13 de jun de 2009

Liturgia Diária!!!

Sabado, dia 13 de Junho de 2009
Santo António de Lisboa, presbítero e doutor - festa

Santo António de Lisboa
Santo António de Lisboa, presbítero, Doutor da Igreja, +1231



Comentário ao Evangelho do dia feito por
Orígenes : «Não penseis que vim revogar a lei [...]; não vim revogá-la, mas completá-la» (Mt 5, 17)

Leituras

2 Cor. 5,14-21.
Sim, o amor de Cristo nos absorve completamente, ao pensar que um só morreu
por todos e, portanto, todos morreram.
Ele morreu por todos, a fim de que, os que vivem, não vivam mais para si
mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.
Por conseguinte, de agora em diante, não conhecemos ninguém à maneira
humana. Ainda que tenhamos conhecido a Cristo desse modo, agora já não o
conhecemos assim.
Por isso, se alguém está em Cristo, é uma nova criação. O que era antigo
passou; eis que surgiram coisas novas.
Tudo isto vem de Deus, que nos reconciliou consigo por meio de Cristo e nos
confiou o ministério da reconciliação.
Pois foi Deus quem reconciliou o mundo consigo, em Cristo, não imputando
aos homens os seus pecados, e pondo em nós a palavra da reconciliação.
É em nome de Cristo, portanto, que exercemos as funções de embaixadores e é
Deus quem, por nosso intermédio, vos exorta. Em nome de Cristo
suplicamo-vos: reconciliai-vos com Deus.
Aquele que não havia conhecido o pecado, Deus o fez pecado por nós, para
que nos tornássemos, nele, justiça de Deus.


Salmos 103(102),1-2.3-4.8-9.11-12.
Bendiz, ó minha alma, o SENHOR, e todo o meu ser louve o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o SENHOR, e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
Ele quem perdoa as tuas culpas e cura todas as tuas enfermidades.
Ele quem resgata a tua vida do túmulo e te enche de graça e de ternura.
SENHOR é misericordioso e compassivo, é paciente e cheio de amor.
Não está sempre a repreender-nos, nem a sua ira dura para sempre.
Como é grande a distância dos céus à terra, assim são grandes os seus
favores para os que o temem.
Como o Oriente está afastado do Ocidente, assim Ele afasta de nós os nossos
pecados.


Mateus 5,33-37.
«Do mesmo modo, ouvistes o que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas
cumprirás diante do Senhor os teus juramentos.
Eu, porém, digo-vos: Não jureis de maneira nenhuma: nem pelo Céu, que é o
trono de Deus,
nem pela Terra, que é o estrado dos seus pés, nem por Jerusalém, que é a
cidade do grande Rei.
Não jures pela tua cabeça, porque não tens poder de tornar um só dos teus
cabelos branco ou preto.
Seja este o vosso modo de falar: Sim, sim; não, não. Tudo o que for além
disto procede do espírito do mal.»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por

Orígenes (c. 185-253), presbítero e teólogo
Homilias sobre os Números, nº 9, 4 (trad. SC 415, p. 239 rev.)

«Não penseis que vim revogar a lei [...]; não vim revogá-la, mas completá-la» (Mt 5, 17)

Desejo recordar aos discípulos de Cristo a bondade de Deus; que nenhum de
vós se deixe abalar pelos hereges que, em controvérsia, afirmam que o Deus
da Lei não é bom, mas justo, e que a Lei de Moisés não ensina a bondade,
mas a justiça. Eles que observem, esses detractores de Deus e da Lei, como
o próprio Moisés e Aarão cumpriram antecipadamente aquilo que o Evangelho
depois ensinou. Vede como Moisés ama os seus inimigos e ora por aqueles que
o perseguem (Mt 5, 44) [...]; vede como, «prostrando-se com o rosto em
terra», oram ambos por aqueles que se tinham rebelado e pretendiam matá-los
(Nm 17, 10ss.). Deste modo, encontramos o Evangelho em potência na Lei, e
temos de compreender que os Evangelhos se apoiam no fundamento da Lei.Por mim, não dou o nome de Antigo Testamento à Lei, quando a
considero em termos espirituais; a Lei só é um «Testamento Antigo» para
aqueles que não desejam compreender o seu espírito. Para esses, a Lei
tornou-se obrigatoriamente «antiga», envelheceu, porque perdeu a sua força.
Para nós, porém, que a compreendemos e a explicamos em espírito e em
conformidade com o Evangelho, a Lei permanece nova; para nós, os dois
Testamentos são um novo Testamento, não pela data, mas pela novidade do
sentido.E não é certo que o Apóstolo João é do mesmo parecer,
quando afirma na sua epístola: Caríssimos, dou-vos um mandamento novo, que
vos ameis uns aos outros (4, 7; Jo 13, 34)? Bem sabia ele que o preceito do
amor se encontrava, desde há muito, na Lei (1Jo 2, 7ss.; Lev 19, 18). Mas,
como «a caridade nunca acabará» (1Cor 13, 8), [...] afirma a eterna
novidade deste preceito que não envelhece. [...] Para o pecador, e para
aqueles que não observam o pacto da caridade, até os Evangelhos envelhecem;
não pode haver um Novo Testamento para aquele que não se despoja do homem
velho e não se reveste do homem novo, criado segundo Deus (Ef 4, 22-24).




Gerir directamente o seu abono (ou a sua subscrição) neste endereço : www.evangelhoquotidiano.org


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.