21 de ago de 2016

Hierarquia dos anjos I


Como vimos na postagem anterior, Deus é o chefe de todos os anjos, dos homens e de toda criatura1 e governa a sua criação "governando certos seres mediante outros".

Foi da vontade divina que houvesse uma desigualdade das cria­turas3. E essa desigualdade constituída nas coisas criadas por Deus, "exige que uma criatura atue sobre outra. Pois, a desigualdade das cria­turas resulta de ser mais perfeita uma do que outra"3 

Assim, dentro da criação, "os anjos se subdividem em ordens e graus, correspondentes à medida da sua perfeição e às tarefas que lhes estão confiadas."4 Há três hierarquias angélicas com três ordens em cada uma delas. 

Nesta postagem, veremos a hierarquia superior dos anjos, aquela que rodeia Deus, a Primeira Hierarquia, que é formada pelas ordens dos Serafins, Querubins e Tronos.

Segundo Pseudo Dionísio, em seu tratado "Da Hierarquia Celeste"(cap VII)5, os anjos dessa hierarquia superior apresentam as seguintes características:
  • Pureza - " eles são puros não apenas por estarem livres de todo o pecado e de tudo o que é profano, mas porque eles ignoram toda a imaginação material; porque estão acima de toda a fraqueza; porque a sua sublime pureza ultrapassa a de quaisquer outras inteligências angélicas; porque conservam sem qualquer perda ou corrupção a estabilidade perpétua do poder que possuem de estarem em harmonia com Deus." 
  • Contemplação - "são igualmente contemplativos (...) porque recebem em toda a plenitude o saber de uma Luz superior através da contemplação desse Ser Sobreessencial e triplamente luminoso, que está na origem e no princípio de toda a beleza". 
  • Perfeição - Eles são perfeitos "pela ciência superior que possuem na qualidade de mensageiros das operações divinas. É diretamente de Deus que eles recebem a iniciação sagrada e é graças a esse poder de se elevarem diretamente até Deus, que eles devem a superioridade sobre todos os outros seres".
  • São iniciados diretamente por Deus - "Os teólogos mostram claramente que as ordens inferiores das essências celestes aprendem de seus superiores tudo o que lhes concernem às operações divinas, enquanto que a ordem mais elevada é iniciada por Deus. (...) recebem de Jesus Cristo a sua iniciação sem intermediários, recebendo d’Ele antes de todos os outros a revelação da obra redentora que Ele levou a cabo por amor aos homens."
  • Estão próximos a Jesus e o imitam - "Eles têm igualmente o mérito de entrarem em comunhão com Jesus através de uma verdadeira proximidade, pois tomam parte no conhecimento de Suas operações divinas, uma vez que lhes foi dada no mais alto grau a capacidade de imitarem a Deus". 
  • Louvam a Deus - " a teologia nos transmite os hinos que cantam esses anjos, onde se manifesta o caráter transcendente da sua sublime iluminação. Se ousarmos utilizar uma imagem terrena, eles se assemelham à voz de uma torrente tempestuosa quando gritam: "Bendita seja a glória do Senhor, que se vai do seu lugar" (Ez 3:12). Outros anjos entoam o hino célebre e venerável: "Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus dos exércitos, toda a terra está cheia da Sua glória" (Is 6:3)". 
  • Dão "repouso" a Deus - "Nessa primeira ordem das essências celestes estão os lugares divinos, onde segundo a expressão das Sagradas Escrituras a Divindade "repousa". 
  • Ensinam que Deus é Uno - "Essa ordem ensina também aos outros anjos que a Divindade é una. Una em Três Pessoas e que Ela exerce a sua Providência benfeitora desde as essências que vivem no céu até as mais baixas criaturas terrenas, pois Ela é o Princípio e a Causa de toda a essência e é Ela que envolve o universo inteiro de modo sobreessencial num abraço irresistível".
Vejamos, agora, cada uma das ordens dessa hierarquia separadamente:


1ª Ordem: Serafins



Os Serafins estão descritos na Bíblia em Is 6,2-3: "Os serafins se mantinham junto dele. Cada um deles tinha seis asas; com um par (de asas) velavam a face; com outro cobriam os pés; e, com o terceiro, voavam. Suas vozes se revezavam e diziam: Santo, santo, santo é o Senhor Deus do universo! A terra inteira proclama a sua glória!"

Pseudo Dioní­sio interpreta o nome de Serafim pelas propriedades do fogo 6
  • movimento contínuo para cima - "Pelo que se significa que são movidos para Deus, indeclinavelmente, movimenta-se perpetuamente em torno dos segredos divinos."
  • poder de purificação e ardor - "significa a poderosa ação que os referidos anjos exercem sobre os que lhes estão sujeitos, excitando-os a fervor semelhante e purificando-os totalmente pelo incêndio, é o poder de elevarem eficazmente as suas semelhanças aos que lhes são inferiores, comunicando-lhes o mesmo ardor a mesma chama e o mesmo calor."
  • claridade inextinguível- "os ditos anjos trazem, em si mesmos, luz inextinguível e iluminam perfeitamente os outros; aptidão para conservarem a sua própria luz, o seu poder de iluminação e a faculdade de abolirem todas as trevas."
Para São Tomás de Aquino,  os Serafins "são exce­lentes pelo que é mais elevado que tudo, a saber, estar unido ao próprio Deus".7 E a afinidade existente com o Espírito Santo, "que é o amor procedente"7, lhe permite ter a denominação de "incêndio do amor"7.


2ª Ordem: Querubins 


Os querubins estão presentes na Bíblia em Gênesis 3,24, quando Deus expulsa Adão e Eva do Paraíso e coloca "ao oriente do jardim do Éden querubins armados de uma espada flamejante, para guardar o caminho da árvore da vida." bem como em Eclesiástico 49,10, nas visão de Ezequiel.

Eles também são citados em Êxodo, quando Deus manda construir a arca: "Farás dois querubins de ouro" (Ex 25, 18) e "Terão esses querubins suas asas estendidas para o alto" (Ex 25,20); e na construção do templo de Salomão, em Reis 6, 23: "Fez no santuário dois querubins de pau de oliveira, que tinham dez côvados de altura.." e em II Crônicas 3,10:"Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro".

Sua descrição está em Ezequiel 10, 5-14: "O ruflar das asas dos querubins fazia-se ouvir até no pátio exterior, e assemelhava-se à voz do Deus onipotente quando fala"; "os querubins pareciam ter mãos humanas sob as asas"; "Todo o seu corpo, suas costas, suas mãos e suas asas, assim como as rodas, achavam-se guarnecidas de olhos em derredor: cada um dos quatro possuía uma roda"; "Cada um (dos querubins) tinha quatro faces: o primeiro, a de um querubim; o segundo, um aspecto humano; o terceiro, o de um touro, e o quarto o de uma águia".

Sua proximidade a Deus consta nos louvores bíblicos: "Sede bendito por penetrardes com o olhar os abismos, e por estardes sentado sobre os querubins (Daniel 3, 54); "Vós que assentais acima dos querubins, mostrai vosso esplendor em presença de Efraim, Benjamim e Manassés. "(Salmos 79, 3); "O Senhor reina, tremem os povos; seu trono está sobre os querubins: vacila a terra." (Salmos 98, 1) e "Ó Senhor dos exércitos, Deus de Israel, vós que estais sentado sobre os querubins (Isaías 37, 16)

"Querubim, em hebraico, significa “aquele que arde”. Significa também “massa de conhecimento e efusão de sabedoria.”(cap VII)5. São Tomás de Aquino explica que "o nome de Querubins é imposto, pelo excesso de ciência e é interpretado como Plenitude da ciência. Os Queru­bins têm a excelência da ciência. O que Dionísio explica relativamente a quatro pontos: primeiro, quanto à visão perfeita de Deus; segundo, quanto ao pleno recebimento da divina luz; terceiro, quanto ao contemplarem, em Deus mesmo, a beleza da ordem das coisas deles derivada; quarto, quanto a difundirem copiosamente, nos outros, esse conhecimento, em que superabundam."6

Um dado interessante que São Tomás de Aquino coloca é que o primeiro anjo pecador era um querubim 8:
"Querubim quer dizer plenitude da ciência e, Serafim, ardentes ou que incendeiam. Assim, é claro que o Querubim tira a sua denominação da ciência, que pode ir com o pecado mortal; porém, a denominação de Serafim vem do ardor da caridade, que não pode coexistir com tal pecado. Por isso, o primeiro anjo pecador não era denominado Serafim, mas Querubim."
3ª Ordem: Tronos 


A ordem dos Tronos é citada na Bíblia em:

  • Mt 19,28: "Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel";
  • Lc 22,30: "para que comais e bebais à minha mesa no meu Reino e vos senteis em tronos, para julgar as doze tribos de Israel."; 
  • Col 1,16: "Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e as invisíveis. Tronos, dominações, principados, potestades: tudo foi criado por ele e para ele.";
  • Apocalipse 20,4: "Vi também tronos, sobre os quais se assentaram aqueles que receberam o poder de julgar".

"Os Tronos, sublimes e luminosos, indicam a ausência total de qualquer concessão aos bens inferiores e a tendência contínua para os cumes, que sublinha bem o fato de eles nada terem em comum com o que lhes está abaixo. Eles indicam a sua infalível aversão a toda indignidade, a grande concentração de toda a sua capacidade para se manterem constante e firmemente perto do Altíssimo, a capacidade de receberem indiferentemente todas as visitações da Divindade, o privilégio que têm de servirem de assento a Deus e o seus zelos em se abrirem aos dons de Deus." 5


"A ordem dos Tronos têm excelência sobre as ordens inferiores por po­derem conhecer imediatamente, em Deus, as ra­zões das obras divinas."6  "Os Tronos, como diz Gregório, são aqueles pelos quais Deus decreta os seus juízos; e recebem as iluminações divinas para o fim de iluminarem imediatamente a segunda hierarquia."7


É importante enfatizar que cabe a essa hierarquia superior transmitir a luz divina à segunda hierarquia, que é inferior a ela, conforme explicação de Pseudo Dionísio:
"essas essências que confessam Deus em primeiro lugar e que tendem mais que todas as outras para a virtude divina, merecem ser as primeiras na imitação divina.São elas que na sua bondade distribuem generosamente às ordens inferiores esse esplendor que as penetra, que por sua vez as distribuem às outras subordinadas. É assim que gradativamente a que precede, distribui à seguinte a luz divina que ela própria recebeu, a qual se distribui providencialmente sobre todas as essências à medida das suas capacidades."(Cap XIII)5
Assim, os seres da primeira hierarquia "iluminam e purificam as que têm um nível (hierárquico) inferior, de modo que essas últimas elevadas por intermédio da primeira"5 até Deus "tomem parte tanto quanto lhes é possível nas iluminações e nos aperfeiçoamentos operados por Aquele que é o princípio de toda a perfeição"5.

Na próxima postagem sobre os anjos, veremos a segunda hierarquia, a das Domi­nações, Virtudes e Potestades. Até lá!

Notas
1. São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte, Tratado sobre a conservação e o governo das coisas, questão 108, artigo 1. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/2044 
2. São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte, Tratado sobre a conservação e o governo das coisas, questão 103 artigo 6. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/3833
3. São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte, Tratado sobre a obra dos seis dias, questão 47, artigo 3. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/791
4. Papa João Paulo II, Audiência: "A participação dos anjos na história da salvação" (06 de agosto de 1986). Disponível em: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/es/audiences/1986/documents/hf_jp-ii_aud_19860806.html
5. Pseudo Dionísio, Da Hierarquia Celeste, Disponível em: http://www.fatheralexander.org/booklets/portuguese/hier_celeste_s_dinis.htm
6.  São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte, Tratado sobre a conservação e o governo das coisas, questão 108, artigo 5. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/2048
7. São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte, Da ordenação dos anjos por hierarquias e ordens, questão 108, artigo 6. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/2049
8. São Tomás de Aquino, Suma Teológica, Primeira Parte,, Tratado dos Anjos, questão 63, artigo 7. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/2485

Autoria: Betania Tavares
Desconheço o autor das imagens


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão, deixe uma mensagem!!!


"Despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da Luz" Rm 13,12