28 de dez de 2009

Ícone Ortodoxo Contra o Aborto



Por Alexandre Semedo

 
 
omecemos por sua parte esquerda, cujas cores de fundo são mais claras (em contraste bastante evidente com a parte direita, com cores escuras representando as trevas, o mal e a morte).
«Jesus Cristo protegendo e abençoando uma família cristã»
Jesus Cristo, vencedor da morte, surge protegendo e abençoando, abaixo dele, uma família cristã (é de se notar os trajes modernos que vestem). Família, aliás, numerosa (pai, mãe e seis filhos)
O pai carrega um dos filhos (como São José, que carrega o Menino Deus, tradicional imagem da iconografia cristã) e traz o alimento da família na mão esquerda. A mãe embala o filho ainda bebê e alimenta uma outra criança. São figuras tradicionais do pai e da mãe cristãos, essencial para o desenvolvimento dos filhos.
«Figura tradicional da família cristã»
Mãe de Deus «Galaktotrophousa»(amamentando)
Acima da família cristã, surge a Sagrada Família de Nazaré. Maria carrega, em seu colo, o Senhor Deus, nascido de seu puríssimo ventre. São José, por sua vez, carrega uma criança envolta em panos brancos, símbolo, na iconografia tradicional, da alma das crianças inocentes assassinadas.
Abaixo da família cristã, numa imagem bastante contundente, temos a «Arrependida», isto é, a mãe que, tendo cometido o monstruoso crime do aborto, chora, agora, o filho que ela própria matou. Veste-se de vermelho, o que representa o sangue inocente por ela derramado.
A «Arrependida» - mãe que, tendo cometido o monstruoso crime do aborto, chora o filho que ela própria matou
«A Mãe Solteira» - a que se manteve firme dinate da tentação de abortar e, agora, carrega (não sem o auxílio de Deus) a Cruz de ser mãe sem a ajuda e o suporte de um esposo
Na parte esquerda inferior, há a figura da mãe solteira. De um lado, ela pecou e consentiu em relações pré-nupciais (talvez, seja por isto que parte de sua vestimenta é vermelha, cor da luxúria), mas, por outro lado, manteve-se firme frente à tentação de abortar e, agora, carrega (não sem o auxílio de Deus) a Cruz de ser mãe sem a ajuda e o suporte de um esposo. Cruz esta que, se bem vivida, será sua porta de entrada para o céu depois que findar sua peregrinação terrestre.
Passemos, agora, às trevas!
Na parte direita do ícone, vemos sentada, num trono vermelho, uma rainha, chamada de «Nova Herodes.» É o próprio aborto personificado, que, como o Herodes o fez outrora, promove a matança dos inocentes no mundo moderno. Ela espezinha e massacra vários bebês e recebe ainda outros (todos em posição fetal) que as mulheres lhe oferecem.
A «Nova Herodes»
O próprio aborto personificado.
Pesonificação da «Crueldade», «Futilidade», «Indiferença» e «Luxúria» (de baixo para cima)
Estas mulheres estão à sua frente e personificam (de baixo para cima) a crueldade, a futilidade, a indiferença e a luxúria, sem as quais a monstruosidade do aborto não ocorreria.
Ao fundo, vemos um «médico». No original, a palavra é também grafada entre aspas, pois, sob a aparência de um médico (que deveria usar seus talentos apenas para salvar vidas), encontra-se um assassino frio, que passa uma espada no ventre de um bebê indefeso. Se o leitor reparar bem, seu bolso está cheio de dinheiro, pois se enriquece com a matança que ele próprio promove. Ao fundo, a imagem de um dragão, a Antiga Serpente, o chamado Diabo ou Satanás, que, sedutor do mundo inteiro, seduz o «médico», colocando-o ao seu serviço. Pois, todos os que se colocam a serviço, direto ou indireto, do aborto, estão a serviço direto de Satanás.
O «Médico», que deveria usar seus talentos para salvar vidas, colocando-se a serviço, direto ou indireto, do aborto, estão a serviço direto de Satanás.
Que deles (e de todos nós) o Senhor Deus tenha piedade.
Fonte: http://www.ecclesia.com.br/Biblioteca/iconografia/icone_ortodoxo_contra_o_aborto.html#
Texto enviado por Pe. Almir

26 de dez de 2009

Problema difícil não tem solução fácil.




Você já resolveu um polinômio complicado que tenha como resultado uma solução fácil?
Ta, ta isso aqui não é matemática on-line. Mas responda ai vai… com certeza já passou da 7° série e perdeu muitos cabelos resolvendo teoremas e logaritmos.
Aprendemos na vida:
Problemas difíceis não têm soluções fáceis!
Como podem querer resolver um problema difícil como a AIDS com solução fácil: uso de camisinhas a “a torto e a direito”
Muito simples distribuir milhares de preservativos aos jovens pensando estar resolvendo a situação.
Galera o problema é mais em cima e não embaixo!
É mudança de mentalidade! É formação. É saber que não somos máquinas de satisfação pessoal de prazer. Uso descartável!
Somos gente.
O dramaturgo francês, Paul Claudel, disse certa vez que: “a juventude não foi feita para o prazer, mas para o desafio”. “Ser homem não é dominar os outros, mas dominar-se a si mesmo”.
Propor a castidade é desafiante, pois exige inteligência, exige auto conhecimento. E quem quer pensar?
Eu. Eu quero!
O True Love Waits (O Verdadeiro Amor Espera), lançado em 1994 na cidade de Baltimore, capital do estado de Maryland, Estados Unidos é bem bacana eles prometeram, por escrito, manter-se virgens até o dia do casamento. O pacto que assumiram diz o seguinte:
“Acreditando que o verdadeiro amor espera, eu me comprometo diante de Deus, de mim mesma, minha família, meu namorado, meu futuro companheiro e meus futuros filhos a viver a castidade até o dia em que entrar numa relação de casamento” (Jornal do Brasil, Ana Maria Mandin, 12/03/94).
Este exemplo não é único, e mostra o renascer da castidade.
Quando o Papa João Paulo II esteve nas Filipinas, em janeiro de 1995, na “Jornada Mundial da Juventude”, houve uma concentração de 4 milhões de pessoas para participar da missa que ele celebrou em Manila. Nesta ocasião um grupo de cinquenta mil jovens entregou ao Papa um abaixo assinado se comprometendo a viver a castidade.
Hoje quero levantar esta bandeira:
O verdadeiro amor espera e diante do problema difícil da AIDS a solução não é fácil mas é desafiante: Castidade!
Aceita o desafio?
Tamu junto!
Adriano Goncalves

24 de dez de 2009

Mensagem de Jesus neste Final de Ano! Importantíssimo!


“Queridos amigos da VVD, penso que todos já receberam a Mensagem que Vassula recebeu de Jesus no dia do aniversário da VVD deste ano. É muito sério e  precisamos ler e meditar muitas vezes. Para mim serviu para fazer um bom exame de mim mesma e ver se estou realmente correspondendo ao chamado de Jesus, se estou mesmo me esforçando para eliminar da minha vida tudo o que é pecado que Jesus cita na Mensagem.
Na Mensagem Jesus ensina uma oração. Se Ele nos deu esta oração é porque se levarmos a sério e rezarmos com o coração, poderemos tocar o Coração do Pai e acalmar a sua Ira. Convido todos a decorar esta oração e rezar muitas vezes ao dia. Que nossas orações subam como incenso aos Céus.” 
Paulina
14 de Dezembro de 2009 
Vassula escreve: 
 Sábado passado, aqui em Rodes, tivemos nossa reunião de oração. Nem todos estavam presentes naquele dia, apenas alguns de nós. Para terminar, tomamos a oração que dei a vocês, aquela de 25 de Novembro, e todos a rezamos. Depois disso, pegamos uma Bíblia Grega (que era novinha em folha) e eu a abri. Meu dedo foi para Ezequiel, capítulo 7, versos 1-14. Enquanto líamos, sentíamos que era como se estivéssemos lendo a oração novamente! Uma continuação. Quando abri a Bíblia em inglês para ler, pois o meu grego não é perfeito, eu tinha um marcador de livro exatamente ali. O que entendemos disso foi que o Senhor estava enfatizando a seriedade e urgência de Sua Mensagem anterior, que é a oração.
(Esta foi a oração enviada em 28 de Novembro:)

 “Fala comigo, Vassula, deste  modo:
Terno Pai, não lanceis Vossa ira sobre esta geração, para que todos não pereçam;
Não lanceis sobre Vosso rebanho sofrimento e angústia,
pois as águas secarão e a natureza murchará;
Tudo sucumbirá à Vossa ira, sem deixar vestígios;
O calor de Vosso Sopro incendiará a terra, devastando-a!
do horizonte uma estrela será vista;
A noite será devastadora e cinzas cairão como neve no inverno,
cobrindo Vosso povo como fantasmas;
Tende Misericórdia de Nós, Deus, e não nos julgueis severamente;
Lembrai-Vos dos corações que se alegram em Vós e Vós neles!
Lembrai-Vos de Vossos fiéis e não deixeis que Vossa Mão caia com força sobre nós,
Mas, ao contrário, em Vossa Misericórdia, elevai-nos e colocai Vossos preceitos em cada coração. Amém."

No dia seguinte, domingo, quando estava sentada na Igreja, depois de aproximadamente 5 min, ouvi o chamado do Senhor que me falou. Minha preocupação era a de não conseguir me lembrar para escrever o que Ele dissera. Nossa Senhora, ao final, disse apenas algumas palavras. Mas, Nosso Senhor me fez compreender que eu não devia me preocupar porque ele me lembraria quando eu fosse escrever Suas Palavras, de fato, Ele guiaria minha mão novamente. Então o que segue é o que Jesus Cristo disse ontem, e hoje, segunda-feira, 14 de Dezembro, Suas Palavras foram escritas.

Testemunha, minha filha, em Meu favor e em Meu Nome, e fala e diz a esta geração:
Não ouças mais os falsos profetas que permanecem te atacando com carícias, dizendo que tudo está bem e que tens melhorado, quando tu, que te chamas Cristão, não te comportas como tal, pois dificilmente ages de acordo com as Minhas Palavras no Evangelho; porque Eu te digo, se a tua virtude em ser Cristão não vai mais fundo do que os ateus, Meu Pai, não Me reconhecendo em ti, nunca permitirá que entres em Nosso Reino! A ira de Meu Pai será desencadeada sobre ti. Não aprendeste que a Minha severidade é tão grande quanto a Minha Misericórdia? Tu, que aos que te rodeiam, vendes a imagem de um bom Cristão, dando a eles esta falsa idéia do Cristianismo, quando és exatamente o oposto, serás posto a nu e teu pecado também; e tu, cuja língua nunca parou de julgar injustamente, teu pecado cairá sobre a tua própria cabeça. Minha cólera enfurece-se contra a tua espécie e te julgarei por tua conduta como mereces.
Tu que não podes perdoar e esquecer como Eu perdôo e esqueço, Meu Pai também reterá este pecado contra ti! Yahweh está perto, vindo em toda velocidade, então, diga-Me, onde é que vais te esconder? Levar uma vida pecaminosa é pertencer ao demônio; tu aprendeste de que maneira serás julgado quando não estás disposto a reconciliar-te com aquele contra quem guardas rancor. Eu te digo, este pecado, da má vontade para chegar a um acordo com aquele que tu consideras responsável, será amargamente pago por ti até o último centavo; Eu não disse: amarás o teu próximo como a ti mesmo e mais ainda, que deves aprender a amar os teus inimigos? Bem, o quê os Meus Olhos têm testemunhado? Tenho testemunhado um pequeno grupo que verdadeiramente segue os Meus Caminhos, mas a maioria está em pecado, fazendo o trabalho de Satanás; não se engane, porque nestes próximos dias tu estás destinado à destruição, porque não estás seguindo Minha Palavra (Santa Bíblia). Se alguém recusar até este dia a obedecer Meus princípios, também Meu Pai lhe recusará uma morada no céu; e quanto a ti, que tomaste o Meu Nome (Cristãos), ainda atuas com violência, raiva e orgulho, aquele mesmo açoite que tua língua afiada usou para com os teus irmãos, vais receber da mesma maneira e teu pecado te condenará; e tu que ainda dormes na tua apatia e letargia, não penses que eu não reparei em ti, tu serás contado entre os pagãos e estarás colhendo o que semeaste.
Quanto aos apóstatas, eles provarão o fogo do inferno! A ira de Meu Pai é inflamada com esta geração má e pervertida; ademais, como posso refrear O Seu Braço de vos açoitar? Voltar atrás dos seus maus caminhos foi o Nosso tema constante, mas bons e maus estiveram se recusando a abandonar suas formas de vida; o bom, por não levar seriamente as Minhas Palavras nestas Mensagens e agir de acordo com elas, o mau por se recusar a ser salvo, recusando Minha Misericórdia, recusando Minha Mão. Dizei-me, o que fareis quando compreenderdes naquele Dia que sois mero barro, e que o barro sem a Minha Presença em vosso interior, não é nada além de pó?
O desastre está ao virar da esquina e a folhagem secará. Emendai, todos, vossas suas condutas e ações, não deixai que a destruição vos alcance; tomai o rumo certo e deixai as vossas abominações e as vossas perversões; colocai os vossos corações em Mim, Vosso Senhor, senão ireis desmoronar em cinzas como uma cidade em chamas.
Agora, mesmo que Eu vos afligisse, mesmo por um simples momento, terá sido pela grandeza do amor que tenho por vós; Eu quero conduzir-vos ao arrependimento e salvar-vos. Eu quero lábios que estejam limpos para invocar o Meu Santo Nome, especialmente nestes dias em que o Meu Santo Nome será profanado e não significará nada para muitos, enquanto eles celebram Meu nascimento sem honra e louvor; arrependei-vos, todos vós e concentrai-vos em Mim; rezai para que a culpa desta geração não seja a causa da sua destruição; do contrário, a ira do Pai vai levá-Lo a clamar: Basta! E a Sua cólera ígnea cobrirá muitas nações e o mundo se desintegrará; feliz o homem que Me escuta agora e se purifica; Eu o favorecerei.
Eu sou Jesus Cristo e sou o Autor destas Mensagens e Eu sou conhecido por governar-vos com indulgência; Eu sou conhecido por fazer-vos florescer e, se estais dispostos, e precisar, eu vos regarei com as Minhas Lágrimas. Eu sou conhecido como o Bom Pastor que nunca abandona as Suas ovelhas; Eu vos conduzo a verdes pastagens, mas quando acordos são quebrados, as testemunhas que estou enviando desprezadas e rejeitadas, poderei Eu ficar calado? Quando Eu sei que vós estais vos dirigindo a uma destruição fatal, não irei reagir? No dia da ira do Pai aqueles que tinham esquecido de Mim, se lembrarão de Mim, e eles serão tratados em conformidade.
Muitos, certamente, perguntam, - que pecados? Pecados que mencionei e pecados de sua blasfêmia contra Meu Espírito Santo, pecados de sua rebelião e de sua divisão, pecados de perversão que são uma abominação aos Meus Olhos, pecados de parcialidade, pecados de desprezo, de corrupção, de insolência, de orgulho, pecados de degradação e de letargia, o mundo está contaminado com o pecado; compreendei agora o quanto o Meu Sagrado Coração está ofendido e doendo; dominai vossos pensamentos e não pequeis mais. Nunca Me esqueça, Vassula, e deixa que o Meu povo saiba os Meus avisos; Eu estou aqui; ic

23 de dez de 2009

Eu te desafio a se mexer!



Em tempos onde ser chamado de radical não pega muito bem, resolvi lançar uma pergunta no Twitter:
“O que significa ser radical na fé?”

A galera reagiu rapidamente e das muitas respostas enviadas peguei estas:
“Pra mim, é buscar uma vida autentica, alicerçada na Verdade e que tenha como conseqüência um grande entusiasmo por viver!”
“O termo radical deriva da palavra latina radix, que significa “raiz”. Nesse caso na raiz da fé.”
“Radical na fé… é mais que práticas e exercícios espirituais! Ser radical é ter raízes! E na fé… é paradoxalmente SER LIVRE”
“entregarse completamente a los brazos de Jesús #serRadical #naFE”

Vejo que é isto mesmo que a galera disse. A palavra radical tem sua origem latina no termo radix que quer dizer: raiz, fundamento, origem. O que isso quer dizer? È simples! Quando se pede que alguém seja radical está se querendo que esta pessoa vá à raiz daquilo com que ela está envolvida, ou seja, um cristão radical é aquele que vai à raiz, (base, fundamento) de sua vivência cristã que é Jesus Cristo!

Sabe aquela musica: “Amar como Jesus amou, sonhar como Jesus sonhou… viver como Jesus viveu” é isso mesmo. Ser radical é ser outro Cristo.
E acha que isto não é radical?
Caramba é muito radical.
Jesus convidou os rejeitados.
Acolheu os desprezados.
Acreditou nos desacreditados…
Isso é ser radical.
Vejo que hoje precisamos levantar uma juventude radical. Que tenha em mente um só desejo: Ser outro Cristo.
Amar e se entregar a Jesus a tal ponto que possamos dizer como Paulo:
“Não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim”
Pense nesta verdade… isso muda tudo.
Hoje levantei com esta vontade: Ser radical, manter as raízes. Ser outro Cristo… O mundo precisa disse, tem muita gente que não lê a bíblia… que tal propormos nossa vida com um Evangelho vivo?
Eu estou nessa e você?
Deixe aqui comentado se você topa ou não. Mas comece a agir logo… Mande este post para todos seus amigos de grupo de jovens, faculdade, família… E vamos levantar uma juventude radical?

22 de dez de 2009

Acampamento Revolução Jesus



Quem fez inscrição… já garantiu a vaga para ter uma experiência natural e sobrenatural com Deus… quem não fez acompanhe por tv, rádio, webtv, fumaça…

Cansado?


21 de dez de 2009

Em Deus coloco a minha esperança


Adriano Gonçalves
Foto: Wesley Almeida
Nenhuma graça de Deus passa despercebida por você. Que Deus não nos poupe de nada, mas que nos dê tudo. A música diz: “Ele quer te fazer feliz, tem muitos planos pra ti”. Uma coisa que custa tanto e a música simplesmente diz que “basta saber esperar”. Esperar é difícil, tem hora que a gente se desespera. Quantas vezes pensamos que Deus se esqueceu de nós. E a música diz que é só “saber esperar e Ele agirá”. Esperança é isso.
Neste tempo de Advento venho falar para vocês de esperança. A cada dia eu aprendo que me, ao submeter a um Deus, que cuida de tudo, Ele agirá. É preciso olhar e saber viver bem cada tempo. E viver bem cada tempo é viver na esperança. Infelizmente, nós temos uma tendência a nos deixar levar pelo negativo. Pare para pensar: entre a boa e a má notícia, qual causa mais noites de insônia?
A esperança é o único motor que faz com tenhamos vida plena. A esperança não pode ser depositada nas coisas e nas pessoas. Quando fazemos isso bate aquele vazio, porque, por melhores que sejam as coisas e as pessoas, nada sacia o “porto seguro”, que é Jesus Cristo. Toda sua vida precisa estar firmada n’Ele, Ele é a esperança. Deposite sua confiança em Deus.
“Eis uma verdade absolutamente certa e digna de fé: se nos afadigamos e sofremos ultrajes, é porque pusemos a nossa esperança em Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, sobretudo dos fiéis” (Timóteo 4,9-10).
O apóstolo Paulo nos diz que precisamos colocar nossa confiança no Deus vivo. Nossa confiança precisa estar em Nosso Senhor Jesus Cristo! Ser alguém abandonado em Deus quer dizer que você pode se jogar no Senhor, que Ele vai segurá-lo. Quantas vezes, Deus Pai precisa quebrar algumas estruturas em nós, para depois ir ajustando coisa por coisa. Nós precisamos entender que nossos planos são bons; só que nossa vida está em Deus, Ele sabe o que é realmente bom para nós.
Nós estamos acostumados a um Deus que abre as portas; o fechar das portas também é Providência Divina, também é um agir d’Ele. Creia em Deus, Ele fará prodígios. Acredite, Deus tem o melhor para você!
“A nossa espera em Deus não pode ser algo supérfluo”
Foto: Wesley Almeida
A nossa espera em Deus não pode ser algo supérfluo. A esperança cristã é algo constante que vai exigindo de nós respostas; é deixar Deus reinar em nossa vida. Você é um vencedor nesta dinâmica da vida de esperar, de sofrer, de aguentar. Você é um vencedor, mesmo que tenha perdido muitas batalhas a guerra não está vencida porque Ele tudo fará. Esperança é isso.
Quantas vezes, nós não esperamos em Deus Pai, queremos resolver tudo da nossa maneira, enquanto que o Senhor quer o nosso calar. Quantas vezes, nos privamos de ser felizes por isso. Você veio para este mundo para ser feliz. Felicidade e santidade são palavras ligadas e Deus nos chama à santidade.
Precisamos falar de Jesus com um sorriso nos lábios, mesmo que, muitas vezes, esteja dando tudo errado, porque nós sabemos em “Quem” depositamos nossa esperança. Deus o fez para a felicidade; você não pode tratar a si mesmo como se fosse uma “praça pública”, onde as pessoas entram e saem e nem sabem como você está. As pessoas, às vezes, nos tiram a capacidade de esperar em Deus. Hoje o Senhor está reconstruindo sua vida, para colocar em seu coração que quem manda em sua vida é Ele. O Todo-poderoso tem proezas para fazer em sua vida e Ele lhe promete isso: fazer maravilhas em sua vida!
Quando nós perdemos a esperança, estamos à beira do desespero. O ser humano está se afastando de Deus e cada vez mais aumenta o número de pessoas em desespero. Não podemos aderir a isso, pois temos um Deus, que é nosso “porto seguro”. O Senhor está operando em nossa vida, nós temos um Dono e Ele é um Deus vivo, pronto para nos levantar quando caímos.
“A razão de nossa esperança tem um nome e esse nome é Deus”
Foto: Wesley Almeida
Nós precisamos nos levantar e falar que o nosso Deus é um Deus de milagre! Mesmo que não vejamos, Ele está fazendo uma obra maravilhosa, mesmo que doa, mesmo que passemos por “maus bocados”, o Senhor não esqueceu de nós! Mesmo que todos se esqueçam de você, Ele não esqueceu!
Deus está agindo de forma silenciosa. “Espera no Senhor. Há um Deus que te ama. Espera n’Ele e Ele tudo fará”. Só no Senhor você consegue superar tudo. Ser de Deus também significa estar preparado para, muitas vezes, caminhar sozinho, não ausente d’Ele, mas sozinho. Continue caminhando, pois valerá a pena. O Criador quer colocá-lo no centro da vontade d’Ele. Esperança é isso: eu não vejo e não sinto, mas, mesmo assim, estou aqui.
“Portanto, não temais as suas ameaças e não vos turbeis. Antes santificai em vossos corações Cristo, o Senhor. Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança, mas fazei-o com suavidade e respeito” (I São Pedro 3,15).
A razão de nossa esperança tem um nome e esse nome é Deus. Pois Ele pode até demorar, mas Ele capricha.
Transcrição : Pollyana Fonseca

18 de dez de 2009

Missão CEFAS

ADVENTO

Um novo tempo se descortina no cenário da Igreja nestes dias – o Advento. Quando paramos para pensar um pouco a respeito do ADVENTO, logo percebemos a riqueza desse tempo litúrgico. Aliás, também percebemos que na sua espiritualidade e mística este é um tempo de esperança porque Cristo é a nossa esperança como sugere o Apóstolo Paulo em sua primeira carta a Timóteo; esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas, esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições, etc.

Advento tem sua raiz etimológica no latim ad-venio, que significa chegar. Por isso, enquanto se espera a chegada de alguém se toma a atitude de atenção, se fica de prontidão. Mas a quem ou o que estamos aguardando? Atualizamos a nossa espera no Menino Deus que está sendo gestado no seio da condição humana, que vai nascer no solo de nossos corações e irá nos trazer a salvação. Aguardamos no desejo incontido de ver as estradas se transformando, aos poucos, em chegadas revestidas de alegrias, por meio do nascimento do amor – o Verbo Encarnado. Neste processo de espera somos levados à certeza de que nenhuma passagem pode ser sem esforço. É no muito esperar que alcançamos o outro lado do rio, o outro lado da margem, e para tanto é preciso ser sustentados pela âncora da espera e guiados pela bússola da esperança se quisermos fazer tal percurso.

Gosto sempre de pensar também que o Advento embora signifique a espera n’Aquele que vem, é também recordação de sua chegada, isto é, sua presença já começada. Já me explico: A teologia do Advento significa também a presença começada do próprio Deus. Por isso, ela nos recorda duas coisas: primeiro, que a presença de Deus no mundo já começou, e que Ele já está presente de uma maneira oculta tal como o fruto está velado na semente; em segundo lugar, que essa presença de Deus acaba de começar, ainda que não seja total, e está em processo de crescimento e amadurecimento nos solos dos corações, como também acontece com os frutos ao traduzirem seus primeiros sinais de presença no seio da terra. E aqui o interessante é que singular processo se dá com o Menino Deus, porque sua presença já começou, e somos nós, os que abraçamos o Cristianismo que devemos fazê-lo crescer no mundo ao regarmos a semente dessa presença com a água da ESPERANÇA.

Talvez você já tenha percebido também que o segredo de uma boa colheita está no cultivo e na espera. O cultivo por vezes traduz com beleza o fruto que está por vir. E a espera é a concretude de que o fruto que está para chegar de algum modo nos trará algo novo, algo que nos faça contemplar a vida com outras cores e experimentá-la com outros sabores. Advento, portanto, é isso. É tempo de espiritualidade que nos favorece nutrir o cultivo da fé e da esperança no Cristo que nasce em cada coração humano no Natal que sucede a essa espera. Advento, portanto, é também Sacramento, isto é sinal da Esperança. “Spe Salvi facti sumus“ - pois, é na esperança que fomos salvos (Rm 8,24). Que nosso Advento, seja, pois uma oportunidade fecunda de dar sentido a essa esperança n’Aquele que nos redimiu quando veio nos visitar e resolveu fazer morada em nosso coração.


 Grato, Jerônimo Lauricio
    www.jeronimolauricio.com

Com mais de vinte praias, Guarapari é um dos principais pontos turísticos do ES

Fundada em 1585 após o padre José de Anchieta percorrer ainda no século 16 a Capitania do Espírito Santo, Guarapari se tornou famosa graças as areias monazíticas da região, que possuem alto grau de radioatividade com efeitos terapêuticos.
Isso aconteceu em 1960, quando essa informação se espalhou pelo país. De lá para cá, a “Cidade Saúde”, como também é conhecida, se tornou o destino de milhares de pessoas. Localizada no Espírito Santo, a cidade possui cerca de cem mil habitantes e é um dos mais importantes pontos turísticos do Estado.
Além de suas areias, Guarapari se destaca por sua diversidade de praias, paisagens e também por ser referência em shows, festas e eventos de verão. São mais de vinte praias que recebem cada vez mais visitantes e são ideais para aqueles que adorar praticar esportes. As preferidas dos surfistas são as praias de D Ulé e a de Setibão devido às altas ondas e menor número de banhistas.
Para quem prefere lugares mais agitados, praias como a do Morro, Castanheiras e de Areia Preta ficam sempre cheias graças aos diversos estabelecimentos comerciais que compõe seus arredores, como restaurantes, bares, farmácias, bancos, supermercados. Caso você queira visitar Guarapari na alta temporada, o ideal seria se hospedar próximo a estas praias, principalmente porque nessa época o trânsito se torna caótico.
Durante a alta temporada o lugar mais badalado fica por conta da região de Nova Guarapari, conhecida também como Enseada Azul, onde encontra-se residências de veraneio e suas praias, especialmente a Bacutia, são palcos de eventos.
Outra praia famosa pela badalação é a Meaípe, ideal para os jovens que buscam festas e para aqueles que procuram os melhores pontos gastronômicos da cidade.
A praia mais famosa e onde encontramos a areia medicinal é a Areia Preta, localizada no centro de Guarapari. É nela que os turistas podem visitar a areia monazita. No final desta praia, é possível observar um barranco de cores variadas, passando do roxo, avermelhado até o branco. É a conhecida batinga, barro moldável utilizado para esculpir objetos.
Para os mergulhadores, as Ilhas Rasas e as Três Ilhas, como os famosos naufrágios capixabas dos navios Bellucia e Victory, são os lugares mais frequentados para aqueles que adoram explorar a diversidade marinha.
Outro ponto forte de Guarapari é a culinária local. Os pratos típicos da região são a moqueca capixaba, que ao contrário da baiana não recebe dendê ou leite de coco, a caranguejada e a Torta Capixaba, preparada com palmito, bacalhau, camarão e siri, entre outros frutos do mar.
A cultura local também chama a atenção de quem visita Guarapari. Além de ter patrimônios históricos como a Casa da Cultura, que possui mais 150 anos, e a Velha Matriz e as Ruínas da Igreja, o artesanato local se destaca em meio a tantos passeios, pontos turísticos, entre outros. Panelas de barro, artesanato em conchas, artigos em coco e de vime e taquara são alguns trabalhos que podem ser encontrados na cidade.

Hospedagem

Hotel Fazenda Flamboyant
Localização: Amarelos
Br 101 Km 319
Fone: 03007897877 / (27) 3229-0434
Spa e Centro de Hotelaria
Localização: Nova Guarapari
Rua M 1 A 48
Fone: (27) 3272-1221 / (27) 3272-1221
Hotel Meaípe
Localização: Meaípe
Rua Izaltino Alves 74
Fone: (27) 3272-1240
Pousada Airy
Localização: Meaípe
Avenida Meaípe, 1153 - Enseada Azul
Fone: (27) 3272-0744 / (27) 3261-3249

Restaurantes

Guaramare
O restaurante funciona na casa do proprietário e não há cardápio; os pescados são levados à mesa para a escolha do cliente, que decide como será preparado (massa, grelhado, em paella, etc).
Avenida Meaípe, 716
Fone: (27) 3272-1300
Cantinho do Curuca
Localizado na beira da praia, é especializado em moqueca capixaba.
Avenida Santana, 96
Fone: (27) 3272-1262
Gaeta
Possui vista para o mar e traz nos cardápios moquecas e bobós, sendo os mais famosos os de camarão e lagosta.
Avenida Santana, 45
Fone: (27) 3272-1202
 
 
 Fonte: Riberão Preto On line
Fotos: Divulgação




15 de dez de 2009

Emprego e comida são os campeões de pedidos no Natal dos Correios

Redação   
11/12/09
O projeto de Natal dos Correios, que disponibiliza cartinhas de crianças com pedidos a Papai Noel, tem recorde de pedidos de empregos e de comida. Até pedido de frango assado com guaraná Papai Noel recebeu este ano.
As cartas com desejos inusitados foram retiradas do projeto, permanecendo apenas as enviadas por crianças com pedidos de brinquedos, onde a tão sonhada bicicleta continua a reinar soberana. Se você quer realizar o sonho de uma criança, vá até a agência central dos Correios e pegue uma das cartas. O presente deverá ser entregue no mesmo local, devidamente embrulhado. Os próprios carteiros farão a entrega. Participe!

 Fonte: Jornal Teresópolis

14 de dez de 2009

Correios lançam selo e carimbo em homenagem à Canção Nova


Leonardo Meira - Da Redação

Robson Siqueira / Canção Nova

Eto na cerimônia de lançamento do selo comemorativo
O ano de 2009 é repleto de datas importantes para a Comunidade Canção Nova.

Uma p3�o Nova
.

Uma pEComunidade Canção Nova.

Uma pD"http://www.correios.gov.br/" target="_blank" title="Vá para o site dos Correios">ECT) e a Comunidade resultou no lançamento de um selo comemorativo aos 20 anos da TV CN e um carimbo aluviso ao Hosana Brasil.

Os selos estarão presentes nas correspondências expedidas pela Fundação João Paulo II. Já o carimbo será utilizado pela agência dos Correios de Cachoeira Paulista (SP) até o próximo dia 31 de dezembro.

"Estamos comemorando o primeiro ano do Reconhecimento Pontifício - quando a Canção Nova foi elevada pelo Vaticano à condição de Associação Internacional de Fiéis -, 30 anos de evangelização pela Rádio Canção Nova, 20 anos de TV CN e 14 anos falando de Deus na internet. Em resumo, temos muito de nos alegrar e agradecer", ressalta o diretor-executivo da Fundação, Wellington Silva Jardim, o "Eto".

A responsável pelo Departamento de Filatelia e Produtos da ECT, Maria de Lourdes Torres de Almeida, destaca que os selos são comunicadores.

"É muito mais que um mero franqueamento entre as duas instituições - comunica a religiosidade de um povo e de um evento que convoca para o louvor", explica.

O lançamento também ajuda a incrementar a já vasta coleção de selos com temática religiosa produzidos pela ECT.

A cerimônia de obliteração - lançamento dos selos e ato simbólico de carimbação - aconteceu no último sábado, 5, durante o Hosana Brasil.

.: Conheça o selo comemorativo aos 20 anos da TV CN
.: Acesse o carimbo em homenagem ao Hosana


Siga o Canção Nova Notícias no twitter.com/cnnoticias
Conteúdo acessível também pelo iPhone - iphone.cancaonova.com

9 de dez de 2009

Década de 2000 é a mais quente desde 1850

Nos últimos 50 anos, a temperatura média nos Alpes franceses aumentou quase 2ºC. E isso, obviamente, refletiu na neve. Mais calor, menos gelo.

Cientistas das Nações Unidas afirmaram, nesta terça-feira, que esta primeira década do século XXI é provavelmente a mais quente desde 1850, quando as temperaturas mundiais começaram a ser registradas.

A velocidade impressionante com que o gelo e a neve estão derretendo em várias partes do planeta, a gente vê na reportagem especial dos correspondentes Marcos Losekann e Paulo Pimentel.

Gota a gota. Litros e litros de água que um dia já foi gelo. Primeiro, filetes. Depois, rios. Por fim, lagos que nascem em locais inusitados.

O Imja, formado pelo degelo na cordilheira do Himalaia, é onde fica o Everest, o monte mais alto do planeta.

A imagem pode até ser bonita, mas o Imja não deveria estar aqui. Uma foto mostra que em 1956 ele não existia. A água que agora forma o lago ficava lá no alto, na forma de gelo.

“Pior não são os lagos”, explica o cientista. O problema é o nível do mar, pra onde corre a maior parte da água das geleiras derretidas. Os oceanos devem subir, em média, meio metro até 2050.

Se no topo do mundo, o gelo derrete, pior ainda nas montanhas mais baixas.

Na Rússia, vastidões geladas, que jamais ficavam descobertas, agora estão. Lagos glaciais são as últimas heranças do que já foi um mar de gelo. Fenômeno que preocupa no Polo Norte, onde a vida depende das geleiras.

Também na Austrália, onde o mar, em média 2ºC mais quente do que há 3 décadas, ameaça alguns dos maiores recifes de coral do planeta. Um drama universal, que não respeita fronteiras.

Na Europa, o problema é mais visível nos Alpes, onde as estações de esqui servem de ''termômetro''.

A cada inverno, as pistas estão localizadas em pontos mais altos, montanha acima, onde ainda existe neve.

Em busca desses redutos gelados, fomos conhecer Grenoble, no sudeste da França. O rio que corta a cidade é o primeiro sinal.

Costumava já estar parcialmente congelado nesta época do ano. Agora é só um rio, como outro qualquer. Rumo ao topo das montanhas que cercam a cidade, vamos conhecer o maior centro de medição de neve da Europa.

Nos últimos 50 anos, a temperatura média aqui nesta região dos Alpes franceses aumentou quase 2ºC. E isso, obviamente, refletiu na neve. Mais calor, menos gelo. A última vez em que a neve cobriu réguas de 3 metros de altura foi em 1970. De lá pra cá, foi baixando, baixando. Este ano, por enquanto, mal chega a meio metro. E se continuar desse jeito, no auge do inverno, não deve passar dos 90 centímetros.

O sub-chefe do Centro, Jean-Louis Dumas, afirma que a medição feita há 5 décadas não deixa dúvida: “A diminuição das nevascas, ano a ano, é lenta mas regular. Os gráficos mostram o declínio constante”.

Jean-Louis constata que o aumento médio da temperatura na terra é diretamente relacionado à diminuição da neve.

“Não arrisco culpar somente as pessoas”, diz ele. “Sabemos que os degelos também podem ser naturais e cíclicos. O que é certo é que o homem, ao descuidar do meio ambiente, pode estar contribuindo para esse fenômeno''.

Mesmo na Groelândia, região que pertence à Dinamarca e que tem tirado vantagem do degelo, as mudanças climáticas assustam.

Na terra que não tinha um palmo sequer descoberto de gelo, nem mesmo no verão, agora sobram extensas áreas nuas para a exploração de petróleo e minério.

Mas a pesca, que mata a fome da maioria da população, já não rende como antes. “Ganhamos algumas coisas com o degelo”, diz o pescador. “Mas perdemos muito também. Hoje em dia, os poucos peixes que conseguimos pescar têm menos da metade do tamanho de 15, 20 anos atrás.
O número de turistas também diminuiu”.

“Eles vinham ver os icebergs colossais que flutuavam há poucos quilômetros da costa”, diz um empresário. “Costumavam ser até 20 vezes maiores do que os que sobraram”.

Se contentar com o que sobrou, aceitar a sorte, inocentar o homem. Ou assumir parte da culpa e lutar para frear o aquecimento global?

Respostas que a humanidade espera dos líderes mundiais, que já se reuniram pra tratar do assunto no Rio, em 92, em Kioto em 97. E que agora, novamente, se juntam em Copenhague. A natureza pode não dar uma nova chance.

Fonte: Jornal Nacional - Globo.com
http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL1408265-10406,00-DECADA+DE+E+A+MAIS+QUENTE+DESDE.html

7 de dez de 2009

Faça a diferença neste Natal

Clique para Ampliar
A EXPECTATIVA DOS Correios é de que sejam apadrinhadas em torno de três mil cartas este ano
Foto: Kiko Silva

6/12/2009

Quem disse que Papai Noel é um só? Qualquer pessoa pode encarnar o personagem sem sequer precisar ter barba branca e usar roupas vermelhas. Pelo projeto Papai Noel dos Correios, a empresa coloca à disposição dos candidatos a bom velhinho cartas de crianças de todo o Estado com pedidos de presentes.

Até agora, já foram recebidas cerca de 11 mil cartas, mas menos de mil foram apadrinhadas. A expectativa é de que o número chegue a três mil, a mesma quantidade do ano passado. Antes de serem colocadas na árvore à espera de adoção, o material passa por uma triagem. Os Correios priorizam cartinhas de crianças com até 10 anos de idade e escritas a mão. São descartadas as correspondências que não possuem remetente ou com endereços repetidos.

Como participar

Os interessados devem se dirigir às agências participantes - saiba mais na agência mais próxima de você -, escolher uma ou mais crianças e comprar os tão sonhados presentes, que devem ser deixados no mesmo local onde a carta foi retirada. O prazo vai até o próximo dia 12 de dezembro. Os padrinhos não têm acesso aos endereços das crianças. A entrega aos destinatários fica por conta dos Correios.

Os pedidos, todos de crianças carentes, revelam histórias, muitas vezes, comoventes. Os tão sonhados presentes vão desde bonecas, carrinhos, skates, patins e videogames até material escolar. Vários querem ainda roupas e calçados. É possível encontrar cartas para papais-noéis com bolsos de todos os tamanhos. Uma delas, escrita pela mamãe de uma menina de apenas nove anos, de Fortaleza, diz: "Minha filha espera por um transplante de coração e tenho sofrido muito por tudo isso, mas gostaria muito que ela tivesse um Natal especial".

Histórias de vida

O representante comercial Jean Carlos Muniz Pereira adotou três cartas este ano, mas uma delas chamou mais a sua atenção. "O menino dizia que queria ganhar qualquer presente. Isso é de cortar o coração de qualquer um", explicou. "A felicidade ou a decepção de uma criança só dependem da generosidade de cada um".

Para a dona-de-casa Francisca Valdirene Batista, a única chance de os três filhos ganharem presentes no Natal está no Papai Noel dos Correios. No ano passado, um deles, foi contemplado. A menina recebeu uma boneca. "Acho que foi o dia mais feliz da vida dela, e para quem deu talvez nem tenha significado tanto. Este ano, queria que todos ganhassem", disse. "Não tenho condições de comprar, e aposto na bondade de alguém".

A iniciativa surgiu há pelo menos 20 anos, mas só virou um projeto corporativo em 1997. Os carteiros não sabiam o que fazer com as centenas de cartas endereçadas a Papai Noel e, sensibilizados, eles próprios tentavam atender aos pedidos. Hoje, a ação acontece nas 28 diretorias regionais dos Correios.

Para quem se interessa em participar, procure maiores informações na agência dos Correios mais próxima.

Fonte: Diário do Nordeste
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=701939

4 de dez de 2009

Natal, festa da bondade de Deus

Natal, festa da bondade de Deus
Frei Raniero Cantalamessa, OFM

Existem dois modos de manifestar a um outro o próprio amor. O primeiro consiste no fazer dons à pessoa amada. Acontece assim também na experiência humana: quando brota um amor entre duas criaturas, a primeira necessidade é fazer-se presentes e mimos para assegurar ao outro o próprio interesse e afeto.

Deus nos amou assim na criação. A criação é toda um dom: dom é o ser que possuímos, dom as flores, o ar, o sol, a lua, as estrelas, o cosmo no qual a mente humana se perde... Faz crescer o feno para os gados e a erva a serviço do homem, para que traga alimento da terra: o vinho que alegra o coração do homem e o pão que sustenta o seu vigor... (Sl 104,14s).

Mas há um segundo modo de manifestar a um outro o próprio amor, muito mais difícil do que o primeiro, é sofrer pela pessoa amada. E este é o amor com que Deus nos amou na sua encarnação. “Assim como não devia permanecer escondido quão intensamente Deus nos amasse, para dar-nos a experiência do seu grande amor e mostrar que nos ama com um amor sem limite, Deus inventa o próprio aniquilamento, realiza-o e faz de modo a tornar-se capaz de sofrer e de padecer coisas terríveis.

Assim, com tudo aquilo que suporta, Deus convence os homens do seu extraordinário amor por eles e os atrai novamente a si, eles que fugiam do bom Senhor crendo ser por ele odiados” (N. Cabasilas, Vita in Cristo, VI, 2; PG 150,645; trad. it. aos cuidados de Um. Neri, Turim, 1971). “Inventou o próprio aniquilamento”, se “despojou” (ekenosen), tomando a forma de servo (cf. Fl 2,7). Deus não se contentou em amar-nos com amor de beneficência, mas nos amou também com amor de sofrimento.

Para compreender o mistério do Natal é preciso ter o coração dos santos. Eles não ficavam na superficialidade do Natal, mas penetravam no íntimo do mistério. “A encarnação – escrevia uma destas almas – realiza em nós duas coisas: a primeira é que nos enche de amor; a segunda, nos dá a certeza da nossa salvação. A caridade que ninguém pode compreender! O amor além do qual não existe amor maior: o meu Deus se fez carne para me fazer Deus! O amor desentranhado: destruíste-te para construir-me.

O abismo do teu fazer-te homem arranca dos meus lábios palavras tão desentranhadas. Quando tu, Jesus, me fazes compreender que nasceste por mim, como é glorificante para mim compreender um tal fato!” (B. Angela de Foligno, Il libro, Quaracchi, 1985, p.712s). Durante as festividades do Natal, nas quais acontece a sua passagem deste mundo, esta insuperável, escrutadora dos abismos de Deus, uma vez mais voltando-se aos filhos espirituais que a circundavam, exclamou: “O Verbo se fez carne!” E depois de uma longa hora na qual permanecera absorta neste pensamento, quase voltando de muito longe, acrescentou: “Nenhuma criatura consegue. Toda inteligência dos anjos não basta!” E aos presentes que lhe perguntavam o que nenhuma criatura consegue e para que coisa a inteligência dos anjos não basta, respondeu: “Para compreender!” (ib. p.726).

Extraído de: Cantalamessa, Raniero. O mistério do Natal. Aparecida-SP: Santuário. 1993, pp. 40-42.

Fonte: comunidade católica shalom

3 de dez de 2009

O lado perigoso do mau uso do Orkut...

Professor de Informática da USP




Dêem uma pausa e reflitam sobre a verdade do que está escrito abaixo.






O ORKUT apareceu como uma forma de contatar amigos, saber notícias de quem está distante e mandar recados.






Hoje está sendo utilizado com o propósito de, creio ser o seu maior trunfo, obter informações sobre uma classe privilegiada da população brasileira.






Por que será que só no Brasil teve a repercussão que teve?






Outras culturas hesitam em participar sua vida e dados de intimidade, de forma tão irresponsável e leviana..






Por acaso você já recebeu um telefonema que informava que seus filhos estavam sendo seqüestrados?






Sua mãe idosa já foi seguida por uma quadrilha de malandros ?






Já te abordaram num barzinho, dizendo que te conheciam faz tempo?






Já foi a festas armadas para reencontrar os amigos de 30 anos atrás e não viu ninguém?






Pois é.. Ta tudo lá.






No ORKUT.






Com cinco minutos de navegação


eu sei que quantos filhos você tem, ou se não tem,


se tem namorado/a ,


sei que estuda no colégio tal, ou que traba lha em tal lugar,


sei que freqüenta tais cinemas, tais bares, tais festas ....


sei nome de familiares, sei nome de amigos;


sei sei sei !






E o melhor de tudo, com uma foto na mão!


Identifico seu rosto em meio a multidões, na porta do seu trabalho, no meio da rua.


Afinal, já sei onde você está.


É só ler os seus recadinhos.






Faço um pedido:






Quem quiser se expor assim, faça-o de forma consciente e depois não lamente, nem se desespere, caso seja vítima de uma armação.


Mas poupe seus filhos, poupe sua vida Íntima.






O bandido te ligou pra te extorquir dinheiro também porque você deixou..


A foto dos meninos estava lá.. Teu local de trabalho tava lá.


A foto do hotel 5 estrelas na praia tava lá.


A foto da moto que está na garagem estava lá.






Realmente somos um povo muito inocente e deslumbrado.






Por enquanto, temos ouvido falar de ameaças a crianças e idosos.


Até que um dia a ameaça será fato real. Tarde demais.


Se você me entendeu, ótimo!






Reveja sua participação no ORKUT, ou ao menos suprima as fotos e imagens de seus filhos menores e parentes que não merecem passar por situações de risco que você os coloca.


Oriente seus filhos a esse respeito ,pois colocam dados deles e da família sem pensar em consequências,fazem isso pelo desejo de participar, mas não sabem ou não pensam no perigo de se dar dados pessoais e da família para que qalquer pessoa veja.






Se acha que não tenho razão, deve se achar invulnerável.






Informo que pessoas muito próximas a mim e queridas já passaram por dramas gratuitos, sem perceber que tinham sido vítimas da própria imprudência.






A falta de malícia para a vida nos induz a correr riscos desnecessários..


Não só de Orkut vive a maioria dos internautas.






Temos uma infinidade de portas abertas e que por um descuido colocamos uma informação que pode nos prejudicar.






Disponibilizar informações a nosso respeito pode se tornar perigoso ou desagradável.


Portanto, cuidado ao colocar certas informações na Internet.


Não conhecemos a pessoa ou as pessoas que estão do outro lado da rede.


O papo pode ser muito bom, legal.


PS:


Passe a todos que você conhece e que utiliza o Orkut, 1Grau, Gazzag, NetQI, Blogs, Flogs, etc..... para que todos tenhamos consciência sobre o assunto e possamos colaborar com a diminuição do crime.






Um abraço,


Marco André Vizzortti


Professor de Informática da USP


(Universidade de São Paulo)


*********************


ATENÇÃO ESTA CAMPANHA


É MUITO IMPORTANTE PARA SUA SEGURANÇA E DE SEUS FAMLIARES

2 de dez de 2009

DEUS CUIDA DE MIM

OS ERROS DA BIBLIA - EDIÇÃO PASTORAL

POR: D. Estevão Bettencourt, osb.

Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
Nº 342 – Ano 1990 – Pág. 514


BÍBLIA SAGRADA. EDIÇÃO PASTORAL


Em síntese: A “Bíblia. Edição Pastoral”, em tradução e notas de Ivo Storniolo e Euclides Balancin, não preenche a finalidade que se propõe. Inspirada por ideologia marxista, deturpa as concepções da história sagrada e da teologia; a leitura materialista aplicada ao texto sagrado torna a mensagem imanentista, fazendo-a perder o seu caráter transcendental. O Vocabulário do fim do volume e as notas de rodapé dão as chaves de interpretação dos livros bíblicos; a própria tradução portuguesa, num ou noutro ponto, deturpa o sentido do texto sagrado. Em conseqüência, deve-se lamentar a difusão de tal obra nos ambientes eclesiásticos do Brasil. A Pastoral não significa incitamento à luta de classes e às divisões entre os homens.

As Edições Paulinas publicaram uma nova tradução da Bíblia dita “Pastoral” (BP), acompanhada de notas de rodapé e Vocabulário, que vêm suscitando perplexidade: há os que defendem tal edição, devida a Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin, como sendo “o livro ideal” (ver “Jornal de Opinião”, 1-7/7/90, p. 3). Mas há também os que a impugnam com argumentos sérios, mostrando graves falhas na inspiração básica e na confecção de tal tarefa. O assunto já foi abordado em PR 337/1990, pp. 285s. Voltamos ao problema, aduzindo novas observações, provenientes, em grande parte, de D. João Evangelista Martins Terra S. J., Bispo  Auxiliar de Olinda-Recife, Membro da Equipe Teológica do CELAM e da Pontifícia Comissão Bíblica.

1.    Três observações básicas

A tradução do texto bíblico da Edição Pastoral é aceitável com algumas ressalvas, que indicaremos à p. 523s deste artigo. Todavia, as notas de pé de página e o Vocabulário, encontrado às pp. 1616-23, pretendendo dar a chave de leitura e interpretação da Bíblia, são alheios à Tradição bíblica judeo-cristã e distorcem a mensagem sagrada para o setor da ideologia sócio-político-econômica. Sem o perceber, o leitor desprevenido vai absorvendo uma concepção filosófica não cristã sob a capa de Palavra de Deus. Isto se depreende facilmente desde que se dê um pouco de atenção ao Vocabulário dessa Edição.

1.1.        O elenco do Vocabulário

Eis os principais verbetes que interessam aos estudos e ao linguajar bíblicos ou os principais vocábulos da mensagem bíblica tomada como tal: Aarão, Abel, Abraão, Ação de graças, Adão, Adoração, Adultério, Água, Alma, Anjo…

Bem diferentes são os verbetes do Léxico da Edição Pastoral dispostos segundo a ordem alfabética: Aliança, Alienação, Amor, Autoridade, Auto-suficiência, Campo, Celebração, Cidade, Comércio, Compaixão, Comunidade, Conflito, Consciência, Conversão, Corrupção, Dinheiro, Direito, Discernimento, Dominação, Educação, Encarnação, Escravidão, Esperança, Exploração, Fé, Fraternidade, Gratidão, Herança, História, Idolatria, Injustiça, Integridade, Javé, Jesus, Julgamento, Justiça, Lei, Liberdade, Libertação, Liderança, Lucro, Memória,… Poder,…Produção, Projeto de Deus, Prosperidade,… Repressão,… Riqueza, Roubo, Tributo,… Violência… Estes vocábulos têm sua repercussão nas notas de rodapé, inspirando uma doutrina que já não é bíblica, mas preponderantemente marxista. Os próprios vocábulos tipicamente bíblicos que ocorrem no Léxico Pastoral, são esvaziados de seu conteúdo próprio e característico para assumir significação ideológica. Assim, por exemplo:

Aliança: É o centro da Bíblia. Deus se alia com os pobres e oprimidos para construir uma sociedade e uma história voltadas para a vida”.

Ora é de notar que a Aliança de Deus com os homens não começa na época dos pobres e oprimidos, mas é universal ou destinada a todos desde o início; o segundo Adão, Jesus Cristo, Mediador da nova e definitiva Aliança, tem sua imagem ou seu esboço no primeiro Adão, pai de toda a humanidade, conforme Rm 5, 14; é com os primeiros pais que Deus trava a primeira Aliança, voltada para todos os homens, conforme Eclo 17, 10.

Amor: Mistério de Deus e do homem. Gera a relação de onde brotam a liberdade e a vida”.

Celebração: Reunião  do povo para comemorar os fatos centrais da vida e conservar a lembrança dos acontecimentos que marcaram a caminhada do povo”.

Este conceito se aplica às celebrações cívicas, não, porém, às celebrações litúrgicas, nas quais se torna presente e atuante a Páscoa (morte e Ressurreição) de Jesus Cristo para fazer que os homens participem da obra da Redenção.

Esperança: Dinamismo que mantém o povo aberto para realizar plenamente o projeto de Deus. A esperança leva o povo a buscar transformações econômicas, políticas, sociais e religiosas”.

Silencia-se o objeto supremo da esperança cristã, que é a vida eterna com a visão de Deus face-à-face.

Fraternidade: … Relação igualitária, onde todos, como irmãos, podem participar das decisões que constroem a sociedade, e juntos usufruir dos bens que cada um produz”.

Javé: É o misterioso Deus vivo que se manifesta respondendo ao clamor dos pobres e oprimidos para os libertar dos exploradores e opressores. Ele é a fonte e a meta da liberdade e da vida. Por isto é aliado daqueles que buscam  liberdade e vida, opondo-se a todas as pessoas e estruturas que produzem escravidão e morte”.

Justiça: Realização do projeto de Deus. A justiça se concretiza na partilha e na fraternidade, dirigindo-se a sociedade para a solidariedade e a paz. Exige, para todos, a distribuição igualitária dos bens e a possibilidade de participar das decisões que regem a vida e a história do povo. Na Bíblia a justiça é eminentemente partidária, visando a defender a causa dos indefesos”.

Como se vê, os conceitos bíblicos são todos analisados em chave sócio-política, que supõe a luta de classes na sociedade.

Duas noções  merecem especial atenção.

1.2.        A Revelação

Eis como a apresenta o Vocabulário:

Revelação: Manifestação de Deus através das realidades da vida e dos acontecimentos da história. Mostra o caminho que o povo deve seguir. Exige a atenção do homem, pois Deus está continuamente se revelando”.

O conceito de Revelação que até hoje se prolonga, é ambíguo. A fé católica distingue:

1) A Revelação de Deus normativa que manifesta  o desígnio de Deus e os meios de salvação; encerra-se com Jesus Cristo, como diz a própria S. Escritura: “Outrora muitas vezes e de muitos modos Deus falou aos pais  pelos Profetas. No período final, em que estamos, falou-nos por meio do Filho” (Hb 1,1s).

2) Após Jesus Cristo, não há Revelação normativa; Deus proporciona “os sinais dos tempos” que reavivam no homem a consciência das verdades da fé, mas  nada acrescentam de novo; estamos nos últimos tempos relativamente à doutrina (cf. 1Jo 2, 18).

O Papa Pio X condenou explicitamente a proposição modernista que dizia:

“A Revelação que constitui o objeto da fé católica, não se encerrou com os Apóstolos” (Denzinger-Schönmetzer, Enchiridion n.º 3421 [2021]).

O Concílio do Vaticano II reafirmou a clássica doutrina:

“Jesus  Cristo aperfeiçoa e completa a Revelação e a confirma com o testemunho divino de que Deus está conosco… A economia cristã, como aliança nova e definitiva, jamais passará, e não há que esperar nova revelação pública antes da gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. 1Tm 6,14 e Tt 2,13)”  (Const. Dei Verbum n.º 4).

Vê-se pois, que o Vocabulário da Bíblia Pastoral está longe do genuíno pensamento católico.

1.3.        Projeto de Deus

Todo o Vocabulário e as notas de rodapé são perpassadas pela noção de projeto de  Deus, que dá o sentido aos demais verbetes. Ocorre mais de seiscentas vezes na Edição Pastoral, e até mesmo cinco ou seis vezes na mesma frase.

Ora “projeto de Deus” no contexto dessa obra não é uma noção teológica; não significa nem Providência nem desígnio de Deus, mas, sim, algo de tipicamente marxista, como se depreende a seguir:

Projeto de Deus: Aliando-se aos que são marginalizados pelo sistema injusto. Deus entra na história com novo caminho: promover a liberdade e a vida para todos. Todavia esse projeto está sempre em conflito com o projeto das nações que alicerçam sua riqueza e poder sobre a escravidão e a morte do povo. A luta para manter vivo dentro da história o projeto de Deus é o ponto de honra do povo de Deus”.

Como dito, a expressão “projeto de Deus” entra na composição de muitos outros verbetes do Vocabulário como um chavão ideológico. Eis alguns espécimens:

Comércio: Atividade econômica fundamental da cidade, destinada… a gerar lucro, exploração e riqueza. No projeto de Deus, o comércio é superado pela partilha e gratuidade”.

Conflito: Choque entre grupos que têm objetivos e interesses diferentes. Na Bíblia, o principal conflito aparece entre o projeto de Deus para a vida e os projetos da auto-suficiência, que geram a morte”.

Consciência: Compreensão que o povo tem da realidade, a partir do projeto de Deus. Ela demitiza a ideologia da classe dominante, e cria discernimento para se construir uma sociedade fundada na justiça e na fraternidade”.

Educação: Relação entre gerações (pais-filhos), na qual se transmite a memória das lutas do povo, a fim de que a nova  geração aprenda com os erros e acertos de seus pais. Dessa forma, a nova geração poderá criar caminhos novos e alternativos para realizar o projeto de Deus na história. As tradições da Bíblia se conservaram graças a esse processo”.

Encarnação: Deus encarna-se na vida e na história humanas, mostrando o valor inestimável que elas têm diante dele. A coerência com a fé exige que nos encarnemos também para que o projeto de Deus transforme as estruturas políticas e econômicas, dirigindo a história para a liberdade e a vida”.

Propriedade: O direito de propriedade é sagrado, e o mundo deve ser igualitariamente distribuído entre todos. A acumulação de propriedade, formando latifúndios, e a especulação imobiliária são contrárias ao projeto de Deus”.

Ressurreição: Passagem da morte para a vida. Não se refere apenas à morte física, mas a todas as mortes geradas por projetos contrários ao projeto de Deus”.

Sociedade: Grupo humano que realiza um projeto em comum, organizado em nível econômico, político, social e ideológico. Nem sempre a sociedade vive o seu projeto de acordo com o projeto de Deus, que provoca transformações  profundas nas relações sociais”.

Estes poucos espécimens mostram que a mensagem bíblica é toda repensada e posta estritamente a serviço de transformações sócio-político-econômicas imanentes, sem que haja acenos à transcendência para a qual devem caminhar o homem e a história. A justiça e a reta ordem social neste mundo são germens do Reino de Deus, que só estará consumado no fim dos tempos ou no Além, jamais no decorrer da história. O materialismo marxista é que julga poder prometer a plena realização das aspirações dos homens no decurso da história mediante a redistribuição dos meios de produção material.

2.    A filosofia subjacente

Quem lê atentamente os verbetes do Vocabulário e as notas de rodapé da BP verifica que são devedores ao que se chama “a leitura materialista da Bíblia”. Esta não nega  Deus e os valores espirituais, mas julga que são “super-estrutura” ou derivados da “infra-estrutura” ou do jogo dos bens materiais no curso da história. Com outras palavras: supõe que os fatores decisivos da história sejam de ordem material (econômica) e política; a  procura de posse dos bens materiais e do poder moveria todos os acontecimentos da história e condicionaria a crença em Deus, o culto religioso e a definição das normas morais. Adotando teses do marxismo, os fautores da leitura materialista da Bíblia contrapõem entre si campo e cidade, como, aliás, fazem I. Storniolo e E. Balancin:

Campo: É o polo fundamental da produção  que sustenta a vida. É explorado pela cidade”.

Cidade: Lugar da riqueza e do poder, que se concentram na mão de poucos, produzindo conflitos, principalmente com o campo” (p. 1616).

Partindo destes conceitos, os autores das notas da BP comentam o texto bíblico de maneira artificial e deformante:

Assim, por exemplo, o livro do Gênesis refere que Lote se separou de Abraão, ficando aquele com as cidades, e este com os campos. A nota a Gn 13,1-18 diz então o seguinte: “Ló escolhe a região onde estão as cidades; assim ele entra no âmbito de uma estrutura que se sustenta graças à exploração e opressão do povo. Abraão, ao invés, fica aberto para uma história nova, fundada unicamente no projeto de Deus” (p. 26).

O comentário de Js 4,1-24 justifica a partilha da terra de Canaã pelos filhos de Israel nos seguintes termos:

“Antes da instalação de Israel, Canaã era um conjunto de cidades-Estado que oprimiam e empobreciam a população camponesa, através do sistema tributário. A conquista realizada por Israel derrotou esse sistema e implantou o sistema das  doze tribos…, visando construir uma sociedade justa e igualitária… A nova geração deve ser educada a não voltar para trás, reproduzindo o sistema social injusto” (p. 244).

Vejam-se as notas paralelas:

“Só existe verdadeira paz quando se erradica completamente o sistema injusto que explora e oprime o povo” (p. 253).

“A conquista da terra… destrói um sistema classista injusto” (p. 255).

“As  Cidades-Estado de Canaã justificavam a política opressora e exploradora dos seus reis” (p. 272).

“Sem poder mais explorar os camponeses e suas terras, tais cidades não conseguiram oferecer sacrifício… seus armazéns ficaram vazios por falta de trigo. Enquanto isso, os camponeses vitoriosos conseguiram livrar-se dos tributos e puderam gozar da fartura” (p. 274).

“Para uma volta ao projeto de Javé, é necessário romper… o sistema opressor das cidades” (p. 276).

A leitura materialista da Bíblia, julgando que as cidades se enriquecem mediante o tributo cobrado dos camponeses, afirma que os tempos religiosos vêm a ser centros econômicos e políticos nos quais se deposita o lucro resultante da exploração comercial e tributária. É por isto que na p. 1237 se lê em rodapé:

“No tempo de Jesus o templo (de Jerusalém) possui imensas riquezas e toda a cúpula governamental age a partir daí. Desse modo a casa de oração e ofertas a Deus se torna um imenso Banco e lugar de poder político. Em outras palavras, a religião se torna instrumento de exploração e opressão do povo”.

Desnecessário é dizer que esta descrição  fantástica do Templo no tempo de Jesus carece de toda base histórica. Esse Templo, devido ao rei Herodes, ainda estava em fase de acabamento na época de Jesus; as obras de  decoração demoravam por falta de recursos, como descreve pormenorizadamente o historiador judeu contemporâneo de Jesus, Flávio José (Antigüidades Judaicas 15, 380-425).

Pelos mesmos motivos é despropositado o comentário feito em rodapé a Mc 11,15 (expulsão dos vendilhões do Templo):

“Acusando e atacando o comércio existente dentro do Templo, Jesus retira as bases sobre as quais se apoiava toda uma sociedade. Com efeito, era com esse comércio que se sustentava grande parte da economia do país. O gesto de Jesus mexe não só com um modo de vida religiosa, mas com toda uma estrutura que usa a religião para estabelecer e assegurar privilégios de uma classe e sustentar uma visão mesquinha de salvação. Por isso, os que se favorecem desse sistema, pensam em matar Jesus, mas temem o povo” (p. 1298).

Este comentário fica longe da realidade histórica. O que ocorria no tempo de Jesus, era o seguinte: como em todos os santuários (ou mesmo como em todos os lugares onde se aglomera muita gente), no Templo de Jerusalém acorriam, nos dias  de festa, camelôs e vendedoras ambulantes que armavam suas bancas para vender alimentos, objetos para o culto (vítimas), lembranças ou para fazer o câmbio das moedas estrangeiras. Esses pequenos comerciantes prestavam serviço aos milhares de peregrinos que afluíam ao Templo nas grande solenidades; mas o acúmulo de gente, com suas necessidades, dava ocasião propícia à ganância e à exploração. Entende-se então que Jesus tenha reagido contra esses abusos; tal reação, porém, não teve, em absoluto, as proporções que a Bíblia Pastoral lhe atribui:

“Acusando e atacando o comércio existente no Templo, Jesus retira as bases sobre as quais toda uma sociedade se apoiava. De fato, era com esse comércio que se sustentava grande parte da economia do país. O gesto de Jesus abala não apenas um sistema de vida religiosa, mas toda  uma estrutura que usa da religião para estabelecer e assegurar privilégios de uma classe e para sustentar uma visão mesquinha de salvação. Jesus é apresentado como o rei legítimo, centro de nova aliança: ele… é aclamado pelas crianças como o Messias. Aqueles que são privados de apoio oficial e de poder, estão prontos para receber Jesus, enquanto as autoridades o rejeitam” (p. 1267).

Eis alguns espécimens da leitura materialista realizada pelos responsáveis da BP. Não se encontra nesta alguma alusão aos Santos Padres, à Tradição e ao Magistério da Igreja; o que aí se incute, é a perspectiva de uma sociedade estruturada segundo o marxismo e não a imagem do Reino de Deus em demanda de sua consumação escatológica.

“Mc 8,27-33: A ação messiânica de Jesus consiste em criar um mundo plenamente humano, onde tudo é de todos e repartido entre todos. Esse messianismo destrói a estrutura de uma sociedade injusta, onde há ricos à custa de pobres, e poderosos à custa de fracos. Por isto, essa sociedade vai mater Jesus antes que ele a destrua”.

É este o comentário a uma passagem evangélica que fala da morte e ressurreição de Jesus. Estas são simplesmente silenciadas pelos comentadores, como se  não tivessem, antes do mais, importância transcendental.

Além de se ressentir de inspiração ideológica marxista, a Edição Pastoral comete seus erros teológicos e exegéticos, como se verá a seguir.

3.    Erros doutrinários

1. No tocante à vida póstuma, os autores das notas parecem professar a ressurreição dos corpos logo após a morte do indivíduo, em desacordo com a doutrina oficial da Igreja e dos textos da própria Bíblia. Com efeito, eis o que se lê à p. 1476:

“Em Corinto alguns pensam que, depois da morte, a alma imortal continua vivendo sozinha… Outros pensam que tudo termina com a morte… Paulo mostra que ambas as opiniões são contrárias ao núcleo da fé cristã”.

Na verdade, a própria S. Escritura (ou o próprio São Paulo) professa a sobrevivência da alma sem o corpo, ficando  a ressurreição da carne reservada para o fim dos tempos. Ver, por exemplo:

1Cor 15, 22-24a : “Assim como todos morrem em Adão, em Cristo todos receberão a vida. Cada um, porém, em sua ordem: como primícias, Cristo; aqueles que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda (parusia). A seguir, haverá o fim”.

1Ts 4,16s: “Quando o Senhor, ao sinal dado, à voz do arcanjo e ao som da trombeta divina, descer do céu, então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; em seguida, nós, os vivos que estivermos lá, seremos arrebatados com eles nas nuvens para o encontro com o Senhor nos ares”.

Estes dois textos situam a ressurreição dos mortos no momento da parusia ou da segunda vinda de Cristo. – Entre a morte  do corpo e a ressurreição no fim dos tempos, a alma separada do corpo goza da sua sorte eterna (bem-aventurada, se a pessoa morreu em graça):

2Cor 5,8: “Estamos cheios de confiança, e preferimos deixar a mansão deste corpo para ir morar junto do Senhor”.

Fl 1,23: “Meu desejo é partir e estar com Cristo, pois isto me é muito melhor”.

Lc 23, 43: Disse Jesus ao bom ladrão pouco antes de morrer: “Em verdade eu te digo: Hoje estarás comigo no paraíso”.

A Congregação para a Doutrina da Fé explicitou esta doutrina numa Instrução datada de 17/05/1979, onde se lê:

“…3) A Igreja afirma a sobrevivência e a subsistência, depois da morte, de um elemento espiritual, dotado de consciência e de vontade, de tal modo que o “eu humano” subsista, mesmo sem corpo. Para designar esse elemento, a Igreja emprega a palavra  “alma”, consagrada pelo uso que dela fazem a Sagrada  Escritura e a Tradição. Sem ignorar que este termo é tomado na Bíblia em diversos significados, Ela julga, não obstante, que não existe qualquer razão séria para o rejeitar e considera mesmo ser absolutamente indispensável um instrumento verbal para sustentar a fé dos cristãos…

5) A Igreja, em conformidade com a Sagrada Escritura, espera a gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, que Ela considera como distinta e diferida em relação àquela condição própria do homem imediatamente depois da morte.

6) A Igreja, ao expor a sua doutrina sobre a sorte do homem após a morte, exclui qualquer explicação que tirasse o sentido à Assunção de Nossa Senhora naquilo que ela tem de único; ou seja, o fato de ser a glorificação corporal da Virgem Santíssima uma antecipação da glorificação que está destinada a todos os outros eleitos”.

2. Algumas vezes as notas de rodapé da BP, de índole histórica, são derivadas da Bíblia de Jerusalém. Mas nem sempre de modo inteligente. Assim, por exemplo, no comentário de Ex 23, 14-19 a Bíblia Pastoral repete o mesmo erro que já ocorria na Bíblia de Jerusalém em português, afirmando que a festa das Semanas era celebrada durante sete semanas ou cinqüenta dias (p. 96). Ora a Festa das Semanas, chamada Pentecostes em grego, era celebrada cinqüenta dias após o começo da colheita, como explicam Dt 16,9 e Lv 23,16, mas não durava cinqüenta dias; durava um dia apenas!

3. A  BP traduz 1Cor 7, 36-38 nos seguintes termos:

“Se alguém, transbordando de paixão, acha que não conseguirá respeitar a noiva, e que as coisas devem seguir o seu curso, faça o que quiser. Não peca; que se casem. Ao contrário, se alguém, por firme convicção, sem constrangimento e no plano uso de sua vontade, resolve respeitar a sua noiva, está agindo bem. Portanto, quem se casa com sua noiva faz bem; e quem não se casa, procede melhor ainda”.

Ora o texto grego original fala de virgem (parthénos), e não de noiva (nymphe). A tradução clássica é apresentada pela Bíblia de Jerusalém:

“Se alguém julga agir de modo inconveniente para com a sua virgem, deixando-a passar da flor da idade, e que portanto deve casá-la, faça o que quiser; não peca. Que se realize o casamento! Mas aquele que, no seu coração, tomou firme propósito, sem coação e no pleno uso da própria vontade, e em seu íntimo decidiu conservar a sua virgem, esse procede bem. Portanto procede bem aquele que casa a sua virgem; e aquele que não a casa, procede melhor ainda”.

Em nota a Bíblia de Jerusalém alude à tradução adotada pela BP como sendo pouco habitual. A BP prefere a nova maneira de traduzir, sem dar informações sobre o seu caráter muito hipotético.

4.    Conclusão

É louvável a intenção de tornar o texto bíblico acessível e compreensível ao maior  número possível de leitores. Isto, porém, não significa incutir determinada opção ideológica, de mais a mais que a ideologia marxista se apresenta ao mundo de hoje como fracassada e ultrapassada. A Justiça Social é sumamente desejável, sim; ela decorre da própria mensagem bíblica que a Doutrina Social da Igreja, através das encíclicas papais, vem desenvolvendo e aplicando aos nossos tempos. A Igreja não precisa de recorrer a sistemas heterogêneos para propor aos homens a autêntica mensagem da salvação.

Notemos a grande responsabilidade que toca a tradutores e editores da Bíblia: a linguagem do texto sagrado penetra e forma a mentalidade do povo que a lê. A tradução de Lutero plasmou a língua alemã. Permita Deus que a sua santa Palavra não sirva de instrumento para levar o povo cristão à deterioração e a desvios da fé!

Fonte: http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2009/12/02/os-erros-da-biblia-edicao-pastoral/


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12