1 de mai de 2010

SANTA MISSA: REMÉDIO PARA AS PERSEGUIÇÕES DOS TEMPOS MODERNOS – PARTE II

Repórter: Roseane Monteiro
Beleza e Sacralidade na celebração da Missa: uma necessidade premente!
Mas que desgosto seria para Deus se o culto a Ele prestado fosse feio, sem qualquer sacralidade, sem a dignidade que é própria e devida a Nosso Senhor! Que desgosto teria o Senhor Deus se em lugar de um culto a Si visse, na realidade, uma celebração estapafúrdia, sem sacralidade, sem beleza, uma festança – um show! – e não a atualização de Seu Sacrifício! Que desgosto para Deus! E em sua tristeza, em sua ira, não deveria Ele nos punir pelo nosso relaxo, pela nossa indignidade, pela nossa negligência a sua Santidade e Divindade – sim, pois oferecer a Deus um culto indigno e feio é negligenciar a sua inestimável glória! –, pela nossa imprudência, pela nossa hipocrisia de levantar o rosto diante Dele na Eucaristia mesmo oferecendo-lhe um culto tão indigno de sua realeza?
A beleza é digna de Deus, pois a Ele tudo deve ser oferecido com o máximo de perfeição possível. Nada que façamos a Deus, nada que ofereçamos a Cristo, deve ser oferecido sem amor, sem respeito, sem reverência a Sua Santidade, a Sua Realeza, a Sua Divindade. Tudo que lhe ofereçamos a Deus deve ser oferecido buscando-se a perfeição, a plenitude de beleza e sacralidade que é devida a Deus.
Por isso o católico deve repudiar e nutrir asco pelos abusos litúrgicos, pelas profanações à Eucaristia, pelo sentimento errôneo e muito propagado hoje em dia de que Jesus Eucarístico nada mais é que um símbolo, ou por qualquer ato que induza, indique ou meramente sugira que o centro da Santa Missa não é a Eucaristia. Qualquer coisa, por ínfima que seja, que vise descentralizar a Eucaristia na Santa Missa deve ser repudiada pelo bom católico, pelo cristão de verdade. Por isso o bom católico deve combater vivamente os abusos litúrgicos, o desamor à Eucaristia e à Santa Missa, o desrespeito à Liturgia e qualquer tipo de irreverência a Nosso Senhor no culto a Ele oferecido.
Nada há de mais sujo, pecaminoso, vil e desprezível que oferecer a Deus um culto indigno e irreverente a Sua Majestade.
A beleza e sacralidade na Santa Missa são necessidades prementes! É preciso que haja beleza, que haja dignidade, que se respeite a Divindade e a santidade de Deus no culto a Ele (e somente a Ele!) prestado. Ao Deus que é sumamente Belo, Ele que é o Belo em si, não podemos oferecer nada que seja feio ou pouco bonito: devemos oferecer o que é belo, o que é bonito ao máximo – dentro de nossas pobres limitações humanas –, e assim reconhecer-Lhe a Beleza inigualável!
Somente assim poderemos agradar a Deus, produzir gerações de bons, valentes e fidelíssimos católicos (como no passado), e obter de Nosso Senhor Jesus Cristo sua intervenção na História, livrando a Igreja de todos os males, perseguições e injúrias, e garantindo-lhe a perpétua paz e felicidade.
 Por que os modernistas não o desejam
Os hereges modernistas infiltrados na Igreja e ansiosos por destruí-La não se cansam de profanar a Eucaristia, de abusar da Liturgia, de desrespeitar as normas do culto santo, de afrontar a Santidade e a Majestade de Nosso Senhor Jesus Cristo com Missas feias, esdrúxulas, festeiras, pouco ou nada sacrais, profanadoras até.
Os modernistas sabem que destruir a Santa Missa, destruir o senso litúrgico, promover o desamor a Eucaristia entre os cristãos e sacerdotes é o modo mais eficaz de também destruir a Santa Igreja Católica – como se isto fosse possível, como se Cristo não tivesse prometido guardá-la e protegê-la!
Por isso os modernistas estimulam abusos litúrgicos, profanam a Eucaristia, promovem Missas horríveis, feias ao extremo, indignas de serem oferecidas a Deus, pois que atuam mais para sua tristeza e ira do que para seu culto e felicidade.
Os modernistas querem destruir a Igreja e a Santa Missa. Para fazer frente a estes inimigos de Deus e defender a dignidade da Eucaristia e da Igreja de Cristo, é sumamente necessário que os católicos se ponham corajosamente em defesa da Santa Missa, da Santa Eucaristia, combatendo profanações, abusos litúrgicos e despeitos à Majestade de Deus.
 Apelo aos Bispos
Apelamos, por fim, aos Sucessores dos Apóstolos e Pastores da Igreja. A eles cabe, em primeiro lugar, a defesa da Eucaristia e a garantia de um culto digno e belo a Nosso Senhor Jesus Cristo, um culto que O agrade, que O adore, que O deixe feliz.
Apelamos para que combatam os modernistas litúrgicos nas Igrejas particulares que lhes foram confiadas. Apelamos para que promovam sempre mais celebrações belas e dignas de Nosso Senhor. Apelamos para que abram mais espaços para a Missa Tridentina – uma Missa bela, uma Missa de tantos santos! – e que nas Missas segundo o Novus Ordo  estimulem o uso do latim, da posição versus Deum, de paramentos dignos, do canto gregoriano, do silêncio necessário à oração e adoração.
Apelamos aos Bispos para que, exercendo seu papel de Sucessores dos Apóstolos e em estrita fidelidade ao Santo Padre, o Papa, Príncipe dos Apóstolos, ofereçam a Deus a beleza e a sacralidade de culto que lhe são dignas, que lhe são devidas, que lhe são prementes, necessárias, urgentes!
Somente ofertando a Deus um culto digno e belo, repleto de sacralidade e reconhecedor de Sua Divindade e Beleza inigualáveis, poderemos encontrar forças para vencer os males dos tempos modernos, e também obter de Deus, agradando-Lhe, que atue em nosso favor o quanto antes, garantindo-nos mais rápido a vitória frente as perseguições e investidas dos inimigos de Deus e da Igreja.
fonte: SOUSA, Taiguara Fernandes de. Apostolado Veritatis Splendor: SANTA MISSA: REMÉDIO PARA AS PERSEGUIÇÕES DOS TEMPOS MODERNOS. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/5562. Desde 22/12/2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.