29 de set de 2010

MENSAGENS PERIGOSAS PARA A JUVENTUDE

Permalink: http://www.zenit.org/article-24362?l=portuguese


Um relatório pede para sair em sua defesa

Por padre John Flynn, L.C.
ROMA, terça-feira, 16 de março de 2010 (ZENIT.org).- As imagens sexuais e as mensagens da mídia incentivando um comportamento promíscuo são uma ameaça para os jovens, afirma um relatório publicado pelo Ministério do Interior do Reino Unido.
O Ministério encarregou uma psicóloga independente, Dr. Linda Papadopoulos, de examinar o impacto de uma cultura invadida pelo sexo, no contexto dos esforços do governo britânico para reduzir a violência contra as mulheres.
“Mudar as atitudes irá levar muito tempo, mas isso é essencial, se quisermos deter a violência contra as mulheres e meninas”, comentou o Ministro do Interior, Alan Johnson, em comunicado de imprensa, dia 26 de fevereiro.
Tanto o governo do Partido Trabalhista como a oposição do Partido Conservador estão preocupados com o impacto da cultura contemporânea sobre os jovens. Antes da publicação do relatório, o líder dos conservadores, David Cameron, disse que estava a favor de restringir a publicidade irresponsável dirigida às crianças, relatou a BBC dia 26 de fevereiro.
No mesmo relatório - chamado “Sexualization of Young People: Review” (Sexualização dos jovens: Revisão) - Papadopoulos explicava que sua pesquisa formava parte de uma consulta que busca aumentar a consciência sobre o problema da violência contra as mulheres. Investigava em particular a questão para saber se há uma ligação entre a sexualização da cultura e a violência.
“As mulheres são veneradas - e recompensadas - por seus atributos físicos, e tanto as meninas como os meninos são pressionados a imitar esteriótipos dos respectivos gêneros desde cada vez mais novos”, comentava o relatório.
O relatório definia a sexualização como “imposição da sexualidade adulta às crianças e jovens antes que estas sejam capazes de lidar com isso, mental, emocional e fisicamente”.
Crianças como adultos, adultos como crianças
O uso de imagens sexuais na mídia não é precisamente um fenômeno recente. Não tão distante, nos últimos anos, houve um aumento de seu volume sem precedentes. Além disso, os meninos são apresentados cada vez mais como se fossem adultos, enquanto que as meninas são infantilizadas”.
“Isso mistura as linhas entre maturidade e imaturidade sexual e, na prática, legitima a noção de que as crianças podem ser tratadas como objetos sexuais”, afirmava o texto.
Ao tratar de crianças, uma das preocupações destacadas no relatório é que, em idade jovem, as capacidades cognitivas necessárias para fazer frente a essas imagens persuasivas da mídia não se desenvolveram. Junto com essa falta de capacidade para lidar com tais imagens, a capacidade de difusão de uma cultura sexualizada como resultado de que as crianças estejam frequentemente expostas à materiais que não são apropriados para sua idade.
O relatório observava que um dos temas dominantes nos programas populares é que as meninas devem se apresentar como sexualmente desejáveis, se quiserem ser populares entre os meninos. Isso está presente até mesmo para crianças mais novas, que são incentivadas a se vestir de forma que chamem atenção por seus atributos sexuais ainda que não possuam.
Muitas bonecas, por exemplo, são apresentadas de uma forma notoriamente sexualizada. Objetos como caixas de lápis e outros artigos de escola para crianças ostentam logotipo da Playboy. Roupa íntima com enchimento é comercializada e vendida para crianças até os oito anos.
E assim, a mensagem predominante para os meninos é que devem ser sexualmente dominantes e tratar o corpo feminino como objeto.
Televisão, filmes, músicas, junto com os meios impressos, todos apresentam aos jovens essa mensagem em excesso sexualizadora, observou o realatório.
Transtorno adolescente
Posto que as crianças recebem contínuos apelos a se adequar a tais imagens, um dos resultados que pode ocorrer é o descontentamento com o próprio corpo e uma baixa auto-estima que, por sua vez, pode provocar depressão e transtornos alimentares. Junto a esses transtornos como a anorexia, as mulheres jovens recorrem em grande parte à cirurgia plástica, sob pressão de se transformar em uma imagem idealizada.
As crianças e adolescentes também se encontram na mídia com uma grande quantidade de conteúdo que é explicitamente sexual ou pornográfico, acrescentou Papadopoulos. A facilidade do acesso à internet, junto com o material enviado por correio eletrônico e os telefones celulares, resulta na difícil restrição desses conteúdos aos pequenos.
De fato, observou o relatório, a indústria do sexo está liberada e se tornou parte da cultura cotidiana. Os anúncios publicitários viraram rotina na televisão, com conteúdo de casas noturnas, salas de bate-papo e canais de sexo na tv.
“O fato de que as celebridades são habitualmente apresentadas como realizadas e cobiçadas por sua atração sexual e sua aparência - com pouca referência à sua inteligência ou às suas capacidades - lança uma poderosa mensagem para as jovens sobre que é o que vale a pena, e é o que elas devem ter como objetivo”, disse o relatório.
Os pesquisadores comprovaram, ao examinar o conteúdo das páginas da web dos jovens, que muitos adolescentes colocam imagens sexualmente explícitas de si próprios, e entre seus amigos a linguagem depreciativa e humilhante é comum, afirma o relatório.
A sexualização das meninas também está contribuindo com um mercado de imagens de abusos pedófilos, relatava o estudo. Muitas meninas jovens se apresentam de forma provocativa e abertamente sexual para a visualização de outros jovens através de redes sociais ou por celulares.
“Os próprios jovens estão produzindo e trocando o que não é nada mais que ‘pornografia infantil’ - um fato confirmado pelo crescente número de adolescentes que estão sendo condenados pela posse desse material”, comentava o estudo.
Sexualização e violência
Ao tratar a questão da relação entre sexualização e violência contra as mulheres, o relatório citava investigações que mostram que os adultos que viram imagens de mulheres como objetos sexuais tendem a aceitar mais a violência.
“As evidências reunidas sugerem um contexto claro entre o consumo de imagens sexualizadas, uma tendência a ver mulheres como objetos, e a aceitação de atitudes e comportamentos agressivos como norma”, dizia o relatório. 
Papadoupoulos também se referiu a uma recente pesquisa que mostrava que para muitos jovens a violência dentro das relações é algo comum. No grupo de idade entre 13 e 17 anos, uma de cada três meninas adolescentes havia sido submetida a atos não-consentidos durante uma relação, e uma de cada quatro havia sofrido violência física.
Os investigadores citados no relatório também sugeriram que, para incentivar os espectadores masculinos a perceber as mulheres como objetos sexuais, a publicidade promove uma mentalidade em que as mulheres são vistas como subordinadas e, portanto, esse é o motivo de sofrerem violência sexual.
“A repetida apresentação dos homens como dominantes e agressivos e das mulheres como subordinadas está sem dúvida perpetuando a violência contra as mulheres”, refere o estudo.
Rebelião
O relatório concluía apelando às pessoas que se deem conta de que a sexualização é um tema de profunda importância, com graves consequências para os individuos, famílias e sociedade. Estudos semelhantes nos Estados Unidos e Austrália chegaram às mesmas conclusões. Ao mesmo tempo, pede que se pesquise esse fenômeno. O relatório terminava com uma lista de 36 recomendações específicas sobre como tratar a sexualização.
Além dos relatórios como o recentemente publicado pelo Ministério do Interior britânico, a oposição à sexualização da cultura contemporânea cresce entre as pessoas comuns.
Um exemplo disso vem da Austrália, com o website Collective Shout, que fornece uma plataforma interativa para indivíduos e grupos para atuar contra as empresas e os meios de comunicação que apresentam as mulheres como objetos e a sexualização das meninas para vender produtos e serviços.
No final, talvez, a solução desses problemas como a degradação da sexualidade não consista em estabelecer mais regulamentos do governo. O que é preciso de verdade é uma mudança básica da opinião pública que seja resultado de uma revolta contra a exploração das mulheres, uma revolta que surja de pessoas conhecidas, cansadas de ver como a dignidade humana está sendo degradada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.