16 de set de 2011

Transnacional abortista dá testemunho sobre conversão


Ramona Treviño se uniu à lista de homens e mulheres que sofreu uma conversão radical enquanto trabalhava para abortistas. Em sua primeira aparição pública, protagonizou uma vigília de oração em frente ao seu ex-centro de trabalho durante a qual assegurou que como católica só quer dar glória a Deus e salvar vidas.
“Minha mensagem é que devemos glorificar a Deus, glorificar as coisas maravilhosas que todos vocês estão fazendo e seguiremos fazendo”, disse aos participantes da vigília nos subúrbios de um centro da transnacional abortista Planned Parenthood (PP) em Sherman, Texas.
“Há pessoas como eu em todo mundo esperando um milagre”, afirmou Treviño quem até maio foi gerente deste centro do PP, encarregado de conduzir as grávidas às clínicas abortistas da cadeia.
No dia 6 de maio ela renunciou ao trabalho que exerceu por três anos e à “metade dos ganhos da minha família”. Ela admite que durante todo o tempo que serviu no PP sentia um “puxão em meu coração, dentro e fora, e me envergonha dizer que o ignorei”.
Com efeito, embora na clínica de Treviño não sejam praticados abortos, ela “tinha que fornecer as referências (às grávidas que procuram abortar). Tinha que dar o número, difundir a informação sobre os lugares… onde podiam obter um aborto”.
Em uma entrevista, Treviño deu mais detalhes de sua história, assegurou que tentou em vão conciliar sua fé católica com seu trabalho no Planned Parenthood e descreveu que sua conversão coincidiu com a beatificação do Papa João Paulo II.
“Fui criada católica, mas em realidade não tive muita formação na fé. Quando eu era menina… sentia-me como se estivesse sendo chamada à vida religiosa. Mas não tinha a formação, como menina pequena, para responder a esse chamado”, recordou.
Em lugar de ser freira, Treviño ficou grávida durante a
secundária. Abandonou os estudos e anos depois contraiu matrimônio católico. Treviño obteve então um trabalho de tempo parcial no Planned Parenthood.
Embora tivesse recebido formação católica para preparar-se para o matrimônio, ainda carecia de uma adequada compreensão dos problemas relacionados com a sexualidade e a vida humana, assim como da liderança do Planned Parenthood na indústria do aborto.
Treviño admite que se sentia incômoda em seu trabalho e seu momento mais difícil foi dar pela primeira vez um catálogo a uma mulher que queria abortar.
Treviño tinha encontrado a maneira de calar sua consciência rezando pelas mulheres e procurando justificar suas ações para não sentir-se responsável.
“Constantemente busquei alimentar minhas mentiras. Com o tempo percebia que não estava buscando salvar suas vidas, já não poderia negar isso a mim mesma”.
O ponto de quebra ocorreu em dezembro de 2010 quando escutou em uma rádio católica as experiências pós-aborto de várias mulheres que tinham terminado com as vidas de seus filhos em clínicas do Planned Parenthood.
Conheceu logo o caso de Abby Johnson, também ex-empregada do Planned Parenthood convertida agora em líder pró-vida.
Começou a rezar o Terço durante a Quaresma e, sem maior explicação –como ela sustenta–, compreendeu que não podia seguir trabalhando lá.
“Foi no domingo da Misericórdia, o dia em que beatificaram o Papa João Paulo II eu disse que deixaria de trabalhar. Quando recordei que era Domingo da Divina Misericórdia… não pude conter minhas lágrimas. Nesse momento senti que Deus me chamava”, indicou.
Fonte: ACI Digital
Assim Seja!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.