17 de jul de 2016

4º dia da NOVENA MEDITATIVA À SANTA BRÍGIDA


Esboço biográfico de Santa Brígida por Dom Estêvão Bittencourt


Brígida (Birgitta) nasceu em 1302 ou 1303, de família pertencente à casa régia da Suécia. Seu pai, o cavaleiro Birger Persson, era senador do reino e governador («lagman») da principal província do pais (Upland). Os genitores de Brígida eram profundamente piedosos, entregando-se assiduamente a leituras sagradas, ao jejum e a peregrinações.


Após uma peregrinação a Compostela (Espanha), Ulf, com o consentimento da sua esposa, resolveu entrar no mosteiro cisterciense de Alvastra (Suécia), onde pouco depois veio a morrer (1344). — Tendo enviuvado, dizem os biógrafos que Brígida tomou consciência dos desígnios de Deus a seu propósito: ela haveria de se tornar a esposa e a confidente do Senhor Jesus. Passou então a viver numa casa das dependências da Abadia de Alvastra. Assim começou para ela uma nova fase de vida, fase caracterizada por revelações.

Em 1345/1346 foi à corte da Suécia para exortar o rei e a rainha a uma vida cristã cada vez mais fervorosa; não hesitava em dar conselhos políticos ao monarca Magnus Eriksson, visando torná-lo mais e mais o «Rex Iustus» preconizado pelos ideais da Idade Média: recomendou-lhe, entre outras coisas, uma campanha de evangelização para converter os russos. Admoestava os nobres e os clérigos da Suécia ao cumprimento exato dos deveres. Em seu zelo apostólico, chegou a abraçar o cenário da Europa inteira; enviou, sim, o bispo sueco Hemming de Abbo à França e à Inglaterra, a fim de entregar aos respectivos reis as cartas em que ela os exortava a cessar a calamitosa guerra dos Cem Anos. Ao Papa Clemente VI e a seus sucessores imediatos, que residiam em Avinhâo (França), dirigiu repetidas intimações para que voltassem a Roma, tendo em vista os perigos de vassalagem a que os Pontífices estavam sujeitos na França. Diz-se também que Brígida foi frequentemente agraciada por revelações referentes aos personagens e aos povos com quem ela tomava contato em suas viagens (têm especial importância as visões concernentes às rainhas Joana de Nápoles e Isabel de Chipre).
 
Em 1346 decidiu fundar em Vadstena, perto de Alvastra, um mosteiro que dava origem à Ordem Religiosa do Santíssimo Salvador. O cenóbio apresentava uma modalidade usual na Idade Média; era um «mosteiro duplo», baseado no modelo do que Roberto de Arbrissel havia estabelecido em Fontevrault (França) no ano de 1100: cada qual desses mosteiros compreendia duas comunidades (uma masculina, outra feminina), que viviam separadamente em recintos e clausuras independentes, mas obedeciam à única direção da Sra. Abadessa. Na Ordem do SS. Salvador cada comunidade feminina contava 60 Religiosas e a Sra. Abadessa, ao passo que as comunidades masculinas constavam de 13 sacerdotes, dois diáconos, dois subdiácarios e oito Irmãos conversos; assim o número total de irmãos e irmãs equivalia ao dos treze Apóstolos (incluído São Paulo) e setenta e dois discípulos do Senhor Jesus.

Em 1349 Brígida foi a Roma, movida principalmente pelo desejo de obter da Santa Sé a aprovação de seu mosteiro duplo. Acontecia, porém, que desde o IV Concílio do Latrão (1215) a Santa Igreja proibia a fundação de novas Ordens Religiosas dotadas de Regras próprias e não era favorável aos mosteiros duplos (estes não deixavam de oferecer grandes riscos espirituais aos membros de ambas as comunidades, apesar da reta intenção que os inspirava: monges e monjas, vivendo tão estritamente associados entre si, visavam apenas prestar uns aos outros uma assistência religiosa mais eficaz, a fim de se elevarem mais facilmente à perfeita união com Deus e à santidade). Finalmente o Papa Urbano V em 1370 aprovou as Constituições da Ordem do SS. Salvador, determinação esta que seu sucessor Urbano VI. (em 1378) confirmou e explicitou. No seu período áureo, a Ordem chegou a contar 79 casas, mas teve que desaparecer, quando a Santa Sé houve por bem extinguir os mosteiros duplos.

De Roma, Brígida não voltou à sua pátria: terá recebido ordem divina de lá permanecer até que o Sumo Pontífice regressasse de Avinhão. Alojou-se em uma casa que lhe foi posta à disposição por uma de suas amigas romanas; essa mansão, posteriormente dita «Casa de Santa Brígida», foi durante toda a Idade Média um centro escandinavo em Roma; em torno de Brígida formou-se um grupo de fiéis chamados «os amigos de Deus» (sacerdotes, assim como varões e mulheres do laicato, destacando-se Catarina, a própria filha de Brígida); levavam regime de vida monacal, distribuindo o seu tempo entre oração, estudo e visitas aos santuários da cidade; observavam rigorosa pobreza, pois Brígida ficava à mercê de seus amigos romanos, o que a obrigava por vezes a ir mendigar junto às portas das igrejas. Era bem conhecida e geralmente estimada pelos seus concidadãos; não obstante, a sanha popular voltava-se de quando em quando contra essa estrangeira severa e exigente como se fôra «a bruxa do Norte» (Brígida não se intimidava diante de quem quer que fosse, desde que se tratasse de reprimir o vício).

Muito amiga das peregrinações, em 1371 partiu para a Terra Santa, onde foi agraciada por visões correspondentes aos lugares que visitava e relativas principalmente ao nascimento e à Paixão do Senhor. Pouco depois de voltar a Roma, faleceu aos 23 de julho de 1373. Foi canonizada pelo Papa Bonifácio IX em 1391, tomando-se particularmente famosa por suas «Revelações», que passamos a considerar de perto.

Fonte:





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12