13 de jul de 2016

Falar de Deus no nosso tempo


O Papa Emérito Bento XVI , por ocasião do Ano da Fé, fez uma reflexão de como falar de Deus no nosso tempo. Eu achei muito interessante o que ele escreveu e posto aqui os pontos que achei fundamentais. Mas indico a todos a leitura completa deste documento (A referência está logo abaixo). Vejamos, então, estes pontos que considerei importantes:

1º - O que é falar de Deus? 

"Falar de Deus quer dizer, antes de tudo, ter bem claro o que devemos levar aos homens e às mulheres do nosso tempo: não um Deus abstrato, uma hipótese, mas um Deus concreto, um Deus que existe, que entrou na história e está presente na história"; um "Deus que se interessa por nós, um Deus-Amor"
2º - Como preparar-se para falar de Deus?

Para falar de Deus é necessário conhecê-lo antes, ter intimidade com Ele, ter "familiaridade com Jesus e com o seu Evangelho", ter "uma forte paixão pelo seu desígnio de salvação", escutar e viver o que Ele disse.

3º - Qual método usar ao Falar de Deus?

"O método de Deus é o da humildade(...). Ao falar de Deus, na obra de evangelização, sob a guia do Espírito Santo, é necessária uma recuperação de simplicidade (...)"
"Aquele comunicador extraordinário que foi o apóstolo Paulo oferece-nos uma lição (...)". Na Primeira Carta aos Coríntios, ele escreve: «Também eu, quando fui ter convosco, irmãos, não fui com o prestígio da eloquência nem da sabedoria, anunciar-vos o testemunho de Deus. Julguei não dever saber coisa alguma entre vós, senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado» (2, 1-2).
Portanto, a primeira realidade é que Paulo não fala de uma filosofia por ele desenvolvida, (...), fala do Deus que entrou na sua vida, fala de um Deus real que vive, falou com Ele e falará conosco, fala do Cristo crucificado e ressuscitado. (...)
A segunda realidade é que Paulo não se procura a si mesmo, não quer criar para si um grupo de admiradores, não quer entrar na história como chefe de uma escola de grandes conhecimentos, não se procura a si mesmo, mas são Paulo anuncia Cristo e deseja conquistar as pessoas para o Deus verdadeiro e real. (...) 
E isto é válido também para as comunidades cristãs: elas são chamadas a mostrar a ação transformadora da graça de Deus, superando individualismos, fechamentos, egoísmos, indiferenças e vivendo o amor Deus nos relacionamentos quotidianos. Perguntemo-nos se as nossas comunidades são verdadeiramente assim. Temos que agir, para nos tornarmos sempre e realmente assim, anunciadores de Cristo e não de nós mesmos. "
4º - Como Jesus falava de Deus?
"com grande realismo"
"os discípulos que vivem com Jesus, as multidões que O encontram, vêem a sua reação aos problemas mais diversos, vêem como Ele fala, como se comporta; vêem nele a obra do Espírito Santo, a ação de Deus. Nele anúncio e vida entrelaçam-se: Jesus age e ensina, começando sempre a partir de uma relação íntima com Deus Pai. Este estilo torna-se uma indicação essencial para nós, cristãos."
5º - Qual é um lugar privilegiado para se falar de Deus?
"Também no nosso tempo, um lugar privilegiado para falar de Deus é a família, a primeira escola para comunicar a fé às novas gerações." (...)
" A família deve ser um ambiente em que as pessoas aprendem a estar juntas, a recompor os contrastes no diálogo recíproco, que é feito de escuta e de palavra, a compreender-se e a amar-se, para ser um sinal mútuo do amor misericordioso de Deus."
Assim, Bento XVI nos ensina que falar de Deus vai além das palavras, inclui também as atitudes pessoais: para falar de Deus é preciso viver a experiência de amor com Deus, conhecê-lO e ouvi-lO; ser humilde ao evangelizar; ter o estilo de Jesus como modo de viver na fé e na caridade.


Nota

1. Papa Bento XVI, O Ano da Fé. Como falar de Deus? Audiência Geral (28/11/2012). Disponível em: http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2012/documents/hf_ben-xvi_aud_20121128.html Acesso em: 13/07/2016



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12