso ao Pai no Espírito Santo e tornam-se participantes da natureza divina” (Dei Verbum, 2).
Quando Deus criou o homem, disse: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança" (Gen.I,26). O plural, proposital, indica uma ação conjunta das três pessoas divinas. No que se refere às suas relações com as criaturas, as três pessoas divinas não diferem, portanto é impossível para nós apreender seus atributos pela mera observação dessas relações (ad extra). Somente nas relações internas (ad intra) é que podemos inferir qualquer conhecimento, a partir do qual podemos atribuir às pessoas divinas noções e nomes. 
Ao estudar os atributos e nomes associados a cada uma das pessoas divinas, devemos ter em mente que não há relação de hierarquia entre elas, e que se distinguem somente pela origem: "Entre os Três tudo é idêntico, exceto a relação de origem"
 (Gregório de Nanzianzo, Or. 34).

A invocação de Deus como “Pai” não é prerrogativa da religião cristã, sendo conhecida em várias religiões (CIC §238). No Antigo Testamento (AT), Deus é visto por Israel como Pai por ser o Criador do mundo, bem como em razão da aliança, por meio da qual o Deus de Israel intervém na história: “Dirás a Faraó: ‘Assim falou Iahweh: o meu filho primogênito é Israel’” (Ex. 4,22).

Quando chamamos Deus de “Pai”, a experiência humana nos remete à paternidade terrestre, e afirmamos duas coisas: primeiramente, que Deus nos deu a vida, e em segundo lugar, que é bondade e todo amor para com todos os seus filhos. Deus cuida com a sua providência de todas as coisas e, em especial, do homem. É nosso Pai do céu; em conseqüência, somos seus filhos. Para que nos lembrássemos sempre de nossa filiação divina, Jesus nos ensinou a rezar: "Pai Nosso, que estás no céu" (Mateus 6,9).

Enquanto no AT a paternidade de Deus significa a relação entre criador - criatura (relação ad extra ou ‘para fora’), no Novo Testamento (NT), embora ainda carregue esse significado, o que o hagiógrafo pretende destacar é a relação ad intra (Pai-Filho) e a filiação divina que adquirimos pelo sacrifício de Cristo.

O Pai é também chamado Ingênito e não procedente, ou, ainda, o ‘Princípio sem Princípio’. Traduzindo, significa dizer que o Pai não nasceu (como o filho) nem procedeu (como o Espírito Santo). O Filho por Ele é gerado e o Espírito Santo dEle procede. O Pai é, portanto, a origem de toda a divindade.

À pessoa do Filho se atribuem três nomes: Filho, Palavra e Imagem. A “filiação” indica a processão por via de geração, ou, segundo a teoria agostiniano-tomista, por via do intelecto. Ressalte-se, no entanto, que tal não implica supremacia do Pai sobre o Filho, não havendo superioridade de um sobre o outro. 

A filiação explica a consubstancialidade, a eternidade e a divindade da segunda Pessoa da Santíssima Trindade. O Filho é da mesma substância e natureza que o Pai, é gerado, desde sempre, pelo Pai e dele recebe a divindade. Mas como explicar a geração? Quanto ao mecanismo da geração do Filho, faz parte do mistério. Onde termina o terreno da razão, inicia-se o da fé.

"O que é então a processão? Diga-me o que é a ingenerabilidade do Pai e eu explicar-lhe-ei a fisiologia da geração do Filho e a processão do Espírito; e nós ambos seremos arrebatados por nos intrometer no mistério de Deus" (Gregório de Nanzianzo, Or. 31,8).

O Filho intermedia toda a relação do Pai com suas criaturas: “ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14,6). Da mesma forma: [/i]"Ao Pai universal por Jesus Cristo no Espírito Santo"[/i] (Orígenes de Alexandria, Da Oração 33).

A segunda pessoa divina também é chamada Palavra (Logos), é o intelecto, a sabedoria de Deus. É a palavra que sai da boca do altissímo. É nome atribuído como próprio pelo evangelista São João: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio junto de Deus.” (Jo 1,1-2).

Palavra aqui significa o concebido no entendimento, o conceito, o produto da concepção. O signo lingüístico é formado de dois elementos: significante e significado. O significante é a cadeia de fonemas (sons) e/ou grafemas (letras, ideogramas) pelos quais se exprime um conceito; este último é o significado. Diz Santo Agostinho que o Filho é o produto do intelecto do Pai - é o significado pelo meio do qual o Pai se revela a nós.

"Quem puder entender uma palavra antes que ressoe pronunciada, antes mesmo que se forme na mente uma imagem de seu som, isto é, que não pertença ainda a nenhum idioma conhecido (...) esse poderá perceber, como em espelho e em enigma, uma semelhança com aquele Verbo do qual está escrito: 'No princípio era o Verbo e o Verbo estava em Deus e o Verbo era Deus'" (Da Trindade 1,15,20).

Esse mesmo conceito mental implica procedência de outro, isto é, do conhecimento daquele que concebe. Por isso, a Palavra em Deus propriamente significa algo que procede de outro.

"[O Pai] enviou o Verbo como graça, para que se manifestasse ao mundo. (...) Desde o princípio, ele apareceu como novo e era antigo, e agora sempre se torna novo nos corações dos fiéis. Ele é desde sempre, e hoje é reconhecido como Filho" (Epístola a Diogneto, 11,3-4).

O nome Imagem é atribuído por São Paulo a Jesus Cristo: “Ele é a imagem de Deus invisível, o Primogênito de toda a criação” (Cl1,15). Com efeito, Jesus já havia dito de si mesmo: “Aquele que me viu, viu também o Pai” (Jo 14,9). 

O conceito de imagem importa em semelhança. Mas nem toda semelhança pode entrar no conceito de imagem, a não ser aquela semelhança que está na espécie do objeto ou, ao menos, em algum signo da espécie, ou seja, toda imagem pressupõe um original. Como diz Santo Tomás de Aquino: “Mas essa semelhança entre espécie e figura tampouco é suficiente, uma vez que, para que algo seja semelhante, se requer a origem” (Suma Teológica, prima pars, questão 34).

O ensinamento paulino e epistolar do NT confirmam: “(...) a tal ponto que não percebem a luz do Evangelho, onde resplandece a glória de Cristo, que é a imagem de Deus” (2Cor 4,4)

“Ultimamente nos falou por seu Filho, que constituiu herdeiro universal, pelo qual criou todas as coisas. Esplendor da glória (de Deus) e imagem do seu ser, sustenta o universo com o poder da sua palavra. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, está sentado à direita da Majestade no mais alto dos céus, tão superior aos anjos quanto excede o deles o nome que herdou. Pois a quem dentre os anjos disse Deus alguma vez: Tu és meu Filho; eu hoje te gerei (Sl 2,7)? Ou então: Eu serei seu Pai e ele será meu Filho (II Sm 7,14)?” (Hb 1,2-5).

Mais tarde, também a patrística consolidou a noção de Imagem ao falar do Filho: "Disse Deus, o Criador Trino: 'Façamos o homem à nossa imagem'. E essa imagem já é, de antemão, o Filho encarnado" (Anastácio do Sinai, In. Hex. 6).

A origem divina do Espírito Santo foi primeiramente afirmada em 381, no Concílio de Constantinopla, que disse que Ele "procede do Pai". Mais tarde, Santo Ambrósio e Santo Agostinho inauguraram uma tradição que afirmava ser o Espírito procedente do Pai e do Filho, sendo essa a tradição latina até hoje, tendo sido introduzido, no início do segundo milênio, no Credo, na liturgia, a expressão: "O Espírito provém do Pai e do Filho". O Credo da Igreja, do Concílio de Constantinopla, confessa:“Com o Pai e o Filho Ele recebe a mesma adoração e a mesma glória” (CIC 245).

Crer no Espírito Santo é, pois, professar que o Espírito Santo é uma das Pessoas da Santíssima Trindade, consubstancial ao Pai e ao Filho, “e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado”. É por isso que se tratou do mistério divino do Espírito Santo na “teologia” trinitária (Cf. CIC §685).

A processão por amor não tem nome. Por isso, a pessoa que resulta da referida processão também não tem nome próprio. No entanto, a escritura atribui o título de Espírito Santo, como próprio, à terceira pessoa da trindade: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19). 

O nome é conveniente, por duas razões: a primeira, porque traduz o que é comum a todas as pessoas divinas. Como diz Santo Agostinho (XV De Trin.4): “é comum a ambos, e tem como nome próprio o que é comum aos dois: Pois o Pai é Espírito e o Filho é Espírito; e o Pai é Santo, como o Filho é Santo”.

A segunda, por sua significação. A palavra espírito, em sua significação relativa ao mundo criado – sopro, expiração - parece indicar certo impulso e moção. É próprio do amor mover e impulsionar a vontade do que ama na direção do amado. De outro lado, a santidade se atribui àquilo que está ordenado a Deus. Dessa forma, é adequado que seja chamada Espírito Santo.

Uma metáfora trinitária comum é: O Pai é o que ama (sujeito). O Filho é o amado (paciente). O Espírito Santo é o Amor. Tal noção advém das Escrituras: “Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5).

O Espírito Santo é dom de Deus nas criaturas; é a doação ou ato de dar. Dar é um ato de amor e liberdade. As dimensões amor e doação são estreitamente ligadas: Pelo amor que é o Espírito, o Pai se doa ao Filho e o Filho ao Pai: "O Espírito Santo procede do Pai enquanto fonte primeira e, pela doação eterna deste último ao Filho, do Pai e do Filho em comunhão" (Santo Agostinho, Da Trindade 15,26,47).

“Desde que o Verbo assumiu a natureza humana, a graça foi como que natural para este Homem, intocável pelo pecado. E se essa graça devia ser atribuída ao Espírito Santo é porque o Espírito Santo existe em Deus de tal sorte que se chama o Dom de Deus” (Santo Agostinho, Enchiridion 40).

Enfim, em Deus há três pessoas e uma única natureza. Não há hierarquia e não se pode falar em inferioridade ou superioridade de uma ou outra pessoa divina em relação às demais. Há ainda muita coisa que não compreendemos sobre a Santíssima Trindade, esse verdadeiro e excelso “triângulo amoroso”. Na eternidade, teremos todas as respostas. Por ora, basta-nos a certeza que vem da fé.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA.

Catecismo da Igreja Católica. 11ª ed. Reimpres. São Paulo: EDIÇÕES LOYOLA, 2004.

ANDRÉ, Pe. Emmanuel. O Mistério da Santíssima Trindade. Disponível em http://www.catequisar.com.br/dw/livro/misterio.doc Acesso em 31/10/2008.

BETTENCOURT, Pe. Estêvão, OSB. Deus Uno e Trino. Apostila da Escola Mater Ecclesiae.

NABETO, Carlos Martins. A Fé Cristã: Coletânea de Sentenças Patrísticas. Volume 2: Deus Pai, Filho e Espírito Santo. São Vicente: Veritatis Splendor, 2007.

PUJOLL, Jayme; BIELA, Jesus Sanches. Apostolado Veritatis Splendor: 04: CREIO EM DEUS, PAI TODO PODEROSO. Disponível emhttp://www.veritatis.com.br/article/687. Desde 1/13/2003.

SUSIN, Luis Carlos; Apostolado Veritatis Splendor: O ESPÍRITO PROVÉM DO PAI E DO FILHO. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/1892. Desde 8/25/2003.

TOMÁS DE AQUINO. Suma de Teología. Vol I. Prima Pars. Biblioteca de Autores Cristianos, Provincias Dominicanas de España. Questões 27 a 47.

TRESE, Leo John. A Fé Explicada. 7ed. São Paulo, Quadrante, 1999. p.26-30.


© Copyright Sociedade Católica

3 comentários:

  1. A teoria trinitarianista começo a esboçar-se a partir da questão Ariana.

    Lí algures que o Arianismo tem sido mal apresentado.
    Um ariano confesso deixou na internet uma explicação que contraria o que se tem dito a respeito de arianismo.
    De facto, segundo essa fonte, O arianismo de Ário, embora apresente Jesus (Yeshua) como uma criatura de YHWH, aceita a divindade de Jesus e a sua consubstancialidade (HOMO-ousion) com Deus - O Pai. Não aceitam é a expressão (HOMO-I-ousion) supostamente usada por aqueles que se transformaram com o tempo em trinitaristas, que os sabelianistas acusavam de apoiantes do Monarquianismo.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Sabelianismo
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Monarquianismo

    Eu não critico severamente a doutrina trinitária, mas critico sim as sua obras.
    São as obras dos trinitaristas que me causam vómitos:
    Foi por causa das doutrinas trinitárias que foram mortos muitos cristãos de fé ariana pelos chamados cristãos da fé da TRINDADE.
    Temos a destacar os Hérulos, os Vândalos e os Ostrogodos, todos convertidos ao Cristianismo da fé ariana.

    http://adventismoemfoco.wordpress.com/2008/12/19/a-profecia-das-nacoes-parte-1/

    Também houve a questão dos Cétaros (Albigences) que mancharam de sangue mais uma vez as mãos dos que apoiavam o trinitarismo.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Cruzada_albigense

    O arianismo não é contra o credo quando diz que Jesus foi gerado pelo Pai, mas não aceitam a expressão posterior (gerado, não criado).
    Ora na teologia as palavras nem sempre têm o significado literal comum. Geralmente dão-lhes um outro significado, muitas vezes um significado que nem os próprios teólogos sabem bem definir. Por isso, também aceito a expressão «criado» dos arianistas, embora dê mais preferência à expressão «gerado», contudo chego à conclusão que ambas as palavras não definem completamente, mas apenas analogicamente a relação e origem Filho-PAI.
    Ora «criado» quando?
    Antes do princípio. (João) «No principio existia o verbo» Portanto o Verbo já existia antes de ter sido criado o «tempo».
    Ora antes do tempo, não havia tempo. Podemos chamar a isso o «INTEMPORAL» quando o «FILHO» foi gerado pelo PAI.
    A teoria de «geração eterna» apresentada pelos Trinitários não leva a nada, porque é como que dissessem que o Verbo está e vai estar eternamente por gerar completamente.

    A teoria do Arianismo também não é perfeita, mas parece ter uma preocupação importante que é desviar os crentes da IDOLATRIA, ao passo que a doutrina TRINITÁRIA os tem empurrado (mesmo que seja involuntária e inconscientemente) para a idolatria.

    Enfim,

    Tantas questões acerca do que se desconhece em relação a YHWH que só têm lavado ao ódio mortal pelos irmãos, à incompreensão, ao egoísmo, ao abuso e usurpação do poder, enfim a mil e um comportamentos que são nitidamente contrários aos conselhos amorosos de Yeshua (Jesus) que nos quer salvar desta situação de conflito aberrante e pecaminosa.

    ResponderExcluir
  2. Jesus disse: «Eu e o Pai somos um» (João 10,30)
    «Não me conheces Filipe: "Quem me vê vê o Pai"» (João 14,9)

    ==========================================================

    Mas também disse:
    «O Pai é maior que EU»


    (Jo 14, 28) * «Ouvistes o que Eu vos disse: 'Eu vou, mas voltarei a vós.' Se me tivésseis amor, havíeis de alegrar-vos por Eu ir para o Pai, pois o Pai é mais do que Eu. »

    http://www.paroquias.org/biblia/index.php?c=Jo+14,28
    ============================================================

    «Meu Deus e vosso Deus, meu Pai e vosso Pai» (João 20,17)

    http://www.paroquias.org/biblia/index.php?c=Jo+20,17

    ResponderExcluir
  3. Em latim:
    (João 14,28). «Audistis quia ego dixi vobis: Vado et venio ad vos. Si diligeretis me, gauderetis quia vado ad Patrem, quia Pater maior me est. »

    http://www.bibliacatolica.com.br/10/50/14.php

    Tradução Católica Avé Maria:

    (João 14,28). «Ouvistes que eu vos disse: Vou e volto a vós. Se me amardes, certamente haveis de alegrar-vos, que vou para junto do Pai, porque o Pai é maior do que eu.

    »http://www.bibliacatolica.com.br/01/50/14.php

    Veja aí também o texto grego: (mas prepare o computador para as fontes gregas)

    http://www.bibliacatolica.com.br/11/50/14.php

    http://www.luteranos.com.br/downloads_biblia/biblia%20grego.zip

    ResponderExcluir

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.