20 de jul de 2016

7º dia da NOVENA MEDITATIVA À SANTA BRÍGIDA


Sobre as orações de Santa Brígida – (Dom Estêvão Bittencourt)


3. As orações ditas «de Santa Brígida»

1. A partir do séc. XV, começou a difundir-se com grande aceitação uma série de quinze orações referentes à Paixão de N. S. Jesus Cristo e atribuídas a Santa Brígida. No prefácio que acompanha essas fórmulas, lê-se a seguinte explicação:

Era sua Paixão dolorosa o Senhor terá recebido 5460 ferimentos; por conseguinte, a fim de os venerar dignamente, poderia o fiel cristão recitar diariamente as quinze orações, acrescentando-lhes outros tantos «Pai Nosso» e «Ave Maria»; terá assim, no decorrer de um ano, saudado cada uma das chagas do Redentor. A quem adote essa prática; são prometidos vários favores: na sua família, quinze pessoas serão libertadas do purgatório, quinze pecadores se converterão e quinze justos serão confirmados no bem; o próprio orante irá crescendo na sua vida interior, obterá o reconhecimento de todos os seus pecados e a contrição perfeita; receberá a S. Eucaristia quinze dias antes de morrer e será salvo; Cristo mesmo, em companhia da Virgem SS., virá buscar a sua alma e levá-la para o céu. — Se alguém tiver vivido durante trinta anos em estado de pecado mortal, e, não obstante, tiver recitado ou ao menos tiver feito o propósito de recitar devotamente as referidas orações, receberá o perdão de suas culpas, obterá do Senhor tudo que pedir, inclusive a prolongação de sua vida caso esteja nas proximidades da morte! — Mais ainda: quem ensinar essas orações a outros, terá o mesmo mérito que aquele que as recitar. Em todo lugar onde tais preces sejam proferidas, Deus há de proteger os homens contra os perigos das inundações e dos incêndios. Veja-se «Orationes XV D. Birgittae de Passione Domini ad vetustissima exemplaria diligenter correctae, Prologus», documento editado em Veneza (1535) juntamente com as «Meditações de S. Bernardo» («Divi Bernardi Meditationes devotissimae ac alia quaedam eius- dem et aliorum pia opuscula»).

Vistas as crendices supersticiosas sugeridas por tal prefácio, compreende-se que a S. Congregação do índice, por decreto de 30 de junho de 1671, tenha proibido as quinze orações de S. Brígida «nisi deleatur prologus», a não ser que se cancele o respectivo prefácio (o texto de tais preces em si nada tem de herético; é, ao contrário, belo e piedoso).

2. Quanto ao Rosário dito «de S. Brígida», recebeu, sim, a aprovação da S. Igreja. Contudo só por equivoco é atribuído à Santa (os documentos mais antigos referentes a esta devoção datam do começo do séc. XVI). Destina-se a honrar os 63 anos que presumidamente a Virgem SS. terá passado na terra; por isto divide-se em seis partes, cada uma das quais compreende 1 Credo, 1 «Pai Nosso» e 10 «Ave Maria»; para terminar, recitam-se mais 1 «Pai Nosso» (que completa o número 7 das Dores e das Alegrias de Maria SS.) e 3 «Ave Maria», que perfazem o total de 63 «Ave Maria» correspondentes à duração da vida terrestre de Maria.

Pergunta-se: por que terá sido essa maneira de orar associada ao nome de Santa Brígida? Em resposta, goza de probabilidade a explicação seguinte: S. Brígida julgava que a Virgem SS. passou quinze anos na terra após a Ascensão de Jesus; este número, somado aos quinze anos que, conforme os medievais, Maria devia ter quando Jesus nasceu, assim como aos trinta e três anos da vida de Cristo, levava a um total de 63 anos. — Sem dúvida, tal cálculo é muito arbitrário e inconsistente.

É supersticiosa e condenável a seguinte prática de piedade que certos folhetos apresentam como decorrentes das revelações feitas a S. Brígida e S. Elisabete: Cristo, desde o seu nascimento até a sepultura, terá derramado 61.362 gotas de sangue; por conseguinte, digam-se diariamente 7 «Pai Nosso» e «Ave Maria» durante doze anos até preencher o número correspondente ao das gotas de sangue derramadas pelo Senhor. A quem assim procede, vão prometidas cinco graças extraordinárias, entre as quais a isenção das penas do purgatório, tanto para o orante como para os seus familiares até o quarto grau.

É de lamentar, tenha sido o nome de S. Brígida associado a tais crendices. Não obstante, a Santa fica sendo figura de primeira grandeza na história da Igreja: coloca-se na linha das mulheres heroicas (S. Catarina de Sena, S. Joana d'Arc, S. Teresa de Ávila... ) de que Deus se quis servir para despertar as consciências dos homens em épocas calamitosas.

Fonte:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12