22 de fev de 2009

Liturgia Diária!!!

Domingo, dia 22 de Fevereiro de 2009
7º Domingo do Tempo Comum - Ano B

Sétimo Domingo do Tempo Comum (semana II do saltério)
Cadeira de São Pedro, Beato Diogo Carvalho, presbítero, mártir, +1624



Comentário ao Evangelho do dia feito por
São João Crisóstomo : «Por que fala assim?»

Leituras

Is. 43,18-19.21-22.24-25.
«Não vos lembreis dos acontecimentos de outrora, não penseis mais no
passado,
pois vou realizar algo de novo, que já está a aparecer: não o notais? Vou
abrir um caminho no deserto, e fazer correr rios na estepe.
o povo que Eu formei para mim, e assim hão-de proclamar os meus louvores.»
«Mas tu, Jacob, não era a mim que invocavas, não era por mim que te
esforçavas, Israel.
Não me compravas canela com dinheiro nem me satisfazias com a gordura das
tuas vítimas, antes, me atormentavas com os teus pecados, e me cansavas com
as tuas iniquidades.
Eu, porém, é que apagava as tuas faltas, por mim, não me lembrava dos teus
pecados.


Salmos 41(40),2-3.4-5.13-14.
Feliz daquele que cuida do pobre; no dia da desgraça, o SENHOR o salvará.
O SENHOR o guardará e lhe dará vida e felicidade na terra; não o abandonará
à mercê dos seus inimigos.
O SENHOR o assistirá no leito do sofrimento; quando estiver de cama, o
restabelecerá da doença.
Eu disse: "SENHOR, tem compaixão de mim; cura me, embora tenha pecado
contra ti!"
Tu me ajudarás, porque vivo com sinceridade, e me farás viver sempre na tua
presença.
Bendito seja o SENHOR, Deus de Israel, desde agora e para sempre. Ámen!
Ámen!


2 Cor. 1,18-22.
Mas Deus é testemunha de que a nossa palavra dirigida a vós não é «sim» e
«não.»
Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, aquele que foi por nós anunciado entre
vós, por mim, por Silvano e por Timóteo, não foi um «sim» e um «não», mas
unicamente um «sim.»
Nele todas as promessas de Deus se tornaram «sim» e é por isso que, graças
a Ele, nós podemos dizer o «ámen» para glória de Deus.
Aquele que nos confirma juntamente convosco em Cristo e nos dá a unção é
Deus,
Ele que nos marcou com um selo e colocou em nossos corações o penhor do
Espírito.


Marcos 2,1-12.
Dias depois, tendo Jesus voltado a Cafarnaúm, ouviu-se dizer que estava em
casa.
Juntou-se tanta gente que nem mesmo à volta da porta havia lugar, e
anunciava-lhes a Palavra.
Vieram, então, trazer-lhe um paralítico, transportado por quatro homens.
Como não podiam aproximar-se por causa da multidão, descobriram o tecto no
sítio onde Ele estava, fizeram uma abertura e desceram o catre em que jazia
o paralítico.
Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: «Filho, os teus
pecados estão perdoados.»
Ora estavam lá sentados alguns doutores da Lei que discorriam em seus
corações:
«Porque fala este assim? Blasfema! Quem pode perdoar pecados senão Deus?»
Jesus percebeu logo, em seu íntimo, que eles assim discorriam; e
disse-lhes: «Porque discorreis assim em vossos corações?
Que é mais fácil? Dizer ao paralítico: 'Os teus pecados estão perdoados',
ou dizer: 'Levanta-te, pega no teu catre e anda'?
Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para
perdoar os pecados,
Eu te ordeno disse ao paralítico: levanta-te, pega no teu catre e vai para
tua casa.»
Ele levantou-se e, pegando logo no catre, saiu à vista de todos, de modo
que todos se maravilhavam e glorificavam a Deus, dizendo: «Nunca vimos
coisa assim!»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por

São João Crisóstomo (cerca de 345-407), presbítero em Antioquia e depois Bispo de Constantinopla, Doutor da Igreja
Homilias sobre São Mateus, n° 29

«Por que fala assim?»

Os doutores da Lei diziam: «Blasfema! Quem pode perdoar pecados senão
Deus?» Qual é a resposta do Salvador? Terá desaprovado o que diziam? Se Ele
não fosse igual a Deus, deveria ter-lhes dito: «Por que me atribuís uma tal
pretensão?» [...] Mas não disse nada disso; pelo contrário, confirmou esta
afirmação dos seus inimigos. Dar testemunho de si mesmo levanta suspeitas;
é melhor que a verdade seja apoiada por outros, que não apenas os seus
amigos, mas é ainda melhor se o for pelos seus inimigos. [...] O nosso
Mestre tinha demonstrado a Sua força junto dos Seus amigos quando dissera
ao leproso: «Quero, fica purificado» (Mc 1,41) e ao centurião: «Não
encontrei ninguém em Israel com tão grande fé!» (Mt 8,10). Agora, faz com
que sejam os seus inimigos a testemunhar [...].

Mas há aqui, ainda, um outro testemunho da divindade de Jesus Cristo, do
facto de Ele ser igual ao Pai. Não somente porque apenas Deus pode perdoar
os pecados, mas ainda porque só Ele pode penetrar os pensamentos secretos
dos corações. Aqui está escrito: «Jesus percebeu logo, em seu íntimo, que
eles assim discorriam; e disse-lhes: «Por que discorreis assim em vossos
corações?»» O profeta escreve: «Só Tu conheces o coração dos homens» (2Cr
6,30); «Tu, que perscrutas o íntimo dos corações» (Sl 7,10) [...]; «o homem
vê as aparências, mas o Senhor olha o coração» (1Sm 16,7). Ao mesmo tempo,
Cristo dá uma nova prova da sua ternura: «Por que discorreis [o mal] nos
vossos corações?» [...]

«Que vos parece mais fácil: curar um corpo enfermo ou perdoar os pecados de
uma alma? A alma é mais elevada; as suas doenças são mais difíceis de
curar. Mas, como essa cura é invisível, farei, sob os vossos olhos, uma
cura visível, embora menos importante» [...]. Assim, Jesus faz levantar o
paralítico e manda-o voltar para casa [...]. Parece dizer-lhe: «Através
daquilo que te aconteceu, Eu gostaria de curar estas pessoas, que parecem
de boa saúde, mas que, na realidade, têm a alma doente. Mas, visto que não
querem, vai tu para tua casa; pelo menos lá, a tua cura dará frutos.»




Gerir directamente o seu abono (ou a sua subscrição) neste endereço : www.evangelhoquotidiano.org


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.