19 de jul de 2016

6º dia da NOVENA MEDITATIVA À SANTA BRÍGIDA


Sobre as revelações de Santa Brígida – Parte 2 – (Dom Estêvão Bittencourt)


B. Traços doutrinários


1. Pode-se dizer que a característica dominante da espiritualidade de Santa Brígida é a devoção para com a santíssima humanidade de Cristo e para com a Mãe do Salvador; S. Brígida deu grande atenção às expressões humanas do Senhor Jesus, expressões pelas quais se irradiava a Divindade. Ao fazer isto, aliás, a Santa correspondia bem às tendências da piedade medieval (tenham-se em vista, por exemplo, São Francisco de Assis e seu ideal cavaleiresco; S. Bernardo e sua devoção para com o Menino Jesus e Maria SS.).

Eis algumas passagens das «Revelações» nas quais se manifesta tal tendência:
A Virgem SS. terá aparecido um dia a Brígida, dizendo-lhe: «Hei de te mostrar como era meu Filho em sua humanidade, e como foi Ele sobre a Cruz na hora da sua Paixão» (Extravag. LXVI).

A respeito do Menino Jesus, haverá Maria SS. declarado a Brígida:
«Quando alimentava o meu Filho, tal era a sua beleza que todos aqueles que O viam eram aliviados em suas penas; por isto diziam muitos judeus uns aos outros: 'Vamos fazer uma visita ao Filho de Maria'» (Revel. VI1).

Educada em meio à sociedade feudal, em que o ideal do cavaleiro empolgava as almas nobres, a Santa se deleitava em considerar o. Senhor Jesus como cavaleiro heroico, sequioso de defender ou propugnar a causa do bem, pronto a se sacrificar totalmente por heroísmo. Por conseguinte era principalmente para a Paixão de Jesus que se voltava a atenção de Brígida.

Aos dez anos de idade, referem os biógrafos, teve uma visão do Senhor crucificado que lhe ficou indelevelmente impressa na memória:
«Brígida, um dia ouvindo pregar sobre a Paixão de Cristo, gravava com amor em seu coração o que ela percebia. Na noite seguinte, apareceu-lhe Cristo tal como Ele se achava no momento de sua crucifixão, e lhe disse: 'Eis como fui ferido'. Brígida, julgando então que o Salvador acabava de ser novamente crucificado, interrogou: 'Senhor, quem Vos tratou assim?' — 'Aqueles que me desprezam e desdenham o meu amor', respondeu Jesus.

Brígida, voltando a si, guardou, a partir desse dia, uma recordação tal da Paixão de Cristo que não podia pensar nos sofrimentos do Salvador sem derramar lágrimas. Experimentava tão profundo deleite na contemplação das chagas de seu Esposo que ela ficava toda abrasada de amor, e a compunção a levava a derramar lágrimas» (Birger, Vita S. Birgittae 6).

A figura de Jesus padecente é descrita nas «Revelações» com abundância de pormenores, todos muito realistas:
«Estava coroado de espinhos. De seus olhos, seus ouvidos e suas barbas escorria o sangue... Tinha o queixo deslocado, a boca aberta, a língua a sangrar... O ventre, abrindo uma concavidade, parecia tocar as costas, como se Ele já não tivesse intestinos» (Revel. VII15).
Esse Jesus, ora tão gracioso, ora tão identificado com os homens, é um porta-voz de amor que deseja ardentemente o amor ' das criaturas.

É a SS. Virgem quem diz a Brígida, conforme as «Revelações»:
«Meu Filho te ama com todo o seu coração. Por isto, recomendo-te que nada ames a não ser Ele mesmo» (Revel. VI1).
Jesus, por sua vez, incute logo no limiar das «Revelações»: «Tu, filha que escolhi para Mim, ama-Me de todo o coração, mais do que qualquer dos bens deste mundo; pois eu, que te criei, a nenhum dos meus membros poupei, movido por amor a ti. E tanto amo a tua alma que eu preferiria ser de novo crucificado (se fosse possível) a ver perder-se a tua alma» (Revel. 11).

As palavras assim dirigidas a Brígida aplicam-se na verdade a todos os homens:
«Se fosse possível, eu livremente aceitaria de novo, em favor de cada homem em particular, penas semelhantes às que aceitei sobre a Cruz em prol de todos os homens em geral, a fim de que recuperassem a esperança daquela felicidade que lhes foi outrora prometida» (Revel. I 58).
«Ó amigos, amo as minhas ovelhas com tanta ternura que, se fôra possível, eu morreria em favor de cada uma delas, a morte que padeci para a Redenção de todas, em vez de ver algumas delas perder-se» (Revel. I 59).
As palavras assim atribuídas ao Senhor Jesus fazem eco genuíno às de São Paulo em Gál. 2,20 : «Ele me amou e se entregou por mim».

2. O amor a Deus despertava em S. Brígida o zelo ardoroso na repressão dos vícios morais. Seus escritos lembram frequentemente os dos profetas do Antigo Testamento, que receavam interpelar governantes e governados, sacerdotes, príncipes e simples fiéis, a fim de os desviar do mar.

Talvez cause surpresa a atitude dos pecadores daquela época de fé, os quais chegavam a dizer como em nossos dias:
«Não sabemos se existe um Deus; e, caso exista, não o levamos em conta» (Revel. 15).
Em consequência, queixava-se o Senhor a Brígida: «O mundo se envergonha de falar da fé e dos meus mandamentos. Caso alguém fale disso, todos escarnecem essa pessoa e a acusam de mentir» (Revel. 138).

O estilo pungente das exortações de Brígida se pode avaliar pelo seguinte espécimen:
«Assim fala o Filho de Deus à sua esposa : 'Escreve, da minha parte, ao Papa Clemente VI estas palavras : Exaltei-te e fiz-te subir ao supremo grau das honras. Levanta-te, pois, e promove a reconciliação dos reis da França s da Inglaterra, feras perigosas que levam as almas à perdição. A seguir, vem para a Itália, a fim de anunciar a Palavra de Deus, assim como o ano de salvação e de amor divino. Verás as praças rubras em virtude do sangue dos meus santos. Depois dar-te-ei a recompensa que não tem fim'» (Revel. VI 63).

Neste trecho há uma alusão à guerra dita «dos Cem Anos», entre a. França e a Inglaterra, iniciada em 1337. O «ano de Salvação» seria um ano de jubileu ou de ampla misericórdia concedida aos pecadores.
Os trechos até aqui transcritos já permitem aquilatar o conteúdo das «Revelações» de S. Brígida.

Fonte:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12
CEFAS, oriundo do nome de São Pedro apóstolo, significa também um Acróstico: Comunhão para Evangelização, Formação e Anúncio do Senhor. É um humilde projeto de evangelização através da internet, buscando levar formação católica doutrinal e espiritual.