27 de nov de 2009

Informativo Cléofas - 26/11/2009



Informativo Cléofas, 26 de Novembro de 2009 - Ano IV - Número 144

Notícias do Programa Escola da Fé

+ Nesta quinta-feira (26/11/2009), o programa Escola da Fé não será exibido ao vivo como de costume pois o Prof. Felipe Aquino continua em sua viajem pela Canção Nova, com isso, o programa exibido será uma reprise.

+ leia mais sobre a programação da Tv Canção Nova

O programa Escola da Fé, é exibido toda a quinta-feira às 20h40 na TV Canção Nova (Link)


ESCOLA DE EVANGELIZAÇÃO COMUNIDADE PALAVRA VIVA

Totalmente gratuita onde o aluno selecionado mora um ano na Escola, recebendo moradia e alimentação, e excelente formação humana e religiosa.

Inscrições para o ano letivo de 2010

De 05 de novembro a 22 de dezembro de 2009

E-mail: escola@palavraviva.com

Telefones:

(38) 8426-2166 falar com Alice
(38) 8426-5521 falar com Solange
(38) 9128-9339 falar com Maria Therezar

Site: www.palavraviva.com


Blog do Prof. Felipe

A Igreja proibiu a leitura da Bíblia?

A Igreja sempre estimou a Sagrada Escritura, juntamente com a Tradição apostólica, como fonte de fé. A leitura pública da Bíblia sempre foi usada na celebração dos Sacramentos; e, de modo especial na Eucaristia.

Aconteceu, porém, que algumas circunstâncias da história levaram algumas vezes as autoridades eclesiásticas a vigiar sobre o uso da Bíblia, especialmente na Idade Média.

A heresia dos Cátaros ou Albigenses, que, abusavam da Bíblia, obrigou os Padres dos concílios regionais de Tolosa (1229) e Tarragona (1234) a proibir provisoriamente aos cristãos leigos a leitura da Bíblia, para não serem enganados.

O Por causa dos erros de J. Wicleff, o sínodo regional de Oxford (1408) proibiu as edições da S. Escritura que não tivessem aprovação eclesiástica porque os hereges deturpavam o texto sagrado. (...)

Leia mais


Livro da Semana

O Glorioso São José

O Papa Pio IX proclamou, em 8 de dezembro de 1870, São José Patrono universal da Igreja, colocando-o sob o seu patrocínio e proteção, naqueles tempos difíceis. Hoje a Igreja atravessa novamente tempos agitados, onde um laicismo anti-católico a ameaça de todos os lados, tentando-a excluir da vida pública e amordaçá-la para que não anuncie a mensagem salvadora de Nosso Senhor Jesus Cristo. As trevas do pecado e da morte, agitadas pelo Inferno, investem contra ela. Mais do que nunca precisamos recorrer a São José; pois, assim como ele soube livrar o Menino Jesus, Cabeça da Igreja, das garras assassinas de Herodes, saberá também proteger o Corpo de Cristo, a Sua Esposa Santa, das perseguições que hoje ela sofre. Precisamos conhecer a vida, as virtudes, a glória e os méritos do glorioso São José; e nos refugiarmos sob a sua poderosa proteção. Como os grandes santos da Igreja é preciso rogar: São José, valei-nos!

 

Texto da orelha do livro:

Assim como Deus escolheu a Virgem Santíssima para Mãe do Seu Filho encarnado, da mesma forma escolheu São José, o mais santo dos varões, para ser o pai adotivo do Menino Deus; isto é, ele fez o papel de representante do próprio Pai celeste na vida de Jesus. Basta isso para se perceber a grandeza e a santidade desse Homem especial que Deus escolheu para guarda dos seus maiores tesouros neste mundo: Jesus e Maria.

E porque São José cumpriu fielmente sua missão de pai adotivo, nutrício, de Jesus, hoje no Céu contempla a glória de Deus, intercedendo por nós. Os grandes Padres da Igreja, bem como Santa Teresa de Ávila, são unânimes em afirmar que diante de Deus ele consegue todas as graças que solicita em nosso favor.

Por isso, é fundamental que todo católico conheça a vida e as virtudes do glorioso Patrono universal da Igreja, e possa ser-lhe fiel devoto. Este livro vai ajudá-lo a amar mais ainda a São José e ser-lhe fervoroso devoto.


Ficha Técnica
Editora: Cléofas
ISBN: 978-85-88158-41-2
Ano: 2008
Edição: 01
Número de páginas: 200
Idioma: Português (BR)
Acabamento: Brochura
Formato: 14x21 cm


+ comprar


* Caso não deseje mais receber a newsletter, entre em contato e escolha o assunto "Newsletter - REMOVER"
** Veja nossas regras para a newsletter aqui.
Lançamento



O Socorro de Deus

14x21 cm - 176 páginas


Shopping Cléofas



Jesus Sinal de Contradição

14x21 cm - 264 páginas



Sofrendo na Fé

14x21 cm - 200 páginas



© 2009 - Editora Cléofas




--

                     Atensiosamente,
      Alessandro Silva.
                    +

24 de nov de 2009

Pulseiras Coloridas ou Pulseiras do Sexo: ALERTA AOS PAIS

À primeira vista, uma colorida pulseira de plástico nos pulsos de crianças parece inocente. Mas na realidade elas são um código para as suas experiências sexuais, onde cada cor significa um grau de intimidade, desde um abraço até ao sexo propriamente dito.
Poderia confundir-se com mais uma daquelas modas que pega, uma vez que é usado por milhares em várias escolas primárias e preparatórias no Reino Unido e custam apenas uns centavos em qualquer banca ao virar da esquina.
Mas as diferentes cores das ditas pulseiras de plástico – preto, azul, vermelho, cor-de-rosa, roxo, laranja, amarelo, verde e dourado – mostra até que ponto os jovens estão dispostos a ir, se proporcionar, desde dar um beijo até fazer sexo.

Andam uns atrás dos outros nos recreios das escolas, na tentativa de rebentar uma das pulseiras. Quem a usava terá de “oferecer” o ato físico a que corresponde à cor. É o “último grito” do comportamento promíscuo que sugere, cada vez mais, que a inocência da infância pertence a um passado distante.
Quase tão chocante como as “festas arco-íris” – encontros com muito álcool e droga à mistura, em que as meninas usam batons de cores diferentes para deixar a “marca” nos rapazes após o sexo oral -, as “pulseiras do sexo”, que custam apenas um euro (um pacote com várias), têm um custo maior que foge ao alcance de muitos pais.

Significado das cores:
» Amarela – é a melhor porque significa das um abraço no rapaz;
» Laranja – significa uma “dentadinha do amor”;
» Roxa – já dá direito a um beijo com língua;
» Cor-de-rosa – a menina tem de lhe mostrar o peito;
» Vermelha – tem de lhe fazer uma lap dance;
» Azul – fazer sexo oral praticado pela menina;
» Verdes – são as dos chupões no pescoço;
» Preta – significa fazer sexo com o rapaz que arrebentar a pulseira;
» Dourada – fazer todos citados acima.

Símbolo de respeito
Como quase em tudo nestas idades, existe um estigma por detrás das pulseiras: quem não as usar é excluído e quem usar as cores preto e dourado é mais respeitado. “No meu grupo da escola, a líder – que serve de exemplo para todos – só usa pulseiras pretas e douradas. Todos os rapazes da minha turma usam pretas e se uma rapariga também usa, eles gostam todos dela”, conta a criança de 12 anos.
Shannel Johnson, de 32 anos, descobriu através da filha, de oito, o significado das pulseiras e admitiu ao The Sun que nunca suspeitaria do código subjacente. Quando a filha Harleigh lhe disse que se alguma rebentasse, tinha de fazer um “bebe com um rapaz”, Shannel teve uma conversa com a filha, chamando-a à realidade.
Esta mãe, preocupada, começou a pesquisar na Internet e descobriu sites onde se vendiam as pulseiras, grupos no Facebook e fóruns de menores a discutir quem usava que cores. Enquanto alguns pais já confiscaram as pulseiras, muitos continuam na ignorância do significado destes acessórios aparentemente da moda.

Preste muita atenção, estas pulseiras já chegaram ao Brasil!

Atualizado: 6 de novembro
Recebi muitos comentários dizendo que este post é mentira, mas não é! O problema é que essa moda se espelhou muito rapidamente no Brasil, mais rápido do que a notícia.
Artigo GazetaOnline 10/11/09Pulseiras do sexo: uma mania adolescente

Nota site Acores:
Foi o jornal Inglês The Sun que trouxe o assunto para a discussão ao publicar um artigo em que afirmava que nas escolas inglesas os adolescente usam pulseiras coloridas para trocar entre si mensagens de teor sexual.
Essas pulseiras que foram muito usadas nos anos 80, feitas à base de silicone, custam apenas uns cêntimos e existem em variadas cores.
Segundo o jornal inglês, os adolescentes teriam então inventado vários jogos com as respectivas pulseiras, cujo objectivo é sempre o mesmo: ao rebentar uma pulseira duma determinada cor, o rapaz terá direito a reclamar o comportamento sexual da menina, que pode ir desde um abraço ou beijo até a uma relação sexual.
Note-se que não se trata de nenhum tipo de violência, mas de um jogo que é aceito por ambas as partes. Este aspecto é muito importante e confundiu por completo os adultos, pois que para além do jogo em si, muitas adolescentes usam as ditas pulseiras apenas como objectos decorativos.

COMUNICADO URGENTE!

COMUNICADO de Rozangela Justino À SOCIEDADE BRASILEIRA:

Informo à sociedade brasileira que não mais atenderei as pessoas que desejam deixar a homossexualidade. Embora desenvolva este trabalho desde 1988, tanto em meu consultório quanto em instituiçõem instituições de apoio, reconheço que não devo ignorar a Resolução nº 01/99 do Conselho Federal de Psicologia, ainda que a OMS-Organização Mundial da Saúde -, através da sua publicação oficial, CID 10, deixe claro que é possível procurar apoio terapêutico para mudança da orientação sexual homossexual em caso desta ser egodistônica, ou seja, quando a homossexualidade, fora de sintonia com o próprio eu, leva a pessoa a um estado de sofrimento psíquico. O transexualismo e o travestismo também são considerados transtornos de identidade sexual, além do transtorno de identidade sexual na infância, onde o pai ou responsável pode procurar tratamento, segundo a CID 10, que pode ser encontrada em qualquer livraria e também baixada através da internet. Trabalho de acordo com as orientações da OMS e também de conformidade com as correntes teóricas das escolas da psicologia; entretanto, de acordo com a Resolução 01/99, nenhum psicólogo pode ajudar as pessoas que voluntariamente procuram apoio para superar os transtornos psíquicos ligados à atração pelo mesmo sexo. Diante disso, decidi interromper o atendimento às pessoas que pretendem superar os pensamentos, desejos e comportamentos homossexuais, enquanto a Resolução 01/99 estiver vigente.

Ressalto que tenho sido perseguida por muitos ativistas gays e punida pelo Conselho Federal de Psicologia exatamente por ajudar aqueles que desejam abandonar a homossexualidade. Além disso, tenho recebido diversas ameaças de morte. Certamente, já comuniquei às autoridades a respeito de tais ameaças. Contudo, alguns militantes homossexuais estão decididos a fazer com que o CFP cace o meu registro profissional e impeça que eu continue exercendo a profissão de psicóloga, a qual eu tanto amo. Nesse contexto, informo a todos que as circunstâncias obrigam a minha decisão de não mais auxiliar aqueles que voluntariamente buscam um modo diferente de pensar, sentir e vivenciar a sexualidade. Apesar disso, deixo claro que não estou conformada com essa situação. De fato, tenho lutado para mudar tudo isso, de modo que as pessoas tenham o direito de ser quem elas quiserem e de viverem a sexualidade de acordo com o que elas mesmas decidirem, e é inegável que muitas não desejam se conformar com a sua condição homossexual. Afinal, está provado, até então, que ninguém nasce gay, e ainda que seja encontrada comprovação genética para a homossexualidade é inegável a procura de auxílio por parte de muitas pessoas para efetivar as mudanças que elas mesmas desejam em suas vidas e deveriam ter profissionais para apoiá-las e o direito de apoiar e ser apoiado, garantidos.

[Continue lendo]

Estou lutando para mudar essa situação, mas não conseguirei suportar as ameaças e agressões dos ativistas gays nem serei capaz de enfrentar as decisões dos Conselho Federal de Psicologia sem a ajuda daqueles que também não se conformam com tudo o que está acontecendo. Estou gradativamente encerrando as minhas atividades no Consultório e desde a minha punição junto ao CFP não mais recebo pacientes novos, a não ser para algumas sessões de EMDR, somente para os indicados por pessoas da minha relação pessoal que insistirem em realizar este procedimento comigo. É com grande tristeza que compartilho esta decisão muito pensada, pois apoiar pessoas desconhecidas está sendo um fator de risco para mim, especialmente no consultório. Reafirmo que não estou conformada e continuarei lutando, se você estiver participando comigo desta luta, pois me encontro amordaçada, mas você não - o meu processo está sendo julgado na justiça. Você poderá fazer com que o direito de apoiar e ser apoiado seja garantido pela sociedade e poder público. Continue atento a esta mensagem.

A SITUAÇÃO TENDE A PIORAR SE O PLC 122/2006 for aprovado, além de outras propostas legislativas pró-homossexualismo. Infelizmente, ativistas gays estarão na próxima semana no SENADO FEDERAL (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa) para julgar o PLC 122/2006, já aprovado na semana passada na Comissão de Assuntos Sociais, numa sessão extra que surpreendeu a todos. Estão apressando a aprovação deste PLC ainda este ano no Senado e na Câmara para onde retornará. Sensibilizaram os Senadores da casa e os cristãos que Deus ainda não abriu o entendimento acerca dos perigos deste PLC, ainda que tenham incluído idosos, religiosos, portadores de necessidades especiais, ... Na Constituição Federal os direitos dos religiosos, por exemplo, já estão inclusos e não é respeitado. Na atualidade o politicamente correto é o apoio somente às religiões Afros, além do movimento gay. É só uma questão de tempo para que eles dominem e nenhum outro direito seja respeitado, nem o dos religiosos, nem o dos portadores de necessidades, especiais, idosos, religiosos ou qualquer outro. Quanto aos cristãos católicos e evangélicos, com a aprovação deste PLC, serão os mais perseguidos; os profissionais que professarem a fé cristã estarão desqualificados e ameaçados, como eu, ainda que em meu processo há razões jurídicas para a sua anulação e científicas para realizar o trabalho de apoio a pessoas que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade.

Diante do exposto, sou totalmente contra qualquer Projeto de Lei de ação afirmativa do movimento gay e de lésbicas, ainda que incluam neles dispositivos de medidas protetivas para idosos, portadores de necessidades especiais, negros, religiosos e outros, simplesmente pelo fato de ELES NÃO SEREM PARA DEFENDER OS DIREITOS destes e nem mesmo das pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo, e muito menos para garantir o direito daquelas que desejam abandonar o comportamento homossexual. Se num Projeto de Lei do idoso, como o da pesca que a bancada evangélica e católica derrotou há alguns meses, estiver inclusas palavras tais como ORIENTAÇÃO SEXUAL, IDENTIDADE DE GÊNERO, LIVRE EXPRESSÂO DA ORIENTAÇÃO SEXUAL e outras, inventadas pelos ativistas do movimento de gays e lésbicas ou de interesses deles, saibam que estão a serviço de interesses internacionais com finalidades políticas e econômicas. Precisamos de reunir documentos que tenham credibilidade jurídica para alicerçar a pressão que precisamos fazer no Congresso Nacional para a instauração da CPI destes movimentos sociais, como também a dos Conselhos de Psicologia. Quem tiver tais documentos faça contato comigo. Portanto, não sejamos ingênuos! Querem amordaçar todo o cidadão brasileiro que tiver opinião diferente da do movimento homossexual - os que pensam diferente receberão o CARIMBO de discriminadores, preconceituosos, homofóbicos e outros adjetivos para desqualificá-los.

Recomendo os 7 (sete) passos a seguir:

1º) FALE COM OS SENADORES através do AlÔ SENADO: 0800612211 para votarem “NÃO” no PLC 122/2006. Envie também seu e-mail. Se você participar de alguma ONG, for líder de igrejas, diga para os parlamentares quantos você representa em sua associação. Ao telefonar para o 0800 61 22 11 peça para os Senadores da Comissão de Direitos Humanos dizerem “NÃO” ao PLC 122/2006, incluindo os Senadores do seu Estado. Denuncie a enquete do PLC 122/2006, onde a pessoa limpando o histórico do seu computador consegue votar várias vezes. Eles já estão dizendo que nós estamos adulterando a enquete e na verdade o próprio Senado criou esta enquete que parece não ser séria, pois já deu vários problemas e já emitiram um resultado da pesquisa adulterado. Portanto, denuncie-a através do site do Senado e cesse as votações. Se você puder estar no Senado na semana que vem e participar desta audiência pública e levar faixas de protesto ao PLC 122/2006 será ótimo, mas seja discreto, silencioso e não cause tumulto no Senado Federal. Possivelmente esta votação será na terça-feira. E-mails dos Senadores, abaixo;

2º) FALE COM OS DEPUTADOS do seu Estado e os Federais pedindo a intervenção deles. A CÂMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS fica próxima ao SENADO. Peça ao seu Deputado para participar da audiência na Comissão de Direitos Humanos do Senado e dizer “NÃO” ao PLC 122/2006, ainda que pareça “bom aos olhos”. Disque Câmara: 0800 619 619. Entre no site da Câmara e envie uma mensagem para o seu Deputado: http://www2.camara.gov.br/canalinteracao/faledeputado Clique em SOLICITE; no espaço para o DESTINATÁRIO DA MENSAGEM. No final do rolamento, selecione TODOS – se retiraram esta opção, você pode enviar e-mail para o(s) seu(s) Deputado(s);

3º) FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA e CATÓLICA: tenho alguns e-mails de católicos e de toda a evangélica – veja abaixo. A grande verdade é que os Deputados evangélicos, de forma geral, infelizmente, pouco se mobilizam para estas questões, com raras exceções. As eleições estão às portas. Queremos saber se eles estarão nos representando de verdade no Congresso Nacional ou se precisaremos eleger outros representantes. Telefone para os do seu Estado. A Senadora Marina quer se candidatar a Presidência da República – ela precisa se posicionar, pois ainda não sabemos se podemos contar com a firmeza dela quanto a este tema;

4º) CONSELHOS DE PSICOLOGIA: escreva cartas para os Conselhos Regionais e Federal de Psicologia e peça para os Conselheiros anularem a RESOLUÇÃO 01/99. Envie cópia da sua carta para a Caixa Postal 106.075 – Niterói, RJ CEP 24.230-970 aos meus cuidados ou para todos os e-mails ao mesmo tempo: rjustino@urbi.com.br; rozangelajustino@abraceh.org.br; rozangelalvesjustino@ig.com.br; rozangelajustino@gmail.com

Os e-mails dos Conselhos de Psicologia estão no final desta mensagem;

5º) Manifeste o seu apoio ao Decreto Legislativo número PDC 1640/2009, que o Dep. Paes de Lira – PTC-SP apresentou na Câmara dos Deputados Federais, para que sejam sustados os parágrafos 3º e o 4º da Resolução nº 01/99. Siga as orientações acima para falar com os Deputados. Aproveite para agradecer ao nobre Deputado esta iniciativa em prol da pessoa que se encontra em estado de sofrimento psíquico e deseja deixar a homossexualidade. O e-mail do Deputado Paes de Lira é: dep.paesdelira@camara.gov.br ;

6º) Encoraje psicólogos a se candidatarem nas próximas eleições em seus respectivos Conselhos Profissionais para anularem a Resolução nº 01/99, do CFP, e não deixarem os que estão no poder trabalharem contra a psicologia, em prol do politicamente correto, pois existem muitas teorias e técnicas psicológicas que verdadeiramente estão a serviço do apoio ao ser humano para que ele tenha melhor qualidade de vida; da mesma forma os Assistentes Sociais pró-vida e família precisam se candidatar às eleições em seus Conselhos, pois têm Resolução semelhante;

7º) Procure o Ministério Público Federal da sua cidade, setor de interesse do cidadão. Ele é pago pelos cofres públicos para ser o seu Procurador e irá recebê-lo. Diga-lhe que você deseja apoio para deixar a condição homossexual ou para seu familiar, mas que a Resolução 01/99 do CFP impede profissionais da Psicologia de apoiá-lo para efetivar as mudanças que você deseja. Peça a intervenção do Ministério Público Federal, que é o FISCAL DA LEI para a garantia do seu direito.

OS E-MAILS ESTÃO ABAIXO – mãos à obra! Exerça a sua cidadania, divulgue amplamente esta mensagem e que Deus nos abençoe a todos, em nome de JESUS!

Rozangela Justino http://rozangelajustino.blogspot.com

RELAÇÃO DOS E-MAILS - envie as mensagens em blocos e não para todos ao mesmo tempo, para ficar mais garantida a chegada delas:

A) FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA:

frenteparlamentarevangelica@gmail.com; dep.dr.adilsonsoares@camara.gov.br; dep.andreiazito@camara.gov.br; dep.antoniobulhoes@camara.gov.br; dep.antoniocruz@camara.gov.br; dep.aroldeoliveira@camara.gov.br; dep.bispogetenuta@camara.gov.br; dep.carloswillian@camara.gov.br; dep.cleberverde@camara.gov.br; dep.davialvessilvajunior@camara.gov.br; dep.dr.nechar@camara.gov.br; dep.eduardocunha@camara.gov.br; dep.fatimapelaes@camara.gov.br; dep.filipepereira@camara.gov.br; dep.flaviobezerra@camara.gov.br;

dep.chicoabreu@camara.gov.br; dep.franciscorossi@camara.gov.br; dep.georgehilton@camara.gov.br; dep.geraldopudim@camara.gov.br; dep.gilmarmachado@camara.gov.br; dep.henriqueafonso@camara.gov.br; dep.takayama@camara.gov.br; dep.irisdearaujo@camara.gov.br; dep.joaocampos@camara.gov.br; dep.joaooliveira@camara.gov.br; dep.jurandyloureiro@camara.gov.br; dep.leonardoquintao@camara.gov.br; dep.lincolnportela@camara.gov.br; dep.lindomargarçom@camara.gov.br; dep.manato@camara.gov.br;

dep.pastormanoelferreira@camara.gov.br; dep.marcosantonio@camara.gov.br; dep.mariodeoliveira@camara.gov.br; dep.natandonadon@camara.gov.br; dep.neiltonmulin@camara.gov.br; dep.neucimarfraga@camara.gov.br; dep.onyxlorenzoni@camara.gov.br; dep.pauloroberto@camara.gov.br; dep.rodovalho@camara.gov.br; dep.sabinocastelobranco@camara.gov.br; dep.silascamara@camara.gov.br; dep.walterpinheiro@camara.gov.br;

andrezacharow@camara.gov.br; dep.antoniocarloschamariz@camara.gov.br; dep.manato@camara.gov.br; dep.cleberverde@camara.gov.br; dep.elizeuaguiar@camara.gov.br; dep.majorfabio@camara.gov.br; dep.bispogetenuta@camara.gov.br; dep.leovivas@camara.gov.br; dep.jeffersoncampos@camara.gov.br; jorgetadeumudalen@camara.gov.br; dep.zequinhamarinho@camara.gov.br; dep.zevieira@camara.gov.br; dep.capitaoassumcao@camara.gov.br; dep.marciomarinho@camara.gov.br; dep.sabinocastelobranco@camara.gov.br; dep.ricardoquirino@camara.gov.br; dep.dr.nechar@camara.gov.br; dep.sergiobrito@camara.gov.br; dep.silasbrasileiro@camara.gov.br; pastorpedroribeiro@hotmail.com

Senadores evangélicos e Deputados Católicos:

magnomalta@senador.gov.br; marinasi@senado.gov.br; crivella@senador.gov.br;

dep.miguelmartini@camara.gov.br; dep.paesdelira@camara.gov.br; dep.leandrosampaio@camara.gov.br; dep.drtalmir@camara.gov.br

B) E-MAILS DE TODOS OS SENADORES:

adelmir.santana@senador.gov.br; acmjr@senador.gov.br; demostenes.torres@senador.gov.br; efraim.morais@senador.gov.br; eliseuresende@senador.gov.br; gilberto.goellner@senador.gov.br; heraclito.fortes@senador.gov.br; jayme.campos@senador.gov.br; jose.agripino@senador.gov.br;
katia.abreu@senadora.gov.br; marco.maciel@senador.gov.br; maria.carmo@senadora.gov.br; raimundocolombo@senador.gov.br; rosalba.ciarlini@senadora.gov.br; inacioarruda@senador.gov.br; almeida.lima@senador.gov.br; garibaldi.alves@senador.gov.br; geraldo.mesquita@senador.gov.br; gecamata@senador.gov.br;

gilvamborges@senador.gov.br; jarbas.vasconcelos@senador.gov.br; sarney@senador.gov.br; leomar@senador.gov.br; lobaofilho@senador.gov.br; maosanta@senador.gov.br; neutodeconto@senador.gov.br; paulo.duque@senador.gov.br; simon@senador.gov.br; renan.calheiros@senador.gov.br;
romero.juca@senador.gov.br; valdir.raupp@senador.gov.br; valterpereira@senador.gov.br; wellington.salgado@senador.gov.br; francisco.dornelles@senador.gov.br; cesarborges@senador.gov.br; expedito.junior@senador.gov.br; joaoribeiro@senador.gov.br; magnomalta@senador.gov.br; crivella@senador.gov.br;

robertocavalcanti@senador.gov.br; antval@senador.gov.br; renatoc@senador.gov.br; alvarodias@senador.gov.br; arthur.virgilio@senador.gov.br; cicero.lucena@senador.gov.br; eduardo.azeredo@senador.gov.br; flexaribeiro@senador.gov.br; jtenorio@senador.gov.br; lucia.vania@senadora.gov.br;
marconi.perillo@senador.gov.br; mario.couto@senador.gov.br; marisa.serrano@senadora.gov.br; papaleo@senador.gov.br; sergio.guerra@senador.gov.br; tasso.jereissati@senador.gov.br; josenery@senador.gov.br;

mercadante@senador.gov.br; augusto.botelho@senador.gov.br; delcidio.amaral@senador.gov.br; eduardo.suplicy@senador.gov.br; fatima.cleide@senadora.gov.br; flavioarns@senador.gov.br; ideli.salvatti@senadora.gov.br; joaopedro@senador.gov.br; marinasi@senado.gov.br; paulopaim@senador.gov.br; serys@senadora.gov.br; tiao.viana@senador.gov.br; ecafeteira@senador.gov.br; fernando.collor@senador.gov.br; gim.argello@senador.gov.br; j.v.claudino@senador.gov.br; mozarildo@senador.gov.br; romeu.tuma@senador.gov.br; zambiasi@senador.gov.br;

C) E-MAILS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE PSICOLOGIA:

federal@pol.org.br; cotec4@bol.org.br; gerenciageral@bol.org.br; crp-01@crp-01.org.br; atendimento@crp-01.org.br; crpacre01@brturbo.com.br; crpmanaus@vivax.com.br; crp01ro@brturbo.com.br; crp01rr@technet.com.br;
crppe@crppe.org.br; crp03@crp03.org.br; crp04@crp04.org.br; etec@crp04.org.br; leste@crp04.org.br; norte@crp04.org.br; sudeste@crp04.org.br; sul@crp04.org.br; uberlandia@crp04.org.br; crprj@crprj.org.br; subsedeni@crprj.org.br; subsedeniteroi@crprj.org.br; subsedepetropolis@crprj.org.br;

info@crpsp.org.br; assis@crpsp.org.br; baixada@crpsp.org.br; bauru@crpsp.org.br; campinas@crpsp.org.br; abc@crpsp.org.br; ribeirao@crpsp.org.br; sjrpreto@crpsp.org.br; crprs@crprs.org.br; admin@crppr.org.br; crp08@crppr.org.br; crplondrina@crppr.org.br; crpmaringa@crppr.org.br; crpumuarama@uol.com.br; crpcascavel@crppr.org.br; marabaran@terra.com.br; glauciawarken@hotmail.com; daysebortoli@hotmail.com; egleidemelo@hotmail.com;

trmansano@yahoo.com.br; cecilia.fantin@uol.com.br; gcrrpsico@hotmail.com; gcrpsico@wln.com.br; mlaidane@ufpg.org.br; luciapwolf@gmail.com; sezineide@ibest.com.br; sezineide@yahoo.com.br; soniabls@yahoo.com.br; nuci_oliveira@yahoo.com.br; karin.bruck@gmail.com; ccaba_psi@hotmail.com; betiulrich@hotmail.com; pogogeslki@uol.com.br; cranckel@yahoo.com.br;

secretaria08@crppr.org.br; diretoria08@crppr.org.br; cof08@crppr.org.br; comunicacao08@crppr.org.br; gerencia@crppr.org.br; admin@crppr.org.br; renego@crppr.org.br; cadastro@crppr.org.br; cadastro1@crppr.org.br; comissoes08@crppr.org.br; politicaspublicas08@crppr.org.br; crepop@crppr.org.br; crp09dir@terra.com.br; administração@crp09.org.br; crp09dir@terra.com.br; secaoto@crp09.org.br;

atendimento@crp10.org.br; crp11@crp11.org.br; adm@crpsc.org.br; secretaria@crp11.org.br; cobranca@crp11.org.br; cof@crp11.org.br; coe@crp11.org.br; contabilidade@crp11.org.br; ma@crp11.org.br; pi@crp11.org.br; cdh@crp11.org.br; adm@crpsc.org.br; secretaria@crpsc.org.br; financeiro@crpsc.org.br; cate@crpsc.org.br; projetos@crpsc.org.br; cof@crpsc.org.br; crp13@uol.com.br; crp14@terra.com.br; crp15@crp15.org.br; crp16@crp16.org.br; crprn@crprn.org.br

23 de nov de 2009

Ateu defende a religião

Assinala dívida da civilização com as religiões

Por Pe. John Flynn, L.C.

ROMA, domingo, 22 de novembro de 2009 (ZENIT.org). De acordo com o ateu Richard Wawkins, a Igreja Católica é, no mundo, uma das maiores forças do mal. Esta é apenas a mais recente das muitas observações feitas por ele contra a religião e contra Deus.

Seus comentários foram publicados no dia 23 de outubro, na seção de religião do site ‘Washington Post’, quando foi convidado para comentar a entrada de anglicanos na Igreja Católica.

A polêmica sobre a religião, devido à enxurrada de livros publicados sobre o assunto e diversos comentários feitos nos últimos anos, continua a fluir livremente. Um recente debate em Londres, intitulado "A Igreja Católica é uma força para o bem no mundo", atraiu mais de 2.000 pessoas, de acordo com o relato de Catholic Herald, no dia 23 de outubro.

Stephen Fry e Christopher Hitchens, que apontavam o lado negativo da Igreja, tiveram uma significativa vitória sobre seus adversários, Ann Widdecombe, um parlamentar do partido conservador e, Dom Onaiyekan, arcebispo de Abuja, na Nigéria. O resultado foi 1.876 votos contra 268.

Outro exemplo recente foi evidenciado em uma coluna australiana, onde Catherine DeVeny põe Deus no divã da psiquiatria e proclama: "Deus tem transtorno de personalidade narcisista".

No dia 2 de setembro, em artigo publicado pelo jornal The Age, DeVeny afirmou que Deus sofre de "sentimentos de grandiosidade", de uma obsessão "com fantasias de sucesso", junto a uma falta de empatia, que faz "se comportar de forma arrogante".

A ofensiva dos ateus deu origem a inúmeros livros a favor de Deus e da religião organizada. Uma reviravolta interessante no debate vem de um livro recém-publicado por alguém que não acredita em Deus, mas ainda assim defende a religião.

Sob uma ótica positiva

Na obra An Atheist Defends Religion: Why Humanity is Better Off with Religion Than Without It, (Um Ateu Defende a Religião: Por que a humanidade está em melhor situação com a religião do que sem ela - Alpha Books), Bruce Sheiman oferece uma nova perspectiva para a competição entre os crentes e ateus.

A "questão de Deus" não pode ser resolvida a contento das partes em conflito, afirma o autor. Sheiman chama a considerar o valor da própria religião. Ele não procura provar que Deus existe, mas defende a religião como uma instituição cultural.

Sheiman explica que, apesar de não ser uma pessoa de fé, não "pretende repudiar a Deus". Ele se descreve como um “aspirante a ateu", porque "a religião oferece uma combinação de benefícios psicológicos, emocionais, morais, comuns, existenciais, físicos e até mesmo à saúde que nenhuma outra instituição pode replicar."

Explica em sua introdução ao livro que a melhor maneira de julgar o caso de forma convincente para o ateísmo não é por argumentos que tentam como intuito provar a existência de Deus e sim demonstrar a contribuição duradoura da religião.

"A religião também pode trazer malefícios, mas as ações benéficas realizadas diariamente por bilhões de pessoas é a verdadeira história da religião, que acompanha o crescimento e a prosperidade da humanidade", conta Sheiman.

Um dos benefícios da religião é dar sentido à vida. De acordo com Sheiman, estamos conscientes de que vivemos em um mundo de grande poder e potencialidade, mas, em contraste com os animais que só vivem em uma relação utilitarista com o mundo, os seres humanos estão conscientes de que este mundo existe fora de nós mesmos.

O autor, em seguida, relata alguns exemplos de sociedades primitivas que procuravam dar sentido a suas vidas por meio da religião. Os mitos e rituais dos povos ajudaram a conectar a realidade mortal com o ‘eterno e espiritual’.

A ciência moderna, em muitos casos, exclui a religião a fim de explicar o mundo e o universo. Contudo, Sheiman aponta que nós podemos aceitar o que a ciência diz sobre o funcionamento do universo, porém, as constatações não implicam em nossas vidas.

Em outras palavras, a forma com que o mundo funciona não é a mesma que explica o porquê o mundo funciona.

Natureza Moral

Outra característica da região é no âmbito moral. É claro que as pessoas podem ter moral sem possuir religião. De acordo com o autor, entretanto, também é evidente é que a religião torna as pessoas boas. Na verdade, afirma Sheiman, os seres humanos apresentam um comportamento ético que vai muito além do poder explicativo.

Sheiman cita uma pesquisa que demonstra a forma com que a atividade religiosa está associada a uma maior interação social. Assim como a religião edifica a comunidade no âmbito moral.

Ele analisa esta questão entendendo que a ação moral é o caminho para a união com Deus e que temos uma espécie de contrato moral, praticando o ‘bem maior’.

A crença na bondade é intrínseca à todas as religiões, explica Sheiman. Os ateus muitas vezes não compreendem a moral religiosa, ele argumenta. Não é uma simples recompensa ou sistema de punição. "O mais cínico vê na religião uma obediência cega à autoridade moral e um sistema de controle opressivo comportamental", comentou.

Enquanto alguns adeptos religiosos exibem uma orientação autoritária, isso também pode ocorrer com muitas pessoas não-religiosas, conclui Sheiman. Para muitas pessoas, Deus é visto como um pai amoroso e dono de superioridade moral à qual os seres humanos aspiram, destacou.

Uma contribuição da religião para a sociedade é a noção cristã de que os seres humanos são feitos à imagem de Deus, explica Sheiman. Desde que os seres humanos estão destinados a compartilhar da natureza divina devem ser respeitados como filhos de Deus.

Tal visão leva a inúmeros atos de sacrifício e compaixão a cada dia, comenta. Fatos e estudos sociológicos demonstram que as pessoas religiosas têm mais carinho, compaixão e dão mais dinheiro para a caridade do que as não-religiosas. Esta prática não está restrita a uma religião em particular, ressalta o autor.

A religião também fornece uma base sólida para o comportamento moral através de uma adesão a valores absolutos. Em contrapartida, observa Sheiman, sem religião as pessoas podem ter moral. Contudo, os preceitos morais são feitos por um homem falível e não substancial, pois envolve opiniões pessoais ou mesmo interesse pessoal.

Isso leva a crer que nossas mentes acreditam em uma verdade relativa. Como humanos nós assinalamos que o imperativo moral não depende de Deus, então ele não é absoluto e permanece relativo.

A ciência por si só não pode levar a uma cultura moral, ele continua. "O certo e o errado não são explicados pela física ou biologia", afirma.

"A religião torna-se assim a mais importante fonte cultural e institucional dos princípios éticos, precisamente porque ela é considerada acima do capricho humano", acrescenta.

Progresso

Em outro capítulo do livro, Sheiman relata como a religião esteve detrás do progresso do mundo ocidental, nos caminhos da democracia, liberdade, ciência e tecnologia.

Ao longo do tempo, temos crescido como civilização em grande parte devido à religião, argumenta. Isto nos leva a concluir que a religião global teve um impacto positivo, conclui.

Seria possível imaginar a alternativa de uma trajetória de progresso sem religião. Mas isso seria inacreditável, de acordo com Sheiman. Os historiadores não podem identificar qualquer outra força cultural tão robusta como a que a religião poderia ter realizado ao longo de civilização.

Sheiman também critica a leitura seletiva da história, realizada por parte de alguns ateus, que é demasiadamente eficiente para atribuir os aspectos negativos da história religiosa, embora raramente admita a dívida da civilização com a religião.

Um crente poderia muito bem responder a Sheiman que sua fé em Deus não depende de algum tipo de lucro, perda de credibilidade na história ou de sua vida pessoal. No entanto, numa altura em que muitos ateus denigrem as Igrejas e a fé, dizendo que estas são totalmente irracionais e negativas, o livro de Sheiman serve como um antídoto útil para este ataque tão superficial e sem nexo à crença.

Envie a um amigo | Imprima esta notícia

Fonte: ZENIT

20 de nov de 2009

Profecias do Dia

Irmãos, convido vocês a visitarem diariamente o Blog Profecias do dia!
http://profeciasdodia.blogspot.com/
Onde você encontrará a leitura do dia, comentário da Sagrada Tradição sobre a liturgia do dia, Algumas homilias de sacerdotes sobre as leituras do dia, etc.
Lá você encontrará também o santo do dia e outras mensagens proféticas diárias.
Você também poderá baixar diariamente em MP3 para ouvir no seu PC, Celular, etc, o Evangelho do dia, o Santo do dia e uma homilia do dia.
Você baixará também o Rosário e outras orações que vou estar colocando.
Tá ficando muito bom o Blog!
Visitem e orem bastante!
Shalom!
Alessandro Silva

18 de nov de 2009

A espiritualidade da Misericórdia


Jesus é o Bom Pastor, e qual é a maior qualidade deste nosso pastor Jesus? A maior qualidade do nosso Pastor é a Misericórdia.
Ele não tem a Misericórdia, Ele é a própria Misericórdia.

E como Ele ama a cada um de vocês, Ele que é a própria Misericórdia, quer si dar a você. Não somente em momentos especiais como este, mas quer dar o que Ele é.
Ele diz a você: ‘Eu Jesus, o seu Pastor, sou o seu Caminho, a sua Verdade e a sua Vida.
Jesus quer te instruir da sua Verdade, mesmo que você esteja atravessando dificuldades na sua saúde, no seu casamento ou na sua vocação. Jesus quer ser a sua Verdade o tempo todo.
Entendemos também que Jesus mesmo quer nos ensinar, quer fazer que cada vez mais nos pareçamos com Ele. Isso quer dizer: viver a experiência da Misericórdia, e como fazer isso? Vivendo isso no dia-a-dia.
Precisamos entrar no que chamamos Espiritualidade da Misericórdia, ter um novo movimento da nossa fé. Deixar que Jesus a cada dia mais seja o nosso Caminho, a nossa Verdade e a nossa Vida.

Ele nos diz: ‘Eu proponho para vocês um primeiro passo, e você vai procurar viver durante o tempo que for necessário nesta primeira etapa e quando você se sentir livre então eu vou lhes dizer a segunda etapa. Você tem que ter a preocupação em viver o que eu vou ensinar, passo a passo e viver cada uma de maneira livre e cada vez mais próxima de Jesus e na fidelidade daquilo que o Senhor estará lhe ensinando.

A Espiritualidade da Misericórdia:
Vamos viver a seis etapas da Misericórdia, e durante uma semana a gente só pode viver um pedacinho de uma etapa, essas seis etapas são para a vida inteira.
Deus quer nos dar tudo, Ele quer que nós nos aprofundemos cada vez mais nestas etapas, onde podemos encontrar em Jesus as etapas da Misericórdia, a atitude da misericórdia.
O coração Misericordioso é reservado a cada um de vocês.


Primeira etapa: Diz da Misericórdia de Jesus quando Ele coloca o seu olhar em você, de um modo pessoal, para ver o seu coração profundamente, até você sentir que você é importante para Ele. Mas às vezes o nosso coração esta cheio de dúvida, a gente pensa que Ele olha para todo mundo. Você pensa que Deus gosta de todo mundo? Não! Ele ama a cada um de nós. E cada um pode dizer com confiança: Eu sou o preferido do amor de Deus.

Como você vai poder praticar essa primeira etapa? Esse modo se chama Adoração, mas cuidado, já faz algum tempo que eu venho ao Brasil, e constato que a palavra adoração não quer dizer a mesma coisa, então eu vou dizer o que significa a Misericórdia. Na Europa, a adoração é ter tempos regulares em que ficamos na presença de Deus. Na adoração aqui no Brasil, nós oferecemos o nosso louvor, nossos gestos, nosso canto.
Mas nessa adoração, da primeira etapa da Misericórdia, não temos nada oferecer, somente nós mesmo.

Ouça: Primeira etapa


Segunda etapa
: Assim que Jesus tiver pousado o seu olhar sobre ti, Ele pede que você também coloque este olhar nos seus irmãos. Este é o fruto da primeira etapa. Lembrem-se do exemplo maravilhoso que o padre Jonas nos deu sobre na missa de sexta-feira. Mas vou citar uma passagem do evangelho: Áudio:
O samaritano se aproxima, e não tem medo, nem mesmo medo de tocar no cadáver, e somente quando ele se aproximou que viu que esse homem ainda vivia.

Jesus se aproxima de você, Ele não tem medo das suas más tendências, do seu passado, Ele não tem medo das suas doenças.
Esta é a segunda etapa da misericórdia, e tenha a certeza de que Jesus esta do meu lado.
A segunda etapa nos faz discernir que Ele está no meio de nós, assim como está presente no Altar após a consagração.
Mas fale com Jesus, assim como um casal de namorados, que há muito tempo não se vê, e com esse jeito especial, diga ‘Obrigado, Senhor, por me amar, por vir até mim’.
Cada um tem o seu jeito de dizer, pois a palavra de amor não tem uma fórmula, mas brota do nosso coração pelo Espírito Santo.
Ouça: Segunda etapa



Terceira etapa
: Jesus está pertinho de você e se debruça sobre você. A potência de Deus está quando Ele se debruça sobre você, quando te carrega no colo, e trás para Ele todo o seu sofrimento, para que você apresente a Ele todo o seu sofrimento, o que te faz mal, o que te deixa com essa sensação de culpa, o que te revoltava, você partilha com Ele.
Porque o seu pastor, quando se debruça sobre você Ele te diz: ‘Divida comigo o seu fardo, que eu vou aliviá-lo’.

Ouça: Terceira etapa



Quarta Etapa: Quando Jesus se debruça, Ele a toca, não é mágica, é o corpo de Deus, é Jesus Deus, que toca com seu Corpo Sagrado que toca onde você esta doente. Qual é o momento onde Jesus te toca com a maior força do seu Amor? Na Eucaristia, o corpo de Deus, aquele que vocês comungam, que entra em contato com a sua sensibilidade, e acontecimentos que você trás no seu coração. Ele os toca para lhes ensinar, os fazer crescer. Deixe-se tocar pelo seu Pastor.
Ouça: Quarta etapa



Quinta Etapa: é a transformação do seu passado tenebroso.

Jesus diz: ‘Eu conheço a tua fraqueza, as coisas horríveis que você fez, mas eu posso transformar para a minha glória, eu posso transformá-lo em um apóstolo’.
Isso é participar da Ressurreição, assim como Maria Madalena. A ela foi confiada uma missão.
Ouça: Quinta etapa



Sexta etapa: Jesus ressuscitado aparece aos apóstolos na noite da ressurreição, e Tomé não estava lá. E porque Tomé não estava? Jesus diz: ‘Eu vim dizer que eu vim por você’, então Tomé se prosta e diz: ‘Meu Senhor e meu Deus!’. Isso também é uma adoração.

Que cresçamos na adoração etapa por etapa, e que cada vez mais a nossa adoração seja cada vez mais de amor.
É essa a adoração: Adorar o Pai em espírito e verdade, isso é no Espírito Santo.
Ouça: Sexta etapa



Adquira esta pregação pelo telefone
(12) 3186 2600





--------------------------------------------------------------

Philippe Madre
Philippe Madre é médico, casado, pai de dois filhos e membro da Comunidade das Beatitudes (França) desde 1975. Recebeu de Deus o dom da cura e tem viajado o mundo fazendo pregações.

Fonte: Canção Nova

17 de nov de 2009

As aparições de Kibeho, o aviso e o castigo

Em muitas manifestações sobrenaturais, Nossa Senhora alerta, como Mãe, sobre a proximidade da punição; mas Ela não pode opor-se à justiça divina, quando os pecadores não cessam de ofender a Deus. Não correspondendo à advertência, o castigo se descarrega sobre os homens.

Valdis Grinsteins

Alphonsine Mumureke, uma das videntes, fala das aparições aos habitantes de Kibeho
São 12:35 h do dia 28 de novembro de 1981, na localidade de Kibeho, em Ruanda, pequeno Estado localizado bem no coração da África. No refeitório da escola religiosa que freqüenta, Alphonsine Mumureke, de 17 anos, ouve uma voz: “Minha filha!”.

Julgando estranho esse chamado, a adolescente dirige-se ao corredor do edifício e encontra uma linda Senhora. Esta aparece toda vestida de branco, com um véu em torno do pescoço, as mãos juntas sobre o peito como em oração.

Alphonsine pergunta-lhe: “Quem é a Senhora?”.

— “Ndi Nyina Wa Jambo” (responde ela na língua nativa) — “Sou a Mãe do Verbo”. E continua: “Vim para te acalmar, porque tenho escutado tuas orações. Quisera que tuas amigas tivessem muita fé, porque elas não crêem com fé suficiente”

Inicia-se a extraordinária história de uma das poucas aparições do século XX reconhecidas até agora pela Igreja.

Com efeito, das cerca de 400 aparições marianas registradas no século XX, cerca de 12 têm reconhecimento do Vaticano ou dos bispos com jurisdição no local da aparição. Este reconhecimento deu-se em 29 de junho pelo bispo Augustine Misago, numa missa na catedral de Gikongoro, na qual estavam presentes os outros bispos do país e o núncio apostólico em Kigali, Mons. Salvatore Pennacchio. No mesmo dia o Vaticano publicou a notícia da aprovação, dando assim respaldo à declaração episcopal(1).

Confusão: artifício do demônio

Quem pela primeira vez toma conhecimento das aparições de Kibeho nota que em torno delas se apresenta uma característica comum: a confusão. Em Kibeho, após ter aparecido a Alphonsine, Nossa Senhora ainda manifestou-se a outras duas moças, Nathalie Mukamazimpaka (entre janeiro de 1982 e 3 de dezembro de 1983) e Maria Clara Mukangango (que viu Nossa Senhora várias vezes entre 2 de março e 15 de setembro de 1982). A própria Alphonsine teve várias aparições até 1989. Estas, e as aparições às outras duas videntes, foram confirmadas pela autoridade eclesiástica.

É freqüente porém que, havendo verdadeiras aparições em determinado lugar, o demônio procure multiplicar o número de “videntes” e de falsas aparições para desacreditar as verdadeiras. Assim, surgiram pouco depois outras pessoas dizendo ter sido favorecidas por aparições sobrenaturais, começando então a circular todo tipo de supostas mensagens “celestes”. Houve até pessoas que, seguindo falsos visionários, chegaram ao suicídio coletivo...

As primeiras aparições — as verdadeiras — ocorreram na escola onde as jovens estudavam, despertando reações diversas, favoráveis e contrárias. No início, numerosas pessoas zombavam de Alphonsine. Uma das mais desconfiadas era Maria Clara, que depois, ela própria, foi favorecida por numerosas aparições. Com o passar do tempo, e tendo ocorrido várias conversões, foi aumentando a aceitação do fato sobrenatural.

Noção do pecado coletivo

O bispo Augustine Misago, numa missa da catedral de Gikongoro, reconheceu a veracidade das aparições
Em tão numerosas aparições, o que Nossa Senhora comunicou?

Essencialmente Ela pediu orações, a renúncia ao pecado, o arrependimento e confissão destes. E, ponto importante a ser notado, mostrou as conseqüências do pecado.

Hoje em dia, a maioria das pessoas considera que ser católico consiste em assistir à missa aos domingos e, quando muito, praticar em particular ou em pequenos grupos alguma ação religiosa ou social.

A idéia de que Deus deve ser reconhecido e cultuado pelos homens não só individualmente, mas pelo conjunto da sociedade enquanto tal, e de forma pública, está infelizmente desaparecendo. E a par disso vai se extinguindo em nossos contemporâneos a noção da gravidade do pecado coletivo. É por isso que numerosos católicos manifestam-se indiferentes quanto ao combate aos pecados coletivos, como a adoção legal do aborto, do homossexualismo, do laicismo, do ateísmo etc. Pensam eles que, não cometendo tais pecados particularmente, não têm outras obrigações, e com isso estariam isentos de qualquer castigo divino.

Entretanto, Nossa Senhora nessas aparições revelou as graves conseqüências dos numerosos pecados coletivos que se cometiam em Ruanda. Por exemplo, pouco antes das aparições, houve no país uma onda de destruições de imagens religiosas. Não consta que tenham sido praticados atos públicos em reparação por tais pecados.

Por isso, têm especial importância as aparições ocorridas no dia 19 de agosto de 1982, em que as videntes viram Nossa Senhora chorando. Elas também acompanharam o pranto da Mãe de Deus. Mais de uma vez, alguma delas chegou a desmaiar. No total, foram oito horas seguidas de visões.

Visão terrificante

Multidões em fuga, por ocasião das matanças profetizadas por Nossa Senhora nas aparições
Segundo as jovens, Nossa Senhora apareceu triste, contrariada, verdadeiramente “encolerizada”.

Alphonsine Mumureke contou que a Santíssima Virgem chorava. E as três jovens foram vistas tremendo, batendo os dentes e caindo por terra como mortas. Disseram elas ter visto “um rio de sangue, pessoas que se matavam umas às outras, cadáveres abandonados sem alguém que os enterrasse, uma árvore toda em fogo, um abismo escancarado, um monstro, cabeças decapitadas”. E contaram ter ouvido dos lábios da belíssima Senhora, envolta num traje esplendoroso, frases do tipo: “Os pecados são mais numerosos que as gotas do mar. O mundo corre em direção à ruína. O mundo está cada vez pior”(2).

Nesse dia, milhares de pessoas estiveram presentes no local das aparições. Todas saíram sob uma forte impressão de medo e tristeza.

Confirmação das visões

A última aparição de Kibeho, em 28 de novembro de 1989, ocorreu exatamente oito anos após a primeira. O bispo local nomeou uma comissão médica e outra teológica para investigar os fatos. Um santuário foi construído no local das aparições, tornando-se ponto de peregrinações.

Mas não se operou a conversão dos pecadores como Nossa Senhora pedira e, menos de cinco anos após a última aparição, caiu o tremendo castigo sobre aquela infeliz nação africana.

Entre abril e junho de 1994, ocorreu uma onda de massacres cuidadosamente planejada. Em Ruanda, onde quase metade da população se declarava católica, foi sendo cultivado, sob diversos pretextos, o ódio entre as duas raças principais que compõem o país: a dos hutus e a dos tutsis.

Invocando a morte do presidente do país em um atentado, 30.000 facínoras, aglutinados em torno de um partido, lançaram-se numa cruel caçada aos adversários. Aldeias inteiras foram massacradas, sendo a maioria das vítimas mortas a machadadas. Tantos corpos foram lançados no rio Kagera, que este ficou conhecido como Rio do sangue.

Pior. Numa terra já devastada por numerosas matanças, as igrejas haviam sido refúgios respeitados, onde as pessoas podiam se proteger para escapar às carnificinas. Mas desta vez isto não aconteceu. O próprio santuário edificado em Kibeho, repleto de refugiados — aproximadamente 4.000 pessoas — foi cercado pelos milicianos hutus. Estes lançaram granadas dentro do templo, mataram os sobreviventes a machadadas e queimaram os restos do edifício sagrado.

Uma das videntes, Maria Clara Mukangango, foi morta com o marido no povoado de Byumba.

No decorrer de três meses, milhares de pessoas foram massacradas. Até hoje o número exato é controvertido. Alguns falam em 250.000, outros chegam a calcular um milhão. A cifra mais provável gira em torno de 800.000 mortos. Verdadeiro massacre, classificado como “o maior genocídio africano dos tempos modernos”(3).

Advertência para todo o mundo

Vista aérea de Kibeho, em Ruanda
Numa das aparições, Nossa Senhora comunicou a uma das videntes, Maria Clara: “Quando falo contigo, não estou me dirigindo só a ti. Mas estou fazendo um apelo a todo o mundo”. A vidente narrou que a Virgem descrevia o mundo como estando “em revolta” contra Deus.

Dificilmente alguém pode negar tal afirmação. Os pecados dos quais Nossa Senhora se queixou em Ruanda são cometidos — e quantos até mais graves — em todo o mundo. Basta pensar na proliferação das legislações abortistas, e as do chamado “casamento” homossexual.

Se em Ruanda os pecados descritos por Nossa Senhora foram punidos com tanta severidade, os pecados coletivos que se cometem em nosso País não devem também atrair, no rigor da lógica, tremendos castigos divinos?

Seriam então tais considerações motivo para desânimo? Pelo contrário! Devem ser elas motivo para animar-nos a atuar com mais empenho em prol da restauração de uma sociedade plenamente católica. Se o castigo divino nos surpreender em meio a essa benemérita atuação, a misericórdia de Deus tomará isso em consideração, em nosso favor.

Fonte: CATOLICISMO

______

Notas:

(1) Cfr. “Radio Vaticana”, 30-6-01.

(2) “Avvenire”, Milão, 30-6-01, Sim, Maria realmente apareceu em Ruanda.

(3) “BBC”on line, Londres, 7-6-01, Rwanda, how the genocide happened.

15 de nov de 2009

Fwd: Informativo Cléofas - 12/11/




Informativo Cléofas, 12 de Novembro de 2009 - Ano IV - Número 144

Notícias do Programa Escola da Fé

+ Papa exorta a amar Igreja apesar de suas manchas
+ Termina no Vaticano a Semana da Astrobiologia
+ TC do Peru esclarece que Ministério de Saúde tampouco pode vender pílula do dia seguinte
+ Cineasta admite que "destruiu" o Vaticano em seu filme porque católicos não o condenarão a morte
+ Ameaças de guerra de Chávez procuram ocultar crise na Venezuela
+ Chávez confiscaria escolas católicas na Venezuela para "eliminar" trabalho da Igreja
+ Justiça autoriza aborto e bebê sobrevive!!!
+ Igreja Luterana Sueca ordena primeira episcopisa lésbica
+ Santa Sé publica Constituição Apostólica que regula passagem de anglicanos à Igreja
+ Lição da queda do Muro de Berlim: não reduzir a fé
+ Papa entrega "Nobel católico" a Sources Chrétiennes
+ Itália: 84% são favoráveis à presença de crucifixos nas escolas

+ Abuso da PDS causa sérios danos na saúde de jovens mexicanos
+ Publicação de Bispos americanos pedem que hispanos rejeitem reforma de saúde
+ Governador argentino: não aceitarei aborto nem "matrimônios" homossexuais
+ Matriz da paróquia Santa Rita foi assaltada
+ Maine revoga nas urnas lei de casamento gay
+ Aumento sensível das vocações sacerdotais em 20 países. Entre eles Inglaterra e Gales
+ Diretora de uma clínica abortista converte-se
+ Ministra italiana responde a tribunal europeu: "Não tiraremos crucifixos das salas de aula"




+ leia mais

O programa Escola da Fé, é exibido toda a quinta-feira às 20h30 na TV Canção Nova (Link))


Aprofundamento para Estudantes de 2° Grau e Universitários

CANÇÃO NOVA - CACHOEIRA PAULISTA

Data – 29 a 31 de Janeiro de 2010

ParticipaçõesProf. Felipe Aquino, Pe. Paulo Ricardo, Pe. Wagner Ferreira e Márcio Mendes.

Temas – História da Igreja; Como a Igreja construiu a Civilização Ocidental; Problemas atuais enfretados pela Igreja.

Inscrições: Tel.: (0XX12) 3186 - 2600


Blog do Prof. Felipe

A Igreja e o Reino

A Igreja, tenho dito isto repetidamente, não é um mero acessório no Plano de Deus. Ela integra o mistério da salvação. O Reino de Deus, que almejamos e que é dom de Deus para nós, não está, de modo algum, desvinculado da Igreja. Embora a Igreja, em seu estado de peregrina neste mundo, não realize plenamente o Reino, embora o Reino não esteja contido dentro das fronteiras visíveis da Igreja, embora o Reino transcenda a Igreja considerada em seu aspecto social e visível, ele, o Reino, já se encontra em germe nela e não pode ser concebido sem uma relação estreitíssima com ela. Desse modo, a Igreja não é apenas um sinal, entre outros, do Reino. Ela não é apenas "chamada" a ser "o melhor sinal", como já ouvi alguém dizer por aí. Tal afirmação peca contra o legítimo conceito católico de Igreja. Ela, na verdade, é já o Reino em germe (cf. Lumem gentium, 5), é "o" sinal visível e indefectível do Reino, é o "sacramento universal da salvação" (Lumen gentium, 48) .
Foi uma concepção equivocada, que tem vigorado em certas linhas de pensamento teológico, que, querendo combater o que foi chamado de "eclesiocentrismo", desvinculou o Reino e a Igreja, em favor de uma tal teologia "reinocêntrica", segundo a qual o Reino de Deus, sendo a grande meta, deixa relativizada a Igreja. Desse modo, o Reino passou a ser considerado de tal forma que a sua relação com a Igreja foi empalidecida ou mesmo negada. E o próprio conceito de Reino sofreu violência ao ser tomado prevalentemente em sentido terrestre, como se outra coisa não fosse senão a realização da justiça e da paz social, o que nos leva à idéia de um vago reino de Deus em que o próprio Deus fica entre parênteses. A Igreja, nesse sentido, seria apenas um sinal do Reino entre outros tantos, já que qualquer entidade governamental, associação filantrópica ou ONG pode trabalhar muito bem em favor da justiça e da paz social. Não que a justiça social e a paz entre os homens sejam indiferentes ao Reino. Mas o Reino é muito mais. É a participação na vida divina...(...)

leia mais


Livro da Semana

Por que sou Católico

Muitos católicos, infelizmente, acabam abandonando a Igreja Católica, ou vivendo mal a sua fé, porque não conhecem as raízes desta fé e da Igreja. Por causa disto, as seitas vão avançando, fazendo proselitismo, e levando os filhos da única Igreja fundada por Jesus Cristo, para caminhos perigosos, onde não existem os Sacramentos deixados por Jesus para a nossa salvação.

Neste livro você vai encontrar, de maneira clara, objetiva e profunda, as razões da fé católica, e porque a Igreja Católica é a única que Jesus fundou e desejou neste mundo, para levar a humanidade de volta para Deus.


Ficha Técnica
Editora: Cléofas
ISBN: 978-85-88158-33-7
Ano: 2009
Edição: 17
Número de páginas: 192
Idioma: Português (BR)
Acabamento: Brochura
Formato: 14x21 cm



+ comprar


* Caso não deseje mais receber a newsletter, entre em contato e escolha o assunto "Newsletter - REMOVER"
** Veja nossas regras para a newsletter aqui.
Lançamento



O Socorro de Deus

14x21 cm - 176 páginas


Shopping Cléofas



Relação dos Santos e Beatos da Igreja

14x21 cm - 280 páginas



Teologia da Libertação

14x21 cm - 136 páginas



© 2009 - Editora Cléofas




--

                     Atensiosamente,
      Alessandro Silva.
                    +

"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12