1 de out de 2010

NOTA DE REPÚDIO DA ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO


◊   São Paulo, 28 set (RV) – Diante da negativa da Bienal de retirar as obras da série “Inimigos” de Gil Vicente, na qual o artista se mostra assassinando líderes mundiais incluindo o Papa Bento XVI, a Arquidiocese de São Paulo através do Vicariato para a Comunicação lançou uma nota de repúdio à exibição de obras que são uma “apologia à violência”, que ademais ofendem os sentimentos católicos. A Arquidiocese manifestou formalmente este seu entendimento perante o Ministério Público de São Paulo no dia 24 deste mês, solicitando a atenção deste órgão público.

Destacamos abaixo a nota da Arquidiocese assinada pelo Cônego Antônio Aparecido Pereira, Porta-voz da Arquidiocese e do seu Assessor de Imprensa, Rafael Alberto.

“Em nome do mesmo princípio da liberdade de expressão, que permite aos artistas a livre manifestação da sua arte, a Arquidiocese de São Paulo vem a público para manifestar sua estranheza, desconforto e repúdio diante da série de telas “Inimigos”, do artista plástico Gil Vicente, expostas na Bienal de São Paulo, com auto-retratos do artista em cenas de extrema violência contra personalidades públicas, como o Presidente da República e o Papa Bento XVI.

São cenas de um narcisismo chocante, de um mau gosto repugnante e de implícita apologia à violência. Nenhum diretor de escola ou professor de bom senso permitiria expor tais cenas em sala de aula, pois seriam consideradas deseducativas. Cenas de execução de condenados à morte seriam, certamente, evitadas nos meios de comunicação de massa. Numa sociedade já marcada por conflitos e ferida por tanta violência, é altamente questionável que, em nome da arte sejam expostas cenas que sugerem o desafogo do próprio ódio contra supostos inimigos. Trata-se de um péssimo serviço à arte, uma lamentável falta de respeito pela dignidade humana e uma ameaça à paz no convívio social. Violência real, ou apenas sugerida, gera mais violência.

De modo particular, a comunidade católica sente-se ofendida e triste com o desrespeito ao Papa Bento XVI, que peregrina pelo mundo em missão de justiça e de paz. Sugerir ou imaginar violência contra o Papa causa tristeza e indignação. Que ninguém, em nenhuma parte do mundo, tenha a insana iniciativa de consumar as cenas chocantes retratadas na tela! Deus proteja nosso Papa Bento XVI, o Presidente da República e toda pessoa contra os desatinos da violência!

A Arquidiocese de São Paulo manifestou formalmente este seu entendimento perante o Ministério Público de São Paulo em 24.09.2010, solicitando a atenção deste órgão público”. (SP)

Um comentário:

  1. Paulo Edson franco09 outubro, 2010 11:04

    Abaixo a Canção Nova, abaixo a pedilança diuturna e contínua em rede nacional, abaixo a hipocrisia e a mentira. Abaixo Padrecos como Padre José Augusto, que se arvora como bastião da verdade e da moralidade.
    Abaixo as tentativas de intromissão da Igreja em questões políticas. O ESTADO É LAICO E ASSIM DEVE SER SEMPRE. Sabemos bem o que deu no passado a confusão entre Igreja e Estado.
    Outra coisa: Vamos ver se vocês do site são democráticos o suficiente para não publicar apenas babação de ovo e aceitar críticas de quem pensa diferente. Até porque, criticam tanto a imaginária lei da mordaça, mas vocês mesmo não têm coragem de publicar opiniões contrárias.

    ResponderExcluir

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.